Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Autoridades encontram crânio de golfinho dentro de bolsa abandonada nos EUA

    Crânio encontrado no aeroporto de Detroit foi entregue aos inspetores do Serviço de Pesca e Vida Selvagem norte-americano para investigação

    Crânio era de um golfinho jovem, aponta análise
    Crânio era de um golfinho jovem, aponta análise Serviço de Alfândega e Proteção de Fronteiras

    Christina Maxourisda CNN

    Autoridades federais fizeram uma descoberta sombria e inesperada em uma bolsa abandonada na semana passada em um aeroporto de Detroit, nos Estados Unidos.

    Dentro da bolsa continha o crânio de um jovem golfinho, disse o Serviço de Alfândega e Proteção de Fronteiras (CBP, em inglês), dos EUA, em um comunicado à imprensa na sexta-feira (3).

    A bolsa foi separada de seus donos durante a viagem e, quando chegou ao país, uma triagem de rotina no Aeroporto Metropolitano de Detroit revelou o que parecia ser um objeto em forma de caveira, disse o CBP no comunicado.

    “Após um exame mais aprofundado pelo CBP e pelos funcionários do Serviço de Pesca e Vida Selvagem dos EUA, foi determinado que o crânio era de um golfinho jovem”, disse o comunicado.

    O crânio foi entregue aos inspetores do Serviço de Pesca e Vida Selvagem para uma investigação mais aprofundada.

    “A posse de itens de animais selvagens, especialmente aqueles de animais protegidos, é proibida”, disse Robert Larkin, diretor do porto da área, em um comunicado.

    “Levamos a sério o contrabando de vida selvagem e trabalhamos em estreita colaboração com nossos parceiros federais no Serviço de Pesca e Vida Selvagem para proteger a vida selvagem e seus habitats”.

    Existem restrições e requisitos em relação à importação e exportação de certos peixes, animais selvagens e produtos provenientes deles – e não é a primeira vez que as autoridades dos EUA fazem uma apreensão semelhante.

    Em dezembro, oficiais do CBP apreenderam ossos de zebra e girafa de uma mulher no Aeroporto Internacional Dulles, em Washington. A mulher, que viajava do Quênia, guardou os ossos como lembrança, disseram as autoridades na época.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original