Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Biden e Xi Jinping conversam para aliviar tensões dos últimos meses

    Ligação entre os líderes durou cerca de 90 minutos; ambos falaram sobre promover 'coordenação e cooperação' entre EUA e China

    O presidente dos EUA, Joe Biden, e o líder da China, Xi Jinping
    O presidente dos EUA, Joe Biden, e o líder da China, Xi Jinping Getty Images

    Kylie Atwoodda CNN

    O presidente dos Estados Unidos Joe Biden falou com o presidente da China Xi Jinping, na noite desta quinta-feira (9), visto que as relações entre os dois países permaneceram tensas nos últimos meses.

    Esta tensão se revela, especialmente, no ciberespaço, com os EUA acusando a China de prevaricação generalizada, incluindo um hack do sistema de e-mail da Microsoft e outros ataques ransomware.

    “Os dois líderes tiveram uma discussão ampla e estratégica na qual abordaram áreas onde nossos interesses convergem e áreas onde nossos interesses, valores e perspectivas divergem”, disse a Casa Branca.

    “Eles concordaram em se envolver em ambos os conjuntos de questões de forma aberta e direta. Essa discussão, como o presidente Biden deixou claro, fazia parte do esforço contínuo dos Estados Unidos para administrar de forma responsável a competição entre os Estados Unidos e a República Popular da China.”

    Biden abordou questões cibernéticas durante a conversa de aproximadamente 90 minutos e buscou ter uma “discussão ampla e estratégica” sobre como gerenciar a relação competitiva EUA-China para evitar entrar em conflito, de acordo com um alto funcionário do governo que falou com repórteres antes e depois da ligação.

    O funcionário descreveu o tom da ligação feita da Sala do Tratado, na Casa Branca, como “respeitosa” e “familiar e franca”.

    O governo Biden sinalizou que planeja continuar tendo uma abordagem dura com a China – semelhante ao ex-presidente Donald Trump – mas que o fará em coordenação com aliados.

    Os EUA esperam estabelecer parâmetros que permitam aos países expressar preocupação em áreas de desacordo, mas também trabalhar uns com os outros quando for do interesse de ambos os países.

    De acordo com notícias da mídia estatal chinesa Xinhua, Xi disse a Biden que a política dos Estados Unidos em relação à China causou “sérias dificuldades” nas relações entre os países.

    “Se a China e os EUA trabalharem juntos, os países e o mundo se beneficiarão; se a China e os EUA se confrontarem, os dois países e o mundo sofrerão. A relação China-EUA não é uma questão de escolha se precisa ser feita bem, mas uma questão necessária é como fazê-la bem “, disse Xi, de acordo com o relatório da Xinhua.

    O líder chinês disse que os dois países podem continuar o diálogo para “promover a coordenação e cooperação” em questões como mudanças climáticas, Covid-19 e outras questões internacionais.

    A ligação marcou a segunda vez que os líderes conversaram desde que Biden se tornou presidente, com a primeira ligação há cerca de sete meses.

    Durante sua primeira ligação, Biden estabeleceu alguns parâmetros para a cooperação, mas a China não se envolveu com as autoridades americanas em nível de trabalho de uma forma que “satisfizesse” o governo Biden.

    Durante o primeiro encontro frente-a-frente do governo Biden com autoridades chinesas no início deste ano, os dois lados trocaram farpas diplomáticas que raramente são exibidas diante das câmeras.

    Autoridades de Biden disseram que planejam abordar áreas de profunda preocupação em relação às ações da China, o que desencadeou uma resposta agressiva das autoridades chinesas.

    “Continuamos a acreditar que definir parâmetros e barreiras para a competição e manter linhas de comunicação abertas é realmente importante. Mas esses compromissos de nível inferior não foram muito frutíferos e, francamente, não estamos muito satisfeitos com o comportamento dos interlocutores “, disse o alto funcionário dos EUA antes da ligação.

    O presidente da China, Xi Jinping
    O presidente da China, Xi Jinping / Foto: Reprodução/CNN Brasil (22.abr.2021)

    “Dada essa realidade, e você sabe qual tem sido nossa abordagem desde o início sobre a gestão da competição, sobre as linhas de comunicação, o presidente Biden entendeu a importância de envolver o presidente Xi diretamente nessas questões.”

    A fonte acrescentou que “é muito provável que o envolvimento ao nível do líder seja realmente o que é necessário para fazer avançar”, dado o poder centralizado de Xi.

    As barreiras para o relacionamento que Biden deveria discutir nesta quinta-feira incluíam linhas abertas de comunicação, diálogo substantivo e franco e o compromisso de não criar vínculo entre as questões, disse o oficial.

    Quando se trata de questões específicas de tensão entre os dois países, o funcionário não forneceu uma lista completa, mas disse que a Coreia do Norte e o Irã poderiam ser discutidos no contexto de uma discussão ampla da relação.

    O objetivo geral, disse o funcionário, era alcançar um “estado de equilíbrio nas relações com os Estados Unidos e a China”. Mas isso será uma tarefa difícil, visto que Biden enquadrou a competição EUA-China nos últimos meses como uma batalha entre democracia e autocracia.

    Sobre o assunto do Afeganistão e do Talibã, o funcionário disse que o governo não esperava que Biden fizesse uma “pergunta específica” à China. O funcionário disse apenas que os líderes falaram sobre “eventos globais”.

    No início desta semana, a China anunciou que forneceria quase US$ 31 milhões em alimentos, suprimentos para o inverno, vacinas e remédios para o país controlado pelo Talibã e manteria sua embaixada lá.

    Nikki Carvajal e Zixu Wang, da CNN, em Hong Kong, contribuíram para esta reportagem.

    (Este texto é uma tradução. Para ler o original, em inglês, clique aqui)