Biden reúne Japão, Austrália e Índia para enfrentar ascensão da China

EUA promovem reunião do 'Quad', fórum estratégico informal formado com Austrália, Japão e Índia, para combater a crescente influência de Pequim na Ásia

Presidente dos EUA Joe Biden no Salão Oval, Casa Branca
Presidente dos EUA Joe Biden no Salão Oval, Casa Branca Adam Schultz/White House

Ben Westcottda CNN

Ouvir notícia

Esqueça a França e a polêmica com a Austrália e o Reino Unido envolvendo os submarinos com propulsão nuclear. Um dos momentos mais importantes para o futuro da influência dos Estados Unidos na Ásia deve ocorrer na sexta-feira (24) em Washington.

O presidente dos EUA, Joe Biden, realiza a primeira reunião presencial do Diálogo de Segurança Quadrilateral, mais conhecido como “Quad”, um fórum estratégico informal formado com Austrália, Japão e Índia – todos países democráticos com interesses contrários à ascensão da China na Ásia.

Biden será acompanhado em Washington pelo primeiro-ministro japonês, Yoshihide Suga, pelo premiê indiano, Narendra Modi, e pelo primeiro-ministro australiano, Scott Morrison, para discutir “a promoção de um Indo-Pacífico livre e aberto”, segundo a Casa Branca.

A reunião ocorre em um momento de grandes mudanças para a política dos EUA na Ásia. À medida que o governo Biden se empenha em fortalecer suas parcerias diplomáticas na região, o Japão tem uma visão cada vez mais agressiva do crescimento militar da China.

Ao mesmo tempo, o pacto de defesa AUKUS, da Austrália com os EUA e o Reino Unido, solidificou o compromisso de Washington com a Ásia, ao mesmo tempo que inquietou alguns parceiros importantes do sudeste asiático.

Nesse ponto crítico, o que o Quad escolher fazer a seguir é mais importante do que nunca. O analista sênior do Australian Strategic Policy Institute, Malcolm Davis, disse que, em comparação com suas raízes iniciais no governo George W. Bush, o Quad evoluiu de um “diálogo político e econômico discreto” para um ator muito significativo na região Ásia-Pacífico.

“O Quad não é uma OTAN asiática… mas, ao mesmo tempo, está claramente se movendo na direção de uma abordagem de segurança cooperativa”, disse Davis.

Iniciativa contra a China

O Quad foi proposto inicialmente em 2007, mas foi colocado em espera por uma década até ser revivido pelo ex-presidente dos EUA Donald Trump em meio à ascensão da China como uma superpotência econômica e militar.

O ambiente diplomático na Ásia mudou significativamente desde aquele renascimento de 2017 – e o Quad assumiu um significado maior.

Em abril de 2020, as relações entre a Austrália e a China sofreram um grande declínio depois que Morrison, da Austrália, pediu uma investigação independente sobre as origens da Covid-19.

Pequim retaliou impondo restrições punitivas aos produtos australianos e a relação ainda não se recuperou.

Enquanto isso, os laços entre Washington e Pequim, que se deterioraram com Trump, oscilaram ainda mais com Biden à medida que os EUA solidificam suas parcerias diplomáticas na Ásia com o objetivo de conter a China.

O novo alcance americano foi recebido com entusiasmo na Austrália e, no início deste mês, os dois governos se juntaram ao Reino Unido para anunciar o AUKUS, um acordo pelo qual as três nações trocariam informações militares e tecnologia para formar uma parceria de defesa mais estreita na Ásia.

O Japão também deu as boas-vindas a um maior envolvimento dos EUA na região. Depois de tentar adotar uma política mais calorosa para a China nos primeiros anos de Xi Jinping como líder chinês, o Japão ficou cada vez mais desconfiado de Pequim no ano passado.

Em uma entrevista rara à CNN em setembro, o ministro da Defesa japonês, Nobuo Kishi, disse que o Japão “defenderia resolutamente” seu território no Mar da China Oriental “contra a ação chinesa”.

Bonnie Glaser, diretora do Programa Ásia do German Marshall Fund dos Estados Unidos, disse que a Índia é agora o membro mais cauteloso do Quad e até onde o grupo está disposto a pressionar a cooperação de defesa e antagonizar a China pode depender de Nova Déli.

Após um confronto fronteiriço entre Índia e China em meados de 2020, que resultou na morte de pelo menos 20 soldados indianos, especialistas disseram que Délo tem relutado em hostilizar Pequim.

Mas escrevendo no Journal of Indo-Pacific Affairs no início de 2021, Amrita Jash, pesquisadora do Center for Land Warfare Studies em Nova Déli, disse que a Índia ainda está se aproximando militarmente dos EUA, incluindo novos e aprimorados exercícios militares, compra de armas e transferências de tecnologia.

Parte da cooperação envolve a melhoria da tecnologia de rastreamento e direcionamento, disse Jash. “(Há) uma necessidade imperiosa de a Índia manter uma vigilância estreita sobre os movimentos (militares) chineses ao longo da fronteira do Himalaia e mapear a presença crescente da China no Oceano Índico”, acrescentou ela.

Glaser disse que há um outro fator determinante em até onde o Quad estaria disposto a ir ao se opor a Pequim.

“Outro fator é o comportamento da própria China. Quanto mais a China estiver disposta a ameaçar os interesses de outros países, ameaçar a coerção econômica, mais os países estarão dispostos a reagir”, disse ela.

Unidos por Taiwan

Taiwan provavelmente será um dos pontos-chave para discussão em Washington nesta sexta-feira.

No ano passado, Pequim intensificou a atividade militar em torno da ilha, que é governada separadamente da China continental desde o fim de uma guerra civil, há mais de sete décadas.

O Partido Comunista Chinês vê Taiwan – lar de cerca de 24 milhões de pessoas – como uma parte inseparável de seu território, embora nunca o tenha controlado. O presidente Xi também advertiu anteriormente que Pequim não descartaria o uso da força para “reunir” Taiwan com a China continental.

Sob Trump e agora com Biden, os EUA fortaleceram seus laços com Taiwan nos últimos anos, concordando com grandes vendas de armas e enviando diplomatas de alto nível em visitas à ilha.

A Austrália regularmente se junta aos EUA para expressar seu apoio a Taiwan e, em julho, o vice-primeiro-ministro do Japão, Taro Aso, disse em um discurso divulgado pela mídia local que Tóquio deveria unir forças com Washington para defender a ilha de qualquer invasão.

Em agosto, pela primeira vez, uma reunião de funcionários do alto escalão do Quad divulgou um comunicado que enfatizava a “importância da paz e da segurança no Estreito de Taiwan”.

Glaser disse acreditar que a declaração pode ter precedido uma referência a Taiwan na reunião dos líderes do Quad esta semana, o que seria um passo excepcionalmente forte do governo indiano.

“Acho que será um grande alerta (para Pequim). Eles têm ouvido isso da Austrália e do Japão, mas nunca da Índia”, disse ela.

Um Quad unido poderia ajudar a deter qualquer nova agressão do governo chinês contra Taiwan, de acordo com Ben Scott, diretor do Projeto de Ordem Baseado em Regras e Segurança da Austrália no Lowy Institute de Sydney.

No entanto, ele disse que a nuance seria importante em qualquer mensagem para evitar uma espiral de confronto potencial. “Sempre há o risco de ir longe demais e cair na provocação”, disse ele.

Consequências do AUKUS

A reunião do Quad acontece em um momento útil para os EUA, disse Scott. Nunca houve melhor momento para Washington mostrar que faz parte de uma comunidade ampla e coesa na Ásia.

Scott disse que embora acredite que o acordo AUKUS tenha sido um passo positivo para a diplomacia dos EUA na Ásia, ele também apresenta uma face muito “anglosfera” para a região.

“Ele é descrito como um clube de democracias marítimas que automaticamente exclui a maior parte do Sudeste Asiático”, disse Scott. “(E) o centro de gravidade da competição (EUA-China) está no Sudeste Asiático.”

Em uma declaração na sexta-feira (17), a Indonésia disse estar “profundamente preocupada” com uma corrida armamentista na Ásia-Pacífico e pediu à Austrália que respeite o direito internacional e seu compromisso com a paz e a estabilidade.

Um dia depois, a Malásia disse que o acordo AUKUS poderia fazer com que outras potências “agissem de forma mais agressiva na região, especialmente no Mar da China Meridional”.

Por fazer parte de um acordo cooperativo maior com o Japão e a Índia, Scott disse que os Estados Unidos podem apresentar uma face mais diversa para o Sudeste Asiático, entre outras partes do continente – uma que não se concentre apenas na ousadia militar, mas também em cooperação econômica e política.

Pequim apontou o acordo AUKUS como um exemplo de como Washington está focado apenas no poder militar na Ásia, disse Scott.

Em comparação, a China solicitou formalmente esta semana a adesão ao Acordo Compreensivo e Progressivo para a Parceria Transpacífica (CPTPP), um pacto de livre comércio com 11 países que os EUA se retiraram sob Trump.

Scott disse que é importante para os EUA usarem agora o Quad para se concentrar em acordos “positivos e inclusivos” na Ásia-Pacífico, se isso for efetivo para conter Pequim.

“Se você deseja conquistar corações e mentes na região [da Ásia-Pacífico], a primeira prioridade é a Covid-19 e a segunda é mais estabilidade econômica e segurança”, disse ele.

(Texto traduzido; leia o original em inglês)

Mais Recentes da CNN