Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Casos de Covid-19 nos EUA batem recorde, e especialistas alertam que vai piorar

    Os EUA notificaram 99.321 casos do novo coronavírus na sexta-feira, superando o recorde diário até então mantido pela Índia de 97.894 casos em 17 de setembro

    Susannah Cullinane,

    CNN



     

    Os EUA notificaram 99.321 novos casos de Covid-19 na sexta-feira – o maior número em um único dia registrado em qualquer país -, e um especialista teme que a tendência de alta supere a capacidade de atendimento dos hospitais.

    O número casos nos EUA ultrapassou o recorde diário anterior que até então era mantido pela Índia, que relatou 97.894 casos de coronavírus em 17 de setembro, de acordo com o ministério da saúde do país.

    Com o novo levantamento, o número total de casos de Covid-19 nos EUA alcançou 9.047.792, de acordo com a Universidade Johns Hopkins.

    Leia também:
    10 gráficos mostram como a economia se saiu com Trump ante os demais presidentes
    Ministro da Saúde, Eduardo Pazuello é internado em Brasília

    Os EUA relataram também mais de 1 mil mortes na sexta-feira, levando o número de mortos com a pandemia para 229.708.

    Cerca de 46.688 pacientes de Covid-19 estavam em hospitais na sexta-feira, de acordo com o Covid Tracking Project. Isso representa um aumento de 63,2% em relação ao menor patamar de 28.608 em 20 de setembro, e é o maior total desde 13 de agosto.

    Isso acendeu um alerta: os hospitais podem ficar sobrecarregados se o número de casos continuar aumentando, disse o Dr. Christopher Murray, diretor do Instituto de Avaliação e Métricas de Saúde da Universidade de Washington, à CNN.

    Quatorze estados e um território dos EUA relataram um recorde de hospitalizações na sexta-feira, de acordo com o Covid Tracking Project. O projeto registrou 46.688 internações. Em 1º de outubro, a nação tinha 30.077. Esses estados e territórios são: Alasca, Idaho, Iowa, Kansas, Kentucky, Missouri, Nebraska, Novo México, Dakota do Norte, Ohio, Utah, West Virginia, Wisconsin, Wyoming e Guam.

    O número de hospitalizações é a melhor medida de como o país está se saindo na pandemia do coronavírus, disse Murray. “Eles são um indicador importante à frente das mortes.”

    Mas Murray disse que o público dos EUA não está obtendo os dados de que precisa para entender quais hospitais estarão mais cheios no futuro e pediu ao governo que libere mais informações.

    O analista médico da CNN, Dr. Jonathan Reiner, professor da Universidade George Washington, disse ao jornal Don Lemon na sexta-feira que o aumento nos casos foi “aterrorizante” e que o pior ainda estava por vir.

    “Em um ou dois dias, veremos mais de 100.000 casos em um dia. Agora, isso por si só parece ruim, mas duas semanas depois, você sabe, vamos começar a ver 2.000 pessoas morrendo por dia neste país “, disse ele.

    Reiner disse que o pior cenário poderia ser a perda de 2.000 a 2.500 pacientes por dia, mas que os americanos tinham o poder de conter o vírus. “Precisamos nos proteger e, em alguns lugares, precisamos pensar em restrições de circulação inteligentes”, disse ele.

    “A Europa está fechando tudo – é a coisa mais inteligente a se fazer quando o vírus fica fora de controle. Foi assim que obtivemos controle na primeira onda. Então, aqui está a escolha: se você não quiser lockdown, use a máscara.”

    Outra especialista em saúde diz que os testes precisam ser intensificados. “Hoje, temos uma pessoa sendo diagnosticada com o coronavírus a cada segundo. É quase certo que haverá muitos mais, dezenas de outros casos, que não estamos detectando, e essa escalada aumentará nas próximas semanas”, disse a ex-comissária de saúde de Baltimore, Dra. Leana Wen. “Temos um americano morrendo de coronavírus a cada dois minutos, e esse número está aumentando.”