Biden disse que colocaria mulher negra no Supremo; veja possíveis indicadas

A aposentadoria do juiz Stephen Breyer da Suprema Corte americana abre caminho para a primeira indicação do atual presidente ao tribunal

Ariane de VogueTierney Sneedda CNN

Ouvir notícia

A aposentadoria do juiz Stephen Breyer prepara o palco para o que pode ser dos feitos mais monumentais da presidência de Joe Biden nos Estados Unidos.

A cadeira de Breyer pode ser a única a ser preenchida por Biden na Suprema Corte em seu governo. Mas pode ser que ele não consiga, caso o Partido Republicano retome o controle do Senado antes que a escolha do presidente para um substituto seja confirmada.

Durante a campanha, Biden prometeu colocar uma mulher negra na mais alta corte do país, o que seria um primeiro lugar histórico. Uma pequena lista de candidatas potenciais já vinha circulando em Washington muito antes de os planos de aposentadoria de Breyer se tornarem públicos. Membros do Conselho da Casa Branca montaram dossiês sobre várias candidatas em antecipação de uma vaga potencial. Agora, esses esforços irão aumentar significativamente e o presidente irá provavelmente se reunir com cada uma delas antes de anunciar a sua escolha.

A Casa Branca é repleta de membros muito familiarizados com o processo de confirmação, começando pelo próprio Biden (que presidiu o Comitê Judiciário do Senado) e incluindo o chefe de pessoal da Casa Branca, Ron Klain, que tem experiência tanto no escritório do advogado da Casa Branca quanto no trabalho para o Comitê Judiciário do Senado.

Com o Partido Democrata segurando a mais estreita das maiorias no Senado, Biden terá de escolher alguém que consiga obter com segurança 50 votos (a vice-presidente Kamala Harris pode dar o voto de minerva se houver empate). Além da contagem de votos, Biden também tem de estar atento ao calendário. É provável que os republicanos do Senado retomem o controle do senado nas eleições de metade de mandato deste ano e eles já sinalizaram que iriam bloquear um candidato de Biden à Suprema Corte. Normalmente, leva-se de dois a três meses para um presidente ver o seu candidato confirmado pelo Senado após a nomeação. No entanto, a mais nova juíza da Corte foi confirmada em apenas um mês e meio, já que os republicanos do Senado se apressaram para obter a aprovação da Justice Amy Coney Barrett antes das eleições de 2020.

Dadas as decepções que foram recentemente imputadas aos progressistas sob o governo Biden — como o esvaziamento da proposta de infraestrutura Build Back Better e seu fracasso em encontrar um caminho para seguir com o projeto de lei sobre direitos de voto —, a escolha de Biden para a Suprema Corte dá-lhe a oportunidade de revigorar a base democrática. Se ela for confirmada, Biden irá garantir uma vitória muito necessária para o seu governo.

Ketanji Brown Jackson, juíza do Tribunal Federal de Washington, DC

Ketanji Brown Jackson, juíza do Tribunal Federal de Washington, DC / Foto: Tom Williams Pool/Getty Images

Biden já honrou uma vez a juíza Ketanji Brown Jackson, nomeando-a no ano passado para o tribunal de segunda instância do Distrito de Columbia, que é considerado o segundo tribunal federal mais poderoso do país. Anteriormente, a juíza de 51 anos serviu como juíza federal de primeira instância em DC. Por causa da nomeação ao tribunal de segunda instância, ela já está passando por um processo de verificação que incluiu uma entrevista com o próprio presidente. Numa feliz coincidência, ela foi assistente do juiz Breyer e detém diplomas da Harvard e Harvard Law School. Ela também serviu como assistente da defensoria pública federal, tornando-a um excelente exemplo da Casa Branca de Biden em nomear juízes com antecedentes que estão fora do típico modelo de procurador ou membro do direito privado.

Como juíza, Jackson deliberou sobre casos importantes, incluindo o processo de intimação do ex-conselheiro da Casa Branca Don McGahn (no qual, como juíza de tribunal distrital, ela ordenou à antiga Casa Branca de Trump que cumprisse a ordem). Na qualidade de juíza de segunda instância, ela assinou um parecer recente que ordenou a divulgação dos documentos da Casa Branca de Trump que eram solicitados pelo comitê da Câmara que investiga os atos de 6 de janeiro de 2021. A Suprema Corte recusou neste mês o pedido de Trump de reverter a decisão, permitindo a liberação dos documentos.

Leondra Kruger, juíza da Suprema Corte da Califórnia

Leondra Kruger, juíza da Suprema Corte da Califórnia / Foto: S. Todd Rodgers / AP

Kruger, agora com 45 anos, foi a pessoa mais jovem a ser nomeada para a Suprema Corte da Califórnia quando o então governador Jerry Brown a indicou em 2014.

Kruger está intimamente familiarizada com a Suprema Corte, tendo trabalhado como secretária para o falecido juiz do Supremo John Paul Stevens e servido como advogada-geral em exercício no governo Obama. Enquanto estava no escritório do Advogado-Geral, ela argumentou em 12 casos diante da Suprema Corte representando o governo. No Departamento de Justiça, ela também ganhou o Prêmio da Procuradoria-Geral por Serviço Excepcional, a mais alta honraria do departamento para o desempenho dos funcionários, em 2013 e 2014.

Na Suprema Corte da Califórnia, Kruger escreveu pareceres notáveis sobre a Quarta Emenda (na qual considerou que as forças policiais não podiam procurar dentro de uma bolsa de uma mulher sem um mandado depois de ela se ter recusado a mostrar sua carteira de motorista). Também trabalhou na defesa de uma lei da Califórnia que exige que a polícia recolha amostras de DNA e impressões digitais de todas as pessoas detidas por crimes dolosos.

Embora aparentemente ela seja bem-vista entre os antigos membros do escritório do Advogado-Geral, ela ainda não recebeu a liberação completa que outros potenciais nomeados passaram.

J. Michelle Childs, juíza do Tribunal Federal da Carolina do Sul

J. Michelle Childs, juíza do Tribunal Federal da Carolina do Sul / Foto: Charles Dharapak / AP

Diz-se que Childs, uma juíza do Tribunal Federal da Carolina do Sul, tem um grande apoiador em James Clyburn, um dos líderes democratas na Câmara. Aliado de Biden, Clyburn ajudou Biden a vencer a primária do Partido Democrata em 2020, trazendo a virada que depois confirmaria sua candidatura. No mês passado, Biden nomeou Childs para o Tribunal Federal para o Circuito do Distrito de Columbia, e a nomeação continua pendente.

Graduada pela Faculdade de Direito da Universidade da Carolina do Sul, Childs não tem o pedigree de uma universidade da Ivy League (a elite do ensino superior nos EUA) compartilhada por oito dos nove juízes atuais. Os seus apoiadores enxergam a sua educação em instituições públicas e outros elementos do seu histórico como uma vantagem para os democratas, de acordo com uma reportagem do “The New York Times” publicada em 2021, e como uma forma de combater contra as reivindicações de que o partido se tornou demasiado elitista na sua composição.

Além de uma década passada no direito privado, a juíza de 55 anos serviu como juíza do Tribunal Estadual de primeira instância da Carolina do Sul, como diretora-adjunta do Departamento de Trabalho, Licenciamento e Regulação da Carolina do Sul, e como comissária da Comissão de Compensação dos Trabalhadores da Carolina do Sul.

Outros nomes possíveis

Sherrilyn Ifill, advogada de direitos civis que anunciou recentemente planos de reduzir seu papel como presidente e diretora-conselheira do Fundo de Defesa Legal e Educação da NAACP (Associação Nacional para o Progresso de Pessoas de Cor).

Anita Earls, juíza associada da Suprema Corte da Carolina do Norte cuja idade – 61 anos – poderia provavelmente dificultar a consideração séria dos democratas que procuram assentar um candidato mais novo no tribunal de topo.

Wilhelmina “Mimi” Wright, juíza do Tribunal Federal de Minnesota, cuja consideração provavelmente agradaria a senadora Amy Klobuchar, democrata de Minnesota, que é membro do Comitê Judiciário.

Eunice Lee, juíza do Tribunal Federal, uma ex-defensora pública de Nova York a quem Biden nomeou para o Tribunal Federal sob recomendação do líder da maioria do Senado Chuck Schumer.

Candace Jackson-Akiwumi, juíza do Tribunal Federal, uma ex-integrante do gabinete do defensor público de Chicago, cuja nomeação de Biden para o Sétimo Circuito foi aplaudida pelo Presidente Judiciário do Senado, Dick Durbin, de Illinois.

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Mais Recentes da CNN