Câmara dos EUA aprova projeto para remover estátuas confederadas do Capitólio

Presidente da Câmara Nancy Pelosi reconhece que medida não apaga o racismo nos Estados Unidos, mas argumenta que homenagens a escravistas não podem continuar

Estátua do general Robert E. Lee, comandante do Exército dos Estados Confederados, é removida do Capitólio dos EUA
Estátua do general Robert E. Lee, comandante do Exército dos Estados Confederados, é removida do Capitólio dos EUA Foto: Jack Mayer - 21.dez.2020/Office of Governor Northam

Scott Malone, da Reuters

Ouvir notícia

A Câmara dos Representantes dos EUA, controlada pelos democratas, aprovou na terça-feira (29) um projeto de lei para remover as estátuas homenageando aqueles que defendiam a escravidão ou apoiavam a Confederação do edifício do Capitólio, que exibe estátuas selecionadas por todos os 50 estados.

É o segundo ano consecutivo que a Câmara aprova o projeto de lei. Em 2020, o Senado, controlado pelo Partido Republicano do ex-presidente Donald Trump, se recusou a aceitar a medida.

Os democratas agora têm uma maioria mínima no Senado, o que pode permitir que eles forcem a votação da medida, que precisaria do apoio de 10 republicanos para ser aprovada.

O projeto foi aprovado na Câmara por 285 votos a 120, com todos os votos contra a medida vindo dos republicanos.

As estátuas e apreensões visadas pelo projeto de lei “Remover o Ódio” incluem uma homenageando o ex-presidente da Suprema Corte dos Estados Unidos, Roger Taney, autor de uma decisão importante de apoio à escravidão.

Eles também incluem líderes da Confederação rebelde — cuja bandeira de batalha foi vista no Capitólio em 6 de janeiro, quando partidários do então presidente Donald Trump lançaram um ataque mortal que tentou reverter sua derrota eleitoral.

O busto de Taney seria substituído por um do ex-juiz da Suprema Corte Thurgood Marshall, o primeiro homem negro a servir no tribunal superior.

Registro histórico ou ‘homenagem’?

A presidente da Câmara Nancy Pelosi, uma parlamentar democrata, disse que remover as estátuas não apagará a mancha de atos racistas da história dos EUA, nem apagará o racismo nos Estados Unidos hoje.

Mas ela perguntou: “Como podemos esperar acabar com o flagelo do racismo… quando permitimos que os piores perpetradores desse racismo sejam elogiados nos corredores do Congresso?”

Os oponentes disseram que seria errado ditar aos estados americanos individuais quem eles podem homenagear enviando estátuas ao Capitólio. O deputado republicano Mo Brooks, do Alabama, disse que o projeto de lei é um exemplo de “cancelamento da cultura e do revisionismo histórico” por “elitistas que afirmam saber mais do que cidadãos comuns”.

Taney escreveu a opinião da maioria no caso “Dred Scott” de 1857, determinando que os negros americanos não podiam ser considerados cidadãos e que o Congresso não podia proibir a escravidão. Posteriormente, foi derrubado pela 14ª Emenda à Constituição, que foi adotada em 1868.

Mais Recentes da CNN