Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Balões são fundamentais para China dominar campo de batalha na mesosfera

    Militares chineses denominam a região como "uma nova frente para a militarização"

    Balão voa no céu sobre Billings, Montana
    Balão voa no céu sobre Billings, Montana , em fotografia obtida das mídias sociais01/02/2023Chase Doak/via REUTERS

    Simone McCarthyNectar GanWayne Changda CNN

    Aos olhos da China, o mais novo campo de batalha da superpotência fica entre 19 e 96 quilômetros acima da superfície da Terra em uma camada rarefeita da atmosfera que ela chama de “espaço próximo” (ou mesosfera).

    Situado acima das trajetórias de voo da maioria dos jatos comerciais e militares e abaixo dos satélites, o espaço próximo é uma área intermediária para a passagem de voos espaciais – mas também é um domínio onde armas hipersônicas transitam e mísseis balísticos se cruzam.

    A China prestou muita atenção aos desenvolvimentos de outros países nesta região, saudada por especialistas militares chineses como “uma nova frente para a militarização” e “um importante campo de competição entre as potências militares mundiais”.

    Além de desenvolver embarcações de alta tecnologia, como drones movidos a energia solar e veículos hipersônicos, a China também está revivendo uma tecnologia de décadas para utilizar esta área da atmosfera – veículos mais leves que o ar.

    Eles incluem dirigíveis estratosféricos e balões de grande altitude – semelhantes ao identificado sobre o território continental dos Estados Unidos e abatido no sábado (4).

    A China afirma que o balão é um dirigível de pesquisa civil, apesar das alegações de autoridades americanas de que o dispositivo fazia parte de um extenso programa de vigilância chinês.

    Embora permaneçam dúvidas sobre esse incidente, um exame dos relatórios da mídia estatal chinesa e artigos científicos revela o crescente interesse do país nesses veículos mais leves que o ar, que os especialistas militares chineses divulgaram para uso em uma ampla gama de propósitos, desde retransmissão de comunicação, reconhecimento e vigilância a contramedidas eletrônicas.

    Ambições no espaço próximo

    A pesquisa chinesa sobre os balões de alta altitude remonta ao final dos anos 1970, mas na última década houve um foco renovado no uso de tecnologia mais antiga equipada com novo hardware, à medida que as principais potências do mundo aumentaram suas capacidades no céu.

    “Com o rápido desenvolvimento da tecnologia moderna, o espaço para confronto de informações não se limita mais à terra, ao mar e à baixa altitude. O espaço próximo também se tornou um novo campo de batalha na guerra moderna e uma parte importante do sistema de segurança nacional”, dizia um artigo de 2018 no PLA Daily, jornal oficial do Exército Popular de Libertação (PLA, na sigla em inglês).

    E uma variedade de “veículos de voo próximo ao espaço” desempenhará um papel vital em futuras operações de combate conjuntas que integram o espaço sideral e a atmosfera da Terra, disse o artigo.

    O líder chinês, Xi Jinping, estimulou a Força Aérea do PLA a “acelerar a integração aérea e espacial e aprimorar suas capacidades ofensivas e defensivas” já em 2014, e especialistas militares designaram o “espaço próximo” como um elo crucial na integração.

    Pesquisas no CNKI, o maior banco de dados acadêmico online da China, mostram que pesquisadores chineses, militares e civis, publicaram mais de 1.000 artigos e relatórios sobre “espaço próximo”, muitos dos quais se concentram no desenvolvimento de “veículos de voo espacial próximo”.

    A China também montou um centro de pesquisa para projetar e desenvolver balões de alta altitude e dirigíveis estratosféricos, ou dirigíveis, sob a Academia Chinesa de Ciências, um dos principais institutos de pesquisa do governo.

    Uma área particular de interesse é a vigilância. Enquanto a China já implanta uma ampla rede de satélites para vigilância sofisticada de longo alcance, os especialistas militares chineses destacaram as vantagens dos veículos mais leves que o ar.

    Ao contrário de satélites rotativos ou aeronaves em movimento, dirigíveis estratosféricos e balões de alta altitude “podem pairar sobre um local fixo por um longo período de tempo” e não são facilmente detectados pelo radar, escreveu Shi Hong, editor executivo da Shipborne Weapons, um proeminente militar revista publicada por um instituto ligado ao PLA, em artigo publicado na mídia estatal em 2022.

    Em um segmento de vídeo de 2021 executado pela agência de notícias estatal Xinhua, um especialista militar explica como os veículos mais leves que o ar no espaço próximo podem vigiar e tirar fotos e vídeos de resolução mais alta a um custo muito menor em comparação com os satélites.

    No vídeo, Cheng Wanmin, especialista da Universidade Nacional de Tecnologia de Defesa, destacou o progresso dos EUA, Rússia e Israel no desenvolvimento desses veículos, acrescentando que a China também fez seus próprios “avanços”.

    Um exemplo dos avanços que a China fez neste domínio é o voo relatado de um dirigível não tripulado de 100 metros de comprimento conhecido como “Cloud Chaser”.

    Em uma entrevista de 2019 ao jornal Southern Metropolis Daily, Wu Zhe, professor da Universidade Beihang, disse que o veículo transitou pela Ásia, África e América do Norte em um voo ao redor do mundo a 20.000 metros acima a Terra.

    Outro cientista da equipe disse ao jornal que, em comparação com os satélites, os dirigíveis estratosféricos são melhores para “observação de longo prazo” e têm uma variedade de propósitos, desde alerta de desastres e pesquisa ambiental até construção de redes sem fio e reconhecimento aéreo.

    Outros jogadores, outros usos

    Também está claro que a China não está sozinha em ver novos usos para uma tecnologia aproveitada para reconhecimento militar desde o final do século 18, quando as forças francesas empregaram um corpo de balão.

    Os EUA também têm reforçado sua capacidade de usar veículos mais leves que o ar. Em 2021, o Departamento de Defesa dos EUA contratou uma empresa aeroespacial americana para trabalhar no uso de seus balões estratosféricos como um meio “para desenvolver um quadro operacional mais completo e aplicar efeitos ao campo de batalha”, de acordo com um comunicado da empresa, Raven Aerostar, no momento.

    “Eles são baratos, fornecem um olhar persistente de longo prazo para a coleta de imagens, comunicações e outras informações – incluindo clima”, disse Mulvaney, autor de um artigo de 2020 que detalhou o interesse da China em usar veículos mais leves que o ar para “percursos espaciais próximos”.

    A China também parece ciente do potencial de outros países usarem balões para espionagem.

    Em 2019, uma série de documentários sobre as forças de defesa da fronteira da China produzida por um canal de televisão estatal apresentou um incidente em que a Força Aérea do PLA avistou e derrubou um suposto balão de vigilância de alta altitude que “ameaçou a segurança da defesa aérea (da China)”.

    O documentário não forneceu mais detalhes sobre a hora e o local do incidente, mas um artigo publicado em abril passado por pesquisadores de um instituto do PLA observou que balões à deriva foram vistos sobre a China em 1997 e 2017.

    Outros especialistas apontaram para o uso potencial de balões na coleta de dados que podem ajudar no desenvolvimento da China de armas hipersônicas que transitam pelo espaço próximo.

    “Entender as condições atmosféricas lá em cima é fundamental para programar o software de orientação” para mísseis balísticos e hipersônicos, segundo o analista baseado no Havaí Carl Schuster, ex-diretor de operações do Centro de Inteligência Conjunta do Comando do Pacífico dos EUA.

    Relatórios da mídia estatal chinesa mostram que a China também usou balões para testar veículos hipersônicos avançados.

    Em 2019, o canal militar da emissora estatal CCTV mostrou imagens de um balão decolando para o que descreveu como teste inaugural de três modelos miniaturizados de “aeronave de amplo alcance”, que, segundo relatos da mídia chinesa, podem voar em uma ampla gama de velocidades, até cinco vezes a velocidade do som.

    Ponto cego

    Oficiais de inteligência dos EUA acreditam que o balão chinês identificado sobre os EUA nos últimos dias faz parte de um extenso programa de vigilância militar chinês envolvendo uma frota de balões que realizou pelo menos duas dúzias de missões em pelo menos cinco continentes nos últimos anos, informou a CNN na terça-feira (7).

    Pequim disse nesta quinta-feira (9) que a avaliação era “provavelmente parte da guerra de informação e opinião pública dos EUA” contra a China. Ele sustentou que o dispositivo identificado nos EUA é de natureza civil e o vinculou a “empresas”, embora tenha se recusado a fornecer mais informações sobre qual entidade fabricou os balões.

    Tanto a ilha autônoma de Taiwan quanto o Japão reconheceram avistamentos semelhantes no passado, embora não esteja claro se eles estão relacionados ao incidente nos EUA.

    Um comandante militar dos EUA reconheceu na segunda-feira (6) que os EUA têm uma “lacuna de consciência de domínio” que permitiu que três outros balões de espionagem chineses suspeitos transitassem pelos EUA continentais sem serem detectados durante o governo anterior.

    Uma equipe do FBI está trabalhando para entender mais sobre o equipamento recuperado do balão abatido no mar – incluindo que tipo de dados ele poderia coletar e se poderia transmiti-los em tempo real.

    Mulvaney, da CASI, disse que, independentemente de o próprio balão ser caracterizado como “de uso duplo” ou “estatal”, os dados coletados teriam voltado para a China, que agora está recebendo outro tipo de informação sobre o incidente.

    “No final das contas, as respostas e táticas, técnicas e procedimentos dos EUA e de outros países sobre como eles reagem ou falham – tudo isso tem valor para a China e o PLA.”

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original