Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    CEO da OceanGate: cola usada em peças do submarino Titan parecia “manteiga de amendoim”

    Declaração foi feita em 2018, em um vídeo publicado no canal da empresa no YouTube

    Stockton Rush, CEO da OceanGate, visto em 2017.
    Stockton Rush, CEO da OceanGate, visto em 2017. Shannon Stapleton/Reuters/FILE

    Gabriel Fernedada CNN São Paulo

    O CEO da OceanGate, Stockton Rush, um dos cinco tripulantes que morreram após a implosão do submarino Titan no mês passado, descreveu a cola utilizada para manter a embarcação unida como semelhante a “manteiga de amendoim”.

    A declaração foi feita em 2018, em um vídeo publicado no canal da OceanGate no YouTube.

    De acordo com o vídeo, em um determinado momento, Rush afirma que a cola utilizada para manter a estrutura de fibra de carbono unida era como “manteiga de amendoim” e “bastante simples”.

    Segundo publicado pelo “Independent”, desde a implosão do submarino Titan no mês passado, especialistas e ex-funcionários da OceanGate alertaram o Stockton Rush sobre problemas de segurança com o submersível.

    David Lochridge, ex-diretor de operações marítimas da empresa entre 2015 e 2018, levantou preocupações sobre a segurança do submarino e acabou demitido.

    O submarino Titan, da OceanGate, desapareceu no dia 18 de junho, um domingo, no Oceano Atlântico Norte, durante uma expedição que viajaria até os destroços do Titanic.

    Guarda Costeira dos Estados Unidos confirmou a morte dos passageiros do submarino no dia 22, após os destroços terem sido encontrados, indicando uma implosão da cabine.

    Estavam no submarino o empresário britânico Hamish Harding; o mergulhador Paul-Henri Nargeolet; o empresário paquistanês Shahzada Dawood e seu filho, Sulaiman Dawood; e o CEO e fundador da OceanGate, Stockton Rush.

    “Em nome da guarda costeira dos EUA dou os pêsames para as famílias. Só consigo imaginar como isso tem sido para eles e espero que essa descoberta traga algum conforto nesse momento tão difícil”, disse na época o contra-almirante John Mauger, comandante do Primeiro Distrito da Guarda Costeira, em entrevista à imprensa.