Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Caso Stormy Daniels: Trump será julgado em março de 2024 

    Data foi anunciada pelo juiz Juan Merchan, da corte estadual de Manhattan, em Nova York; ex-presidente dos EUA é acusado de falsificar registros comerciais para ocultar dinheiro pago à estrela pornô

    Da CNN

    O ex-presidente dos Estados Unidos Donald Trump voltará a enfrentar um júri para se defender de uma das mais de 30 acusações que recaem sobre ele. O juiz Juan Merchan, da corte estadual de Manhattan, em Nova York, definiu o dia 25 de março de 2024 para o julgamento criminal do caso Stormy Daniels.

    De acordo com a promotoria, Trump teria falsificado registros comerciais para ocultar dinheiro pago à estrela pornô Stormy Daniels. O valor teria sido pago, de acordo com a acusação, como meio de impedi-la de falar sobre outros negócios obscuros do ex-presidente.

    A data foi definida durante audiência em que Trump participou de forma remota nesta terça-feira (23). Ele é alvo de mais de 30 outros processos que vão desde ocultação de documentos até estupro.

    No último dia 9, também em Nova York, Trump foi condenado por abuso sexual e difamação, devendo pagar cerca de US$ 5 milhões em danos compensatórios e punitivos para a autora da denúncia, a escritora e jornalista Elizabeth Jean Carroll.

    Entenda o caso

    Trump se tornou o primeiro ex-presidente norte-americano a enfrentar acusações criminais quando um grande júri de Nova York o indiciou por, supostamente, falsificar registros comerciais relacionados a um pagamento clandestino feito a uma estrela pornô antes de sua vitória nas eleições presidenciais de 2016.

    Durante a campanha, o ex-advogado pessoal de Trump, Michael Cohen, pagou à estrela pornô Stormy Daniels US$ 130 mil por seu silêncio sobre um caso sexual que ela diz ter tido com Trump em 2006.

    Trump nega as acusações e o caso sexual, mas admitiu ter reembolsado Cohen por seu pagamento a Daniels.

    Ele chamou a investigação do procurador distrital de Manhattan, Alvin Bragg, de “caça às bruxas” politicamente motivada e se declarou inocente em 4 de abril de 34 acusações de falsificação de registros comerciais.

    Os cheques de reembolso de Trump para o pagamento de supressão afirmavam falsamente que o dinheiro era para um “acordo de adiantamento”, disseram os promotores. Trump foi acusado de falsificar os livros de sua empresa imobiliária com a intenção de fraudar.

    Embora a falsificação de registros comerciais em Nova York por conta própria seja uma contravenção punível com não mais de um ano de prisão, ela é elevada a um crime punível com até quatro anos quando feita para promover ou ocultar outro crime, como violações da lei eleitoral.

    Os promotores dizem que Trump falsificou os registros em parte para encobrir o fato de que o pagamento a Daniels excedeu os limites federais de contribuição de campanha.

    No início do mês, o juiz Juan Merchan pediu aos advogados e promotores de Trump para ver se eles poderiam concordar com uma data de julgamento em fevereiro ou março de 2024, o que estaria no meio da campanha de Trump para a eleição presidencial de novembro de 2024.