Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Ataque a comboio humanitário foi “sistemático, carro a carro”, diz fundador de ONG

    Sete trabalhadores da World Central Kitchen morreram na ação, que foi criticada internacionalmente; Israel disse que isso “acontece na guerra”

    Veículo onde funcionários da World Central Kitchen (WCK) foram mortos em ataque aéreo de Israel, em Deir Al-Balah, no centro de Gaza
    Veículo onde funcionários da World Central Kitchen (WCK) foram mortos em ataque aéreo de Israel, em Deir Al-Balah, no centro de Gaza 02/04/2024REUTERS/Ahmed Zakot

    Rob Pichetada CNN

    O fundador da World Central Kitchen (WCK) acusou Israel de ter como alvo seus trabalhadores humanitários “sistematicamente, carro a carro” durante os ataques que deixaram sete mortos na segunda-feira (1º), enquanto a crescente fúria internacional sobre o ataque pressiona ainda mais o apoio ocidental à guerra de Israel em Gaza.

    A WCK desafiou a resposta de Israel aos ataques em uma nova declaração na quinta-feira (4) e pediu um inquérito independente sobre os ataques, que atingiram três carros da WCK no centro de Gaza.

    “Israel admitiu os assassinatos, mas chamou de ‘um evento trágico em que nossas forças prejudicaram involuntariamente os não-combatentes’ e algo que ‘acontece na guerra‘”, disse a organização não-governamental.

    “Este foi um ataque militar que envolveu vários disparos e teve como alvo três veículos da WCK. Todos os três veículos transportavam civis; eles foram marcados como veículos da WCK; e seus movimentos estavam em total conformidade com as autoridades israelenses, que estavam cientes de seu itinerário, rota e missão humanitária”, acrescentou.

    Sete pessoas – três britânicos, um palestino, um cidadão EUA-Canadá, um australiano e um polonês – foram mortos nos disparos, desencadeando fúria nesses países e provocando um escrutínio ainda maior da conduta de Israel em Gaza desde que lançou sua guerra contra o Hamas em outubro.

    Em uma entrevista à Reuters, o famoso chef José Andres – que fundou a WCK em 2010 – acusou Israel de “sistematicamente” atingir os sete trabalhadores humanitários da WCK. Esta não foi uma “situação de má sorte em que, ‘oops’, lançamos a bomba no lugar errado”, disse Andres à Reuters.

    “Mesmo que não estivéssemos em coordenação com as (Forças de Defesa de Israel), nenhum país democrático e nenhum militar pode estar atirando em civis e humanitários.”

    A WCK exigiu que os governos dos países das vítimas pressionem por um inquérito, e disse que pediu ao governo israelense “para preservar imediatamente todos os documentos, comunicações, gravações de vídeo e/ ou áudio e quaisquer outros materiais potencialmente relevantes” para os ataques, a fim de “garantir a integridade” de uma investigação.

    O chefe do Estado-Maior das Forças Armadas de Israel, o Ten. Gen. Herzi Halevi, anteriormente, se desculpou pelo ataque e descreveu-o como “um erro que se seguiu a um erro de identificação.”

    “Quero ser muito claro – o ataque não foi realizado com a intenção de prejudicar os trabalhadores humanitários da WCK. Foi um erro que se seguiu a um erro de identificação – à noite, durante uma guerra em condições muito complexas. Não deveria ter acontecido”, disse Halevi.

    Mas a resposta de Israel ao ataque exacerbou a raiva nas nações de origem dos sete trabalhadores mortos.

    O primeiro-ministro da Austrália, Anthony Albanese, disse nesta quinta-feira (4) que a explicação de Israel para os ataques “não é boa o suficiente.”

    “Precisamos ter responsabilidade sobre como isso ocorreu. E o que não é bom o suficiente são as declarações que foram feitas, incluindo que isso é apenas um produto da guerra”, disse ele. “Isso é contra o direito humanitário.”

    Mas a maioria dos olhos ao redor do mundo está na resposta dos Estados Unidos, o aliado mais importante de Israel e um fornecedor de uma quantidade significativa de armas e ajuda militar.

    Uma análise da CNN de vídeos e imagens posteriores descobriu que o ataque parece ter consistido em vários disparos de precisão.

    A CNN geolocalizou vídeo e imagens de todos os três veículos destruídos, pelo menos um dos quais foi claramente marcado com um logotipo WCK em seu teto, para duas posições na estrada costeira Al Rashid da faixa, e um terceiro local em uma área off-road de terreno aberto nas proximidades. O primeiro local foi a cerca de 2,4 quilômetros do terceiro, indicando que os três veículos foram atingidos por ataques separados.

    Além de provocar raiva em todo o mundo, os ataques causaram preocupação de que a distribuição de ajuda alimentar em Gaza – que já era extremamente limitada – se torne ainda mais perigosa.

    Um barco da WCK que transportava cerca de 332 toneladas de ajuda humanitária deixou Gaza sem descarregar a maior parte de sua carga após o ataque militar israelense, segundo o Ministério das Relações Exteriores do Chipre.

    Centenas de trabalhadores humanitários foram mortos durante a guerra de Israel com Gaza – ao lado de mais de 33 mil palestinos, de acordo com os últimos dados do Ministério da Saúde no enclave.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original