Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    China chama resultados contra a Covid de “milagre na história da humanidade”

    Política de Covid zero foi abandonada em dezembro do ano passado e o país viu o número de casos e mortes aumentar

    Simone McCarthyda CNN

    A China declarou que teve uma “vitória importante e decisiva” no tratamento do surto de Covid-19 que passou pelo país nos últimos meses, após um relaxamento abrupto de sua política de “Covid zero” no final do ano passado.

    O principal órgão de decisão do Partido Comunista fez a avaliação durante uma reunião a portas fechadas na quinta-feira (16) presidida pelo líder chinês Xi Jinping, no mais recente sinal de que o país está tentando minimizar as consequências políticas da doença.

    A política de anos gerou descontentamento generalizado – incluindo raros protestos em todo o país – antes de ser descartada em dezembro, em meio ao aumento dos custos econômicos, em uma decisão que pegou o público desprevenido.

    A rápida reversão dos rígidos controles de doenças provocou um aumento nos casos que deixaram os hospitais sobrecarregados e as pessoas lutando por medicamentos básicos. Mas o surto parece ter diminuído de intensidade nas últimas semanas, com números oficiais mostrando que as visitas às clínicas voltaram a níveis inferiores aos do período anterior ao levantamento das restrições, após cair de pico no final de dezembro.

    Em sua reunião de quinta-feira, o Comitê Permanente do Politburo expôs que a nação altamente populosa “criou um milagre na história da humanidade” ao “superar com sucesso uma pandemia”, de acordo com um resumo publicado pela agência de notícias estatal Xinhua.

    O documento também mostrou que o grupo afirmou que a China manteve a menor taxa de mortalidade por Covid-19 no mundo – uma métrica que a principal liderança da nação divulgou durante a pandemia, já que seus bloqueios, quarentenas forçadas e restrições de fronteira mantiveram o número de casos e fatalidades baixo –, em comparação com algumas outras grandes economias.

    Mas, especialistas dizem que a avaliação – a primeira dos principais líderes da China desde que o aumento de casos parece diminuir – serve apenas para enfatizar as profundas questões que permanecem sobre o impacto do surto no país.

    Número de mortes

    Desde o fim da política de Covid zero, a China registrou oficialmente mais de 80 mil mortes – um número que conta as pessoas que foram testadas para Covid-19 e morreram no hospital, mas exclui as mortes que não foram testadas ou as que morreram em casa durante o surto do vírus. Os excluídos podem ser um grupo considerável, dizem os especialistas, já que os testes pararam e muitos pacientes provavelmente evitaram os hospitais.

    “Ainda há muitas perguntas sobre o número de mortos na China devido ao Covid – pode ser útil se eles puderem divulgar mais informações, particularmente sobre as mortes por todas as causas em comparação com os anos anteriores ao Covid”, disse o virologista Jin Dongyan, professor na Escola de Ciências Biomédicas da Universidade de Hong Kong, apontando um método para avaliar um quadro mais completo das fatalidades no país.

    A China também foi criticada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) por sua transparência limitada de dados durante o surto, incluindo sua definição anterior e mais restrita de morte por Covid-19, que as autoridades de saúde chinesas atualizaram em janeiro.

    Também não está claro quantas pessoas foram infectadas no geral desde que a China relaxou a política de Covid zero – levantando mais questões sobre como as autoridades calcularam a taxa de mortalidade não revelada da Covid, que os especialistas dizem ser normalmente medida dividindo o número de mortes pelo número total de casos.

    As autoridades de saúde chinesas pararam de divulgar os números dos chamados casos assintomáticos em todo o país no final do ano passado, quando desmantelaram o extenso aparato de testes em massa Covid-19 dos países e permitiram que as pessoas fizessem o teste e se recuperassem em casa.

    No final de janeiro, o epidemiologista-chefe do Centro Chinês de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), Wu Zunyou, disse em sua conta pessoal nas redes sociais que cerca de 80% das pessoas na China já haviam sido infectadas.

    Os números de mortes relatadas também diminuíram, com a China relatando apenas 912 mortes em hospitais na semana de 3 a 9 de fevereiro, de acordo com o último relatório do CDC, que também diz que os óbitos atingiram o pico em 4 de janeiro, com um total de 4.273 mortes.

    Fornecer uma imagem mais completa do surto – e do número de mortos – pode não atender aos interesses do governo de tranquilizar o público sobre como lidar com o vírus, de acordo com Yanzhong Huang, membro sênior de saúde global do Conselho de Relações Exteriores em Nova York.

    Huang apontou vários relatórios internacionais, baseados em modelagem, que colocaram o número real de mortos em mais de 1 milhão nos últimos dois meses. “Você não pode esperar que o governo admita isso”, disse ele, “porque as pessoas vão fazer a pergunta – como pudemos ter pago tanto custo econômico e social (de Covid zero) para essencialmente vir com um resultado que é igual, senão pior, a (quarentena) nos Estados Unidos.”

    Seguindo em frente

    Em vez disso, segundo Huang, os líderes chineses estão aproveitando o momento para assumir o controle da narrativa em torno do surto, já que os casos parecem ter diminuído.

    “A vida das pessoas está voltando ao normal, e a onda viral acaba, então esse tipo de incerteza [sobre o surto] não existe mais, e é preciso conciliar a narrativa contraditória, a crise de credibilidade que a política abrupta Inversão de marcha criada”, disse Huang, referindo-se à mudança no tom oficial à medida que a China se ajustava rapidamente de alertar sobre os perigos do vírus e a necessidade de contê-lo, para permitir que ele se espalhasse.

    “Este é o momento perfeito para dizer que o resultado justificou a decisão”, continuou Huang.

    Mas mesmo que os sinais indiquem que a população da China tem imunidade natural generalizada, como em outros países, isso não significa que o vírus tenha desaparecido ou que os sistemas de saúde da China estejam preparados para possíveis surtos futuros impulsionados por possíveis novas variantes, dizem os especialistas.

    O Comitê Permanente do Politburo mencionou a necessidade de continuar a reforçar os cuidados de saúde em sua reunião, de acordo com o resumo da Xinhua, que disse que o órgão “exortou todas as localidades e departamentos a otimizar mecanismos e medidas relacionadas, fortalecer o sistema de serviços médicos” e pediu planejamento para a próxima fase de vacinação e reforço de suprimentos médicos.

    Jin, da Universidade de Hong Kong, concordou que a China precisa continuar se preparando, mesmo com os sinais sugerindo que o último aumento já havia praticamente terminado.

    “A Covid ainda está por aí e estará conosco por muito, muito mais tempo”, disse ele. “Depois desse tsunami, eles ainda têm o novo desafio de fortalecer o sistema de saúde.”

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original