Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Biden e Xi Jinping realizarão reunião virtual na segunda-feira (15)

    Espera-se que seja a reunião a mais extensa dos líderes sob o governo Biden, e que os dois discutam maneiras de evitar conflitos

    Joe Biden e Xi Jinping se cumprimentam durante encontro em Pequim em 2013
    Joe Biden e Xi Jinping se cumprimentam durante encontro em Pequim em 2013 REUTERS

    Michael MartinaDavid BrunnstromTrevor HunnicuttAndrea Shalalda Reuters

    Washington

    Ouvir notícia

    O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, terá um encontro virtual com o líder chinês Xi Jinping na segunda-feira (15), disse a Casa Branca, em negociações que, nas expectativas de Washington, criarão alguma estabilidade em meio ao aumento das tensões entre as duas maiores economias do mundo.

    Espera-se que seja a reunião a mais extensa dos líderes sob o governo Biden e virá depois um telefonema entre os dois em 9 de setembro.

    Washington e Pequim têm discutido questões desde as origens da pandemia Covid-19, até a expansão do arsenal nuclear da China. As autoridades americanas acreditam que o envolvimento direto com Xi é a melhor maneira de evitar que os laços se transformem em conflito.

    “Os dois líderes discutirão maneiras de administrar a competição com responsabilidade…bem como maneiras de trabalhar juntos onde nossos interesses se alinham”, disse a secretária de imprensa da Casa Branca, Jen Psaki, em um comunicado. “O presidente Biden deixará claras as intenções e prioridades dos EUA e será claro e franco sobre nossas preocupações.”

    Pequim também quer evitar confrontos, já que Xi enfrenta um ano crucial com a realização dos Jogos Olímpicos de Inverno pela China e um importante Congresso do Partido Comunista, onde espera garantir um terceiro mandato sem precedentes.

    O Ministério das Relações Exteriores da China disse no sábado (13) que os líderes trocariam opiniões sobre as relações bilaterais e questões de interesses comuns na cúpula, que acontecerá na manhã de terça-feira (16) na Ásia.

    Uma autoridade sênior dos EUA disse que Biden deixaria claro que aprecia a competição acirrada com a China, mas não quer conflito, e minimizou a probabilidade de uma longa lista de resultados muitas vezes vinculados a reuniões de alto escalão.

    “Não se trata de buscar produtos ou resultados específicos”, disse o funcionário, acrescentando em referência à República Popular da China: “Enquanto competimos com a RPC, o presidente Biden espera que o presidente Xi e a RPC cumpram as regras de trânsito – e ele fará isso durante a reunião.”

    A reunião acontecerá depois que Biden assinar um acordo bipartidário de infraestrutura de US$ 1 trilhão em uma grande cerimônia na segunda-feira para celebrar os planos de renovação doméstica que ele acredita que posicionarão os Estados Unidos para superar a China.

    As autoridades americanas minimizaram a possibilidade de progresso no comércio, onde a China está atrasada em um compromisso de comprar US $ 200 bilhões a mais em bens e serviços dos EUA.

    A China, no entanto, continuou a pressionar por alívio de centenas de bilhões de dólares em tarifas impostas pelo ex-presidente Donald Trump, argumentando que isso poderia ajudar ambos os lados ao aliviar a inflação e aumentar o emprego.

    Presidente da China, Xi Jinping / REUTERS

    Visões concorrentes

    Biden e Xi descreveram visões concorrentes em reuniões do fórum de Cooperação Econômica da Ásia-Pacífico (APEC) nesta semana, com Biden enfatizando o compromisso dos EUA com um “Indo-Pacífico livre e aberto”, que Washington diz que enfrenta uma crescente “coerção” chinesa, enquanto Xi alertou contra um retorno às tensões da Guerra Fria.

    Dirigindo-se aos líderes da APEC na sexta-feira (12), Xi falou da necessidade de “manter o diálogo em vez de confronto, inclusão em vez de exclusão e integração em vez de dissociação”, uma aparente referência aos movimentos dos EUA para tornar as principais cadeias de abastecimento independentes da China.

    O clima é uma prioridade para Biden, e China e Estados Unidos, os dois maiores emissores de carbono do mundo, anunciaram um acordo nas negociações globais em Glasgow esta semana para aumentar a cooperação, incluindo o corte das emissões de metano, a eliminação gradual do consumo de carvão e a proteção das florestas.

    No entanto, as superpotências têm entrado em confronto cada vez mais pelo governo autônomo de Taiwan, que Pequim afirma ser seu e que Washington deve fornecer os meios para se defender.

    O secretário de Estado, Antony Blinken, irritou a China esta semana quando disse que Washington e seus aliados tomariam “ações” não especificadas se a China usasse a força para alterar o status quo de Taiwan, turvando ainda mais a política americana de longa data de “ambiguidade estratégica” quanto a se os Estados Unidos responderiam militarmente.

    O diplomata chinês Wang Yi disse a Blinken em um telefonema no sábado que os Estados Unidos não deveriam enviar sinais errados às forças pró-independência de Taiwan, de acordo com um comunicado no site do Ministério das Relações Exteriores da China.

    “Se os Estados Unidos realmente querem manter a paz no Estreito de Taiwan, eles deveriam se opor clara e resolutamente a qualquer comportamento pró-independência de Taiwan”, disse Wang.

    Wang e Blinken também trocaram opiniões sobre áreas como eficiência energética, mudança climática e a questão nuclear do Irã e concordaram em manter o diálogo sobre os desafios globais, disse a China.

    Presidente dos EUA, Joe Biden, na Casa Branca / REUTERS

    Daniel Russel, o principal diplomata dos EUA para a Ásia sob o governo Obama, disse que Biden e Xi estão preocupados com o risco de escalada de um incidente militar.

    “Biden sabe que as ferramentas de prevenção e o gerenciamento de crises está enferrujado, então devemos esperar que ele pressione para colocar salvaguardas ou ‘grades de proteção’ para reduzir o risco “, disse ele.

    Russel disse que a ligação Biden-Xi em 9 de setembro começou com Xi listando queixas, mas terminou com um acordo construtivo para as autoridades continuarem as discussões.

    “Isso sugere que o relacionamento pessoal que Biden construiu com Xi há uma década ainda é forte e que cada conversa pode adicionar alguma estabilidade à mistura.”

    Mais Recentes da CNN