Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    CEO da OceanGate disse em 2022 que “quase todo submarino de mergulho profundo faz barulho”

    Em episódio do "The Travel Show" da BBC de 2022, Stockton Rush aparece falando com os passageiros antes de entrar no submersível e explicando que a viagem seria perigosa

    Da CNN São Paulo

    Antes de uma expedição em 2022, o CEO da OceanGate, Stockton Rush, falou para a tripulação e passageiros do submarino Titan que ouvir barulhos da embarcação durante o mergulho não era motivo de preocupação. “Quase todos os submarinos de mergulho profundo fazem barulho em algum momento”, teria dito Rush, conforme mostrado em um episódio do “The Travel Show” da BBC. 

    Rush foi um dos cinco passageiros que morreu no mês passado por conta da implosão do submarino Titan durante uma expedição organizada pela OceanGate até os destroços do Titanic.

    O portal “Insider” relatou que, durante o episódio do programa no ano passado, Rush aparece falando com os passageiros antes de entrar no submersível e explicando que a viagem de 3,8 km de profundidade até o naufrágio seria perigosa.

    “Queremos que todos entrem nisso totalmente informados. Este é um submarino experimental. Este é um ambiente perigoso”, teria dito o CEO da empresa responsável pelas expedições e pelo submarino.

    Especialista reclamou de barulho em mergulho de 2019

    O especialista em submersíveis Karl Stanley disse, em entrevista ao New York Times, que, durante uma expedição a bordo do submarino Titan na costa das Bahamas em abril de 2019, ele soube que algo estava errado ao ouvir barulhos de estalos, que apenas se intensificaram ao longo das duas horas de mergulho.

    No dia seguinte, Stanley escreveu um e-mail para Stockton Rush, o CEO da OceanGate – empresa responsável pelo Titan, que implodiu no mês passado, matando os cinco passageiros a bordo, inclusive Rush – pedindo que ele reconsiderasse as expedições planejadas para o Titanic naquele ano.

    No e-mail, ele também explica o que acha que produziu os sons. “[Os estalos] soaram como uma falha/defeito em uma área afetada pelas tremendas pressões sendo esmagada/danificada”, escreveu Stanley.

    Para ele, o barulho indicava “uma área do casco que estava quebrando”.

    *Publicado por Fernanda Pinotti, da CNN