Canadá registra recorde de calor e província fecha escolas e universidades

Cidade chegou a registrar 46ºC, quebrando recorde nacional de 1937

Pessoas em praia de British Columbia, no Canadá, durante onda de calor
Pessoas em praia de British Columbia, no Canadá, durante onda de calor Foto: CBC/CNN

Reuters

Ouvir notícia

A Colúmbia Britânica, província no Canadá, fechou escolas e universidades nesta segunda-feira (28) devido ao calor extremo que empurrou a temperatura a um recorde nacional no fim de semana, em um país que é amplamente conhecido pelo inverno brutal e neve.

Lytton, uma cidade no centro da província, a cerca de 200 km ao norte de Vancouver, relatou uma temperatura de 46,6° C no domingo. Antes do fim de semana, a máxima histórica no Canadá era de 45° C, registrada em Saskatchewan em 1937, de acordo com a organização Environment and Climate Change Canada.

Previa-se que a segunda-feira seria ainda mais quente, já que grande parte do oeste do Canadá bateu recordes locais de temperatura, obrigando as pessoas a se abrigarem em praias e lagos. Postagens em mídias sociais com dicas sobre como se manter fresco sem ar-condicionado viralizaram, em uma província onde menos de 40% das casas têm o aparelho, de acordo com um estudo de 2018 de B.C. Hidro.

O calor forte por vários dias é incomum no noroeste do Pacífico, que está mais acostumado a longos períodos de chuva do que de sol, e é causado por um sistema de alta pressão que não está se movendo, disse Greg Flato, cientista sênior de pesquisa da Environment and Climate Change Canada, de Victoria.

“As temperaturas ficam muito altas durante o dia, não esfriam muito à noite e permanecem relativamente estáticos, ao contrário do tipo comum de eventos climáticos aqui na Costa Oeste, que chegam através do Oceano Pacífico e se arrasta sobre nós”, disse Flato.

“Isso mostra que o clima está mudando. A ciência nos diz há muito tempo, mas estar realmente imersos nisso, já que estamos aqui tendo que dormir no porão para nos mantermos frescos –isso realmente destaca a mudança.”

Mais Recentes da CNN