Chefe da Liga Árabe condena ataques aéreos israelenses em Gaza

Os chanceleres da Liga Árabe realizam uma reunião virtual nesta terça-feira (11) para discutir a situação em Jerusalém

Reuters

Ouvir notícia

O chefe da Liga Árabe condenou nesta terça-feira (11) os ataques aéreos israelenses mortais na Faixa de Gaza como “indiscriminados e irresponsáveis” e disse que Israel já havia provocado uma escalada anterior de violência com suas ações em Jerusalém.

A violência começou com confrontos entre manifestantes palestinos e forças de segurança israelenses na Mesquita Al-Asqa, no coração da Cidade Velha murada de Jerusalém, no complexo conhecido pelos judeus como Monte do Templo e pelos muçulmanos como Santuário Nobre.

“As violações israelenses em Jerusalém e a tolerância do governo com os extremistas judeus hostis aos palestinos e árabes é o que levou à ignição da situação dessa maneira perigosa”, disse o chefe da Liga Árabe, Ahmed Aboul Gheit, em um comunicado.

Os ataques em Gaza foram uma “demonstração miserável de força às custas do sangue das crianças”, disse ele.

Aboul Gheit exortou a comunidade internacional a agir imediatamente para parar a violência, dizendo que as contínuas “provocações israelenses” eram uma afronta aos muçulmanos na véspera do feriado Eid, no final do mês sagrado do Ramadã.

Os chanceleres da Liga Árabe estão realizando uma reunião virtual nesta terça-feira (11) para discutir a situação em Jerusalém.

Os confrontos violentos aumentaram fortemente nesta segunda-feira (10) quando Israel lançou ataques aéreos contra Gaza depois que grupos militantes palestinos dispararam foguetes perto de Jerusalém. Autoridades de saúde em Gaza disseram que pelo menos 20 pessoas, incluindo nove crianças, foram mortas.

Sistema antimísseis de Israel intercepta foguetes lançados da Faixa de Gaza 10/0
Sistema antimísseis de Israel intercepta foguetes lançados da Faixa de Gaza 10/05/2021
Foto: Amir Cohen/Reuters

(Reportagem de Nadeen Ebrahim; Escrita por Nadine Awadalla e Aidan Lewis; edição de Philippa Fletcher)

Mais Recentes da CNN