Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Renúncia coletiva de membros do governo aprofunda crise de Boris Johnson

    Premiê britânico vê derretimento de seu apoio e isolamento crescente após último escândalo do governo envolvendo indicação de político acusado de má conduta sexual

    Primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, durante entrevista coletiva em Londres
    Primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, durante entrevista coletiva em Londres 25/05/2022 Leon Neal/Pool via REUTERS

    Michael HoldenElizabeth PiperKate Holtonda Reuters

    Ouvir notícia

    O britânico Boris Johnson, com o derretimento de apoio e cada vez mais isolado, deve renunciar nesta quinta-feira (7).

    Já são ao menos 59 membros do governo do Reino Unido que pediram para sair.

    Os ministros das Finanças e da Saúde de Johnson foram alguns dos primeiros na noite de terça-feira (5) após o último escândalo atingir o governo, provocando a saída de membros do governo e a retirada do apoio de legisladores leais.

    Com a maré de demissões aumentando, alguns questionaram se o primeiro-ministro poderia preencher as vagas.

    Lista de renúncias no governo Boris Johnson:

    Quarta-feira (6):

    • Richard Gaham, enviado de negócios para Indonésia
    • Rebbeca Pow, secretária no Departamento
    • George Freeman, secretário no Departamento de Ciência
    • Helen Whately, ministra do Tesouro
    • Rob Butler, secretário privado parlamentar no Departamento de Relações Exteriores
    • Luke Hall, vice-presidente do Partido Conservador
    • Caroline Johnson, vice-presidente do Partido Conservador
    • Michelle Donelan, recém-nomeada ministra da Educação
    • James Cartlidge, assistente de governo
    • Chris Philip, secretário no Departamento de Digital
    • Guy Opperman, secretário no Departamento de Pensões e Inclusão Financeira
    • Damian Hinds, secretário de Segurança
    • Brandon Lewis, secretário no Gabinete da Irlanda do Norte
    • Gareth Davies, Secretário Privado Parlamentar do Departamento de Saúde e Assistência Social
    • James Davies, secretário privado parlamentar do Departamento de Saúde e Assistência Social
    • David Duguid, enviado comercial para Angola e Zâmbia
    • Simon Hart, secretário de Estado para o País de Gales
    • Jacob Young, secretário privado parlamentar
    • Danny Kruger, secretário privado parlamentar do Departamento de Nivelamento, Habitação e Comunidades
    • David Mundell, enviado comercial para Nova Zelândia
    • James Daly, secretário secretário privado parlamentar no Departamento de Trabalho e Pensões
    • James Sunderland, secretário privado parlamentar no Departamento de Ambiente, Alimentação e Assuntos Rurais
    • Peter Gibson, secretário privado parlamentar no Departamento de Comércio Internacional
    • Ruth Edwards, secretária privada parlamentar no Escritório da Escócia
    • Sara Britcliffe, secretária privada parlamentar no Departamento de Educação
    • Mark Fletcher, secretário privado parlamentar no Departamento de Negócios, Energia e Estratégia Industrial
    • Mike Freer, secretário de Exportações
    • Rachel Maclean, secretária no Departamento de Transportes
    • Craig Williams, secretário privado parlamentar do Chanceler do Tesouro
    • Duncan Baker, secretário privado parlamentar no Departamento de Nivelamento, Habitação e Comunidades
    • Mark Logan, secretário privado parlamentar no escritório da Irlanda do Norte
    • Mims Davies, secretária no Departamento de Trabalho e Pensões
    • Lee Rowley, secretário no Departamento de Negócios, Energia e Estratégia Industrial
    • Neil O’Brien, secretário no Departamento de Nivelamento, Habitação e Comunidades
    • Julia Lopez, secretária no Departamento de Digital, Cultura, Mídia e Esporte
    • Alex Burghart, secretário no Departamento de Educação
    • Kemi Badenoch, secretária no Departamento de Nivelamento, Habitação e Comunidades
    • David Johnston, secretário privado parlamentar no Departamento de Educação
    • Claire Coutinho, secretária privada parlamentar no Departamento do Tesouro de Sua Majestade
    • Selaine Saxby, secretária privada parlamentar no Departamento de Ambiente, Alimentação e Assuntos Rurais
    • Stuart Andrew, secretário de Habitação
    • Jo Churchill, secretária no Departamento de Ambiente, Alimentação e Assuntos Rurais
    • Victoria Atkins, secretária no Departamento do Interior
    • John Glen, secretário de Serviços Financeiros
    • Felicity Buchan, secretária privado parlamentar no Departamento de Negócios, Energia e Estratégia Industrial
    • Will Quince, secretário para as Crianças e Famílias
    • Laura Trott, secretária privado parlamentar do Departamento de Transportes
    • Robin Walker, secretária para Padrões Escolares

    Terça-feira (5):

    • Rishi Sunak, ministro das Finanças
    • Sajid Javid, ministro da Saúde
    • Bim Afolami, vice-presidente do Partido Conservador
    • Saqib Bhatti, secretário privado parlamentar no Departamento de Saúde e Assistência Social
    • Jonathan Gullis, secretário privado parlamentar na Secretaria de Estado da Irlanda do Norte
    • Nicola Richards, secretária privada parlamentar no Departamento de Transportes
    • Alex Chalk, procurador-geral da Inglaterra e País de Gales
    • Virginia Crosbie, secretária privada parlamentar para o Gabinete do País de Gales
    • Andrew Murrison, enviado comercial no Marrocos
    • Theo Clarke, enviado comercial no Quênia

    Johnson procurou reafirmar a autoridade nomeando rapidamente Nadhim Zahawi como ministro das Finanças.

    Mas quando o ex-ministro da Educação Zahawi se preparava, na manhã desta quarta-feira (6), para definir as prioridades do governo, ele foi confrontado com notícias de novas demissões.

    O procurador-geral Alex Chalk, o segundo consultor jurídico mais importante do governo, disse que o efeito cumulativo de uma série de escândalos fez com que o público não acreditasse mais que o governo poderia manter os padrões esperados de franqueza.

    “Lamento que eu compartilhe esse julgamento”, disse ele.

    O nível de hostilidade que Johnson enfrenta dentro de seu partido é posto em evidência enquanto ele responde a perguntas no parlamento, nesta quarta (6), e, mais tarde, diante dos presidentes de comitês selecionados para um interrogatório de duas horas.

    “Suspeito que teremos que arrastá-lo chutando e gritando de Downing Street”, disse um parlamentar conservador à Reuters, falando sob condição de anonimato. “Mas se tivermos que fazer dessa maneira, então faremos.”

    Johnson, ex-jornalista e prefeito de Londres que se tornou o rosto da saída do Reino Unido da União Europeia, obteve uma vitória eleitoral esmagadora em 2019 antes de adotar uma abordagem combativa e muitas vezes caótica do governo.

    Sua liderança esteve atolada em escândalos e erros nos últimos meses, com o primeiro-ministro multado pela polícia por violar as leis do lockdown da Covid-19 e um relatório condenatório publicado sobre o comportamento de funcionários em seu escritório em Downing Street que violaram suas próprias regras de bloqueio.

    Também houve reviravoltas políticas, uma defesa malfadada de um legislador que quebrou as regras de lobby e críticas de que ele não fez o suficiente para enfrentar uma crise de custo de vida, com muitos britânicos lutando para lidar com o aumento de combustível e alimentos. preços.

    O jornal Times of London disse que a “desonestidade em série” de Johnson era “totalmente corrosiva” para um governo eficaz.

    “Cada dia que ele permanece aprofunda a sensação de caos”, disse. “Para o bem do país, ele deve ir.”

    A mais recente crise de drama no coração do poder britânico ocorre quando a economia se deteriora rapidamente, com alguns economistas alertando que o país pode entrar em recessão.

    Perda de confiança

    O último escândalo viu Johnson se desculpando por nomear um legislador para um papel envolvido no bem-estar e disciplina do partido, mesmo depois de ser informado de que o político havia sido alvo de queixas sobre má conduta sexual.

    A narrativa de Downing Street mudou várias vezes sobre o que o primeiro-ministro sabia sobre o comportamento passado do político, que foi forçado a renunciar, e quando ele soube disso. Seu porta-voz culpou um lapso na memória de Johnson.

    Isso levou Rishi Sunak a deixar o cargo de chanceler do Tesouro – ministro das Finanças – e Sajid Javid a renunciar ao cargo de ministro da Saúde, enquanto outros deixaram seus cargos ministeriais ou de enviados.

    “Está claro para mim que esta situação não mudará sob sua liderança – e, portanto, você também perdeu minha confiança”, disse Javid em sua carta de renúncia.

    Vários dos ministros citaram a falta de julgamento, padrões e incapacidade de Johnson de dizer a verdade.

    Uma pesquisa instantânea do YouGov descobriu que 69% dos britânicos achavam que Johnson deveria deixar o cargo de primeiro-ministro, mas, por enquanto, o restante de sua principal equipe ministerial ofereceu seu apoio.

    “Eu apoio totalmente o primeiro-ministro”, disse o secretário escocês Alister Jack. “Lamento ver bons colegas se demitirem, mas temos um grande trabalho a fazer.”

    Há um mês, Johnson sobreviveu a uma votação de confiança de parlamentares conservadores, e as regras do partido significam que ele não pode enfrentar outro desafio desse tipo por um ano.

    No entanto, alguns legisladores estão tentando mudar essas regras, enquanto ele também está sob investigação de um comitê parlamentar sobre se ele mentiu ao parlamento sobre as violações do lockdown de Covid-19.

    Se Johnson sair, o processo para substituí-lo pode levar alguns meses.

    Há apenas dois anos e meio, o efervescente Johnson conquistou uma enorme maioria parlamentar com a promessa de resolver a saída do Reino Unido da União Europeia após anos de disputas amargas.

    Mas desde então, seu manejo inicial da pandemia foi amplamente criticado e o governo tropeçou de uma situação para outra.

    A abordagem combativa de Johnson em relação à União Europeia também pesou sobre a libra, exacerbando a inflação que deve ultrapassar 11%.

    “Depois de todo o desprezo, os escândalos e o fracasso, está claro que este governo está entrando em colapso”, disse o líder trabalhista Keir Starmer.

    Mais Recentes da CNN