Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Biden diz que não está preocupado com possibilidade de conflito armado com a China

    Em entrevista, presidente dos Estados Unidos também comentou ausência da China de forma presencial na COP26

    Allie Malloyda CNN

    Ouvir notícia

    O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, afirmou nesta terça-feira (2) que não está preocupado com a possibilidade de um conflito armado com a China, acrescentando que deixou claro ao presidente chinês Xi Jinping que se trata de “competição” e não de “conflito”.

    “Estou preocupado com um conflito armado ou algo acontecendo acidentalmente com a China? Não, não estou”, disse Biden, ao jornalista Phil Mattingly, da CNN, durante entrevista coletiva de encerramento da sua participação na COP26, Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas.

    Biden disse que em sua próxima – mas ainda não definida – cúpula virtual com Xi que ele continuaria a deixar claro: “Isso é competição. Não precisa ser conflito”.

    “Não há razão para que haja conflito. Mas também indiquei a ele, por isso não hesito em dizer publicamente, que esperamos que ele siga as regras da estrada”, disse Biden, acrescentando os Estados Unidos não mudariam sua posição em várias questões, incluindo terras marítimas internacionais.

    “Não estou procurando, não prevejo que haverá necessidade de conflito físico, mas você sabe, como você me ouviu dizer isso antes, meu pai tinha uma expressão: ‘O único conflito pior do que aquele que é pretendido, é aquele que não é intencional”, acrescentou Biden.

    Questionado sobre a ausência de China, Rússia e Arábia Saudita de forma presencial na COP26, Biden disse que era um “problema”, mas que os Estados Unidos compareceram por “um profundo impacto na maneira como o resto do mundo encara os Estados Unidos. e seu papel de liderança”.

    Xi Jinping e o presidente russo, Vladimir Putin, dois homólogos que Biden espera desesperadamente se envolver pessoalmente enquanto trabalha para evitar que relacionamentos já tensos se deteriorem ainda mais, não compareceram a nenhuma das cúpulas principais esta semana.

    A razão dada para as ausências de Xi e Putin nas cúpulas é a pandemia de Covid-19. Os casos estão aumentando na Rússia, e Xi não sai da China há 21 meses, enquanto o vírus se espalha pelo mundo. A visita às cúpulas também poderia ter submetido Xi às exigências de quarentena de seu país, o que dificultaria a participação em uma próxima reunião do congresso do partido.

    Funcionários da Casa Branca disseram que a ausência de Putin e Xi nas cúpulas não foi, de fato, uma oportunidade perdida. Em vez disso, eles sugerem que o vazio permitiu que os líderes dos Estados Unidos e da Europa definissem a agenda e conduzissem a discussão sobre tópicos importantes para eles, como o clima e o combate à pandemia global.

    Ainda assim, em quase todas as principais questões em discussão nesta semana – clima, Covid-19, crise de energia, obstruções na cadeia de abastecimento, as ambições nucleares do Irã – as nações ocidentais devem trabalhar com a Rússia e a China para fazer qualquer progresso significativo.

    E Biden, que manifestou preferência por cúpulas presenciais, está privado de uma oportunidade crítica de exercer sua marca registrada de diplomacia pessoal em alguns dos enigmas mais difíceis do mundo.

    Na terça-feira, Biden disse que ficar em casa pode ter custado a Xi alguma influência no cenário mundial.

    “Ao comparecer, tivemos um impacto profundo na maneira como acho que o resto do mundo encara os Estados Unidos e seu papel de liderança. Acho que foi um grande erro, francamente, para a China”, disse Biden.

    “O resto do mundo vai olhar para a China e dizer que valor agregado eles estão fornecendo e que perderam na construção de pessoas de influência ao redor do mundo e todas as pessoas aqui na COP”.

    Kevin Liptak, da CNN, contribuiu para esta reportagem.

    Este é um texto traduzido. Para ler o original em inglês, clique aqui.

    Mais Recentes da CNN