Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Ataques aéreos israelenses em Gaza matam líder sênior da Jihad Islâmica

    Ministério da Saúde palestino informou que pelo menos dez pessoas morreram, incluindo uma menina de cinco anos, e outras 55 ficaram feridas

    Andrew CareyAbeer SalmanAmir TalIbrahim Dahmanda CNN

    Ouvir notícia

    Os militares israelenses lançaram ataques mortais contra o que descreveram como alvos da Jihad Islâmica em Gaza nesta sexta-feira (5), enquanto as tensões continuam aumentando entre Israel e grupos militantes palestinos.

    A Jihad Islâmica disse em um comunicado que um de seus principais líderes, Tayseer Al Jabari, foi morto em um ataque israelense. Ele era comandante da Brigada Quds, o braço armado da Jihad Islâmica, disse o grupo, e membro de seu Conselho Militar.

    O Ministério da Saúde palestino disse que pelo menos dez pessoas foram mortas, incluindo uma menina de 5 anos e uma mulher de 23 anos. Outros 55 ficaram feridos, disse ele. Israel insiste que a maioria dos mortos eram militantes.

    Um produtor da CNN em Gaza viu médicos carregando dois corpos para fora de um prédio chamado Torre Palestina, que havia sido atingido em um dos ataques.

    Um comunicado do exército israelense disse que a operação militar — que chamou de “Amanhecer Quebrando” — tinha como alvo a Jihad Islâmica, o menor dos dois principais grupos militantes em Gaza.

    O exército israelense disse que o foco principal de sua ação militar foi um ataque aéreo preventivo contra Al Jabari, e ataques a dois esquadrões anti-tanque que estavam a caminho de realizar um ataque às forças israelenses.

    Em uma ligação com repórteres na sexta-feira, um porta-voz do exército disse que os dois esquadrões haviam sido rastreados por vários dias antes da Força Aérea realizar sua operação, acrescentando que Israel estava enfrentando uma ameaça iminente há vários dias, enquanto as duas unidades militantes se moviam muito perto da cerca que separa Gaza de Israel.

    Uma “situação especial” foi declarada em áreas ao redor de Gaza, na expectativa de possíveis disparos de foguetes ou outros ataques retaliatórios, disse o exército israelense.

    “O objetivo desta operação é a eliminação de uma ameaça concreta contra os cidadãos de Israel e os civis que vivem ao lado da Faixa de Gaza, bem como o alvo de terroristas e seus patrocinadores”, disse o primeiro-ministro de Israel, Yair Lapid, e o ministro da Defesa Benny Gantz em uma declaração conjunta.

    “O governo israelense não permitirá que organizações terroristas na Faixa de Gaza definam a agenda na área adjacente à Faixa de Gaza e ameacem os cidadãos do Estado de Israel. Qualquer um que tente prejudicar Israel deve saber: Nós vamos encontrá-lo”, disse Lapid.

    A Jihad Islâmica prometeu responder. “Todas as opções estão abertas, com todos os meios que a resistência palestina tem, seja em Gaza ou fora”, disse o porta-voz Daoud Shehab na Al Jazeera. “O campo de batalha está aberto… A resistência responderá com toda a força. Não vamos dizer como, mas é inevitável.

    Enquanto isso, Gantz autorizou a convocação de 25 mil reservistas, sinalizando a preparação de Israel para uma escalada em larga escala.

    Os chamados imediatamente reforçarão o comando sul do exército, que inclui a área ao redor de Gaza, bem como unidades que operam os sistemas de defesa aérea de Israel, entre outras implantações, disse o Ministério da Defesa.

    O Hamas, o grupo militante que controla Gaza, condenou a ação israelense. “O inimigo israelense, que iniciou a escalada contra Gaza e cometeu um novo crime, deve pagar o preço e assumir total responsabilidade por isso”, disse o porta-voz Fawzi Barhoum.

    Os ataques ocorrem depois que as forças israelenses capturaram um comandante sênior da Jihad Islâmica, Bassam al-Saadi, durante um ataque na noite de segunda-feira na cidade ocupada da Cisjordânia de Jenin.

    Durante essa operação, um palestino de 17 anos ligado à Jihad Islâmica foi morto a tiros em uma troca de tiros com soldados israelenses, segundo os militares israelenses. O Ministério da Saúde palestino disse que a vítima foi baleada na cabeça pelas forças israelenses.

    Saadi era um dos dois suspeitos de terrorismo procurados presos naquele ataque, disse Israel. A Brigada quds, a ala armada da Jihad Islâmica, disse que estava mobilizando suas forças através dos territórios palestinos em resposta.

    Nos últimos meses, houve repetidas operações israelenses dentro e ao redor de Jenin, depois que vários ataques fatais dentro de Israel foram realizados por atiradores palestinos da região. Trinta palestinos foram mortos nos ataques desde o início do ano, de acordo com o Ministério da Saúde palestino.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original

    Mais Recentes da CNN