Casa Branca diz que estados possuem testes suficientes para iniciar reabertura

Primeira fase de reabertura prevê retomada gradual de serviços não-essenciais, com exceção de escolas

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump
O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump Foto: Leah Millis - 13.abr.2020/ Reuters

Anna Satie e Guilherme Venaglia,

da CNN, em São Paulo

Ouvir notícia

A força-tarefa da Casa Branca afirmou nesta sexta-feira (17) que os governadores americanos já possuem a capacidade de testagem necessária para que iniciem o processo de reabertura das atividades produtivas.

“Os estados têm testes suficientes para implementar a fase 1 se quiserem fazer isso”, afirmou o vice-presidente Mike Pence. Tanto Pence quanto o presidente Donald Trump disseram que são os estados que possuem a responsabilidade da testagem e devem acionar todas as estruturas de laboratório disponíveis para maximizar a capacidade de realizar estes exames.

O imunologista Anthony Fauci, presidente do Instituto Nacional de Alergias e Doenças Infecciosas, afirmou que há materiais suficientes para dar conta da necessidade americana. O problema, diz, é a falta de “comunicação” entre as pessoas, um problema de logística em utilizar toda a capacidade potencial. Neste primeiro momento, o país vê a necessidade de testar os que manifestem sintomas e as pessoas vulneráveis.

A médica Deborah Birx, que integra a força-tarefa, afirmou que reuniu uma equipe que está “ligando laboratório por laboratório para saber todas as dificuldades que existem em cada” para auxiliarem o trabalho de testagem para coronavírus. “Estamos trabalhando para que todo esse potencial seja desbloqueado.”

De acordo Birx, só não há capacidade instalada suficiente em três dos 50 estados americanos: Oregon, Maine e Montana. A métrica mínima, segundo a médica, é 30 testes por dia a cada mil habitantes.

Laboratórios nacionais, regionais e privados devem ser utilizados. Tanto os testes laboratoriais, que identificam o coronavírus desde o princípio, quanto os testes de anticorpos, que identificam que a pessoa ou já tem há algum tempo ou já se curou da COVID-19, serão utilizados.

Reabertura

Trump afirmou que as medidas de isolamento adotadas no país foram importantes para evitar “milhões de mortes”, mas que “todo dia nós estamos mais perto do dia que estamos esperando”. O presidente americano estimou que a expectativa de mortos do país caia para algo próximo a 60 mil pessoas. A perspectiva anterior falava em algo entre 100 mil e 220 mil mortes.

A primeira fase do processo de reabertura, anunciado na quinta-feira pelo presidente Donald Trump, prevê que permaneçam necessariamente isolados apenas os indivíduos que integram grupos de risco para a COVID-19. As empresas que puderem fazer trabalho remoto ou retornar gradualmente ao seu serviço seriam estimuladas a fazerem isso, enquanto escolas e bares continuam fechados e visitas a asilos e hospitais seguiriam proibidas.

“As orientações fornecem aos governadores métricas baseadas em fatos e na ciência, que eles precisarão para tomar medidas corretas para cada estado específico”, afirmou Trump. O presidente dos Estados Unidos afirmou que o país está “mais do que preparado”, em condições de leitos de UTI e respiradores, e que poderá ajudar o México e outros países com equipamentos.

‘Ótimas decisões’

Trump se disse muito satisfeito com as medidas adotadas no enfrentamento do coronavírus. “Poderíamos ter perdido mais de 2 milhões de pessoas. Não quero constranger ninguém, mas há lugares em que as pessoas só deixaram as coisas rolarem, uma mentalidade de manada, e isso não deu muito certo”. 

Ele disse que não tomar nenhuma ação não seria sustentável. “Olhe só o que aconteceu naquele hospital no Queens [em Nova York], com sacos com corpos por todo o lado. Sem medidas de contenção, haveria uma insurreição”, disse. 

Leia também:

Corpos são empilhados por falta de espaço em hospital dos EUA

“Nós fizemos o certo e agora vamos começar a reabrir. Ótimas decisões foram tomadas”, declarou.

Ele também comentou sobre a realização de formaturas durante a pandemia. “Acho que vai ser bastante diferente do que estamos acostumados a ver, as pessoas ficarão bem distantes uma das outras”, disse. “Não quero que as pessoas pensem que vai ser assim para sempre. Por um período, teremos que nos manter assim, mas, eventualmente, quando esse vírus for embora, teremos nossas vidas de volta, do jeito que era”. 

China

“Não estou feliz com os chineses”, declarou o presidente dos EUA, ao comentar sobre um acordo comercial em que a China comprará bilhões de produtos agrícolas americanos. Trump disse que a situação pandêmica poderia ter sido contida por eles. “Tudo poderia ser resolvido muito facilmente se um certo país fizesse o que deveria ter sido feito”, declarou. 

Fauci comentou sobre o estudo realizado por virologistas americanos, que investigava a possibilidade de o Sars-CoV-2, vírus da COVID-19, ter sido produzido em laboratório.

Leia também:

EUA investigam hipótese de que coronavírus tenha surgido em laboratório chinês

“Houve um estudo da sequência de vírus em morcegos e o que encontramos foram mutações muito consistentes entre aquela espécie e humanos”, disse ele, negando a hipótese. “A pesquisa estará disponível a todos em breve”. 

 

Mais Recentes da CNN