Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Biden escolheu Kamala para evitar prejuízos, diz analista da CNN americana

    Segundo Whitney Wild, a escolha foi feita para que não atrapalhasse a campanha de Biden, que lidera as pesquisas eleitorais até o momento

    Da CNN, em São Paulo

    A escolha de Joe Biden por Kamala Harris, senadora democrata pela Califórnia, para ser sua candidata a vice na chapa para a presidência dos Estados Unidos coloca uma das últimas peças no tabuleiro da corrida à Casa Branca.

    Segundo a analista de política da CNN americana, Whitney Wild, a escolha foi feita para que não atrapalhasse a campanha de Biden, que lidera as pesquisas eleitorais até o momento.

    “Biden lidera nacionalmente as intenções de votos nas últimas pesquisas, então escolheu Kamala Harris, porque é um nome que traz menos prejuízo. Seu histórico pode até mesmo colocá-la em embate com a ala mais progressista do partido democrata.”

    Leia também

    Kamala Harris: quem é primeira negra em chapa nacional nos EUA

    Por que Kamala Harris venceu a corrida para a vice-presidência

    Trump se diz surpreso com escolha de Biden e critica Kamala Harris

    Joe Biden ao lado de sua companheira de chapa, a senadora Kamala Harris
    Joe Biden ao lado de sua companheira de chapa, a senadora Kamala Harris
    Foto: Reprodução/Twitter @joebiden (11.ago.2020)

    Segundo Wild, nos últimos meses, Kamala vem tentando se desgrudar da pecha de procuradora, alguém com mentalidade antiga sobre direitos humanos. A analista destaca a mudança de postura da senadora após a morte de George Floyd.

    “Ela tenta mudar sua narrativa como procuradora. Se coloca agora como uma agente de mudança ao invés de alguém que representa uma mentalidade antiga, como a de um procurador. Especialmente após a morte de George Floyd, ela se tornou uma liderança em relações raciais e nos debates sobre reforma da polícia.”

    Wild terminou sua análise destacando a experiência de Kamala em governar – algo que Biden também elogiou – mas questionou sobre como a senadora poderá ajudar na campanha presidencial.