Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Bayer é condenada a pagar US$ 2,25 bi por agrotóxico que teria causado câncer

    John McKivison, que foi diagnosticado com linfoma não Hodgkin, processou a empresa, dizendo que desenvolveu o câncer depois de usar o Roundup

    Logo da Bayer fotografado em Leverkusen, Alemanha
    Logo da Bayer fotografado em Leverkusen, Alemanha 27/02/2019REUTERS/Wolfgang Rattay

    Zenebou SyllaElizabeth Wolfeda CNN

    Um júri da Pensilvânia condenou a Monsanto e a Bayer a pagar US$ 2,25 bilhões depois de determinar que o seu produto herbicida Roundup causou câncer em homem, anunciaram os advogados.

    John McKivison, 49, que foi diagnosticado com linfoma não Hodgkin, processou a empresa, dizendo que desenvolveu o câncer depois de usar o Roundup em sua propriedade por duas décadas, disseram seus advogados no escritório de advocacia Kline & Specter em um comunicado à imprensa na segunda-feira (29).

    O júri deu seu veredicto, que inclui US$ 2 bilhões em danos punitivos, no Tribunal Comum de Apelações da Filadélfia na sexta-feira (26), depois de concluir que o Roundup “é um produto defeituoso e causador de câncer, que a Monsanto foi negligente e que a Monsanto não alertou sobre os perigos” do herbicida, disse o escritório de advocacia.

    “O veredicto unânime do júri foi uma condenação de 50 anos de má conduta da Monsanto e uma declaração de que sua má conduta foi um desrespeito imprudente à segurança humana e uma causa substancial do câncer de John McKivison”, disseram os advogados de McKivison, Tom Kline e Jason Itkin, em um comunicado.

    A Bayer, que adquiriu a gigante agroquímica Monsanto em 2018, disse que recorrerá do veredicto e acredita que será capaz de eliminar ou reduzir a “indenização por danos inconstitucionalmente excessivos”.

    “Embora tenhamos grande simpatia pelo demandante neste caso, estamos confiantes de que nossos produtos podem ser usados ​​com segurança e não são cancerígenos, de acordo com as avaliações de reguladores especializados em todo o mundo”, disse a empresa em comunicado na sexta-feira.

    Pacientes com linfoma não Hodgkin começaram a processar a Monsanto aos montes depois que um relatório da Organização Mundial da Saúde de 2015 sugeriu que o glifosato, o principal ingrediente do Roundup, poderia causar câncer.

    O relatório, da Agência Internacional de Investigação sobre o Câncer da OMS, afirma que o glifosato é “provavelmente cancerígeno para os seres humanos”.

    Mas a Monsanto continuou a vender o herbicida. A empresa afirma que o Roundup não causa câncer e refutou o relatório da IARC, alegando que o número é muito inferior aos estudos que afirmam que o glifosato é seguro.

    A Agência de Proteção Ambiental dos EUA disse em 2020 que não encontrou “nenhum risco preocupante para a saúde humana quando o glifosato é usado de acordo com seu rótulo atual” e que é “improvável que o produto químico seja um carcinógeno humano”. A Comissão Europeia também determinou no ano passado que “não há provas que classifiquem o glifosato como cancerígeno”.

    A American Cancer Society afirma que a causa da maioria dos linfomas é desconhecida, mas o linfoma não Hodgkin tem sido associado a fatores de risco, incluindo a exposição a certos produtos químicos em herbicidas e inseticidas. A organização observou que a investigação para “esclarecer” as potenciais ligações ainda está em curso.

    Ao longo dos anos, a empresa com sede na Alemanha pagou mais de US$ 10 bilhões em indenizações a milhares de pacientes com câncer que processaram a Monsanto, alegando que o Roundup causa o linfoma não Hodgkin e acusando a empresa de não alertar adequadamente os consumidores sobre o risco.

    Muito poucos dos processos relacionados ao Roundup foram a julgamento. Nos casos dos pacientes com câncer Dewayne Johnson, Edwin Hardeman e Alva e Alberta Pilliod, o júri apoiou os demandantes e concederam-lhes dezenas de milhões – e até bilhões – de dólares, embora os juízes tenham posteriormente reduzido esses montantes, dizendo que eram excessivos.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original