Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    China critica derrubada de balão nos EUA e diz que usará “meios necessários” em situações similares

    Ministério das Relações Exteriores chinês acusou o governo Biden de “exagerar” e “violar seriamente a prática internacional” em ação militar

    Heather ChenWayne Changda CNN

    A China diz que “se reserva o direito” de lidar com “situações semelhantes” após a decisão dos Estados Unidos de derrubar seu balão de alta altitude.

    “Os EUA usaram a força para atacar nosso dirigível civil não tripulado, o que é uma reação exagerada óbvia. Expressamos protesto solene contra esta ação do lado dos EUA”, disse o porta-voz do Ministério da Defesa da China, Tan Kefei, em um comunicado na tarde de domingo, horário local.

    A China “reserva-se o direito de usar os meios necessários para lidar com situações semelhantes”, acrescentou.

    Neste domingo (5), o Ministério das Relações Exteriores da China acusou os EUA de “exagerarem” e “violarem seriamente a prática internacional”, depois que caças militares americanos derrubaram o balão no sábado (4) sobre o Oceano Atlântico em uma missão que o presidente Joe Biden saudou como um sucesso.

    Os Estados Unidos acreditam que o balão estava envolvido em espionagem, mas a China refutou isso, insistindo que era um navio de pesquisa civil desviado do curso.

    “O lado chinês informou repetidamente o lado dos EUA após a verificação de que o dirigível é para uso civil e entrou nos EUA devido à força majeure – foi completamente um acidente”, disse o comunicado do Ministério das Relações Exteriores da China.

    “Força majeure” é um termo legal que significa “força maior”. Ele isenta uma parte de responsabilidade se um evento imprevisto, como uma catástrofe natural, a impedir de cumprir suas obrigações contratuais.

    “A China pediu claramente aos EUA para lidar com isso de maneira calma, profissional e contida. Um porta-voz do Departamento de Defesa dos EUA também afirmou que o balão não representará uma ameaça militar ou pessoal ao pessoal de terra”, continuou a declaração do ministério.

    “A China salvaguardará resolutamente os direitos e interesses legítimos das empresas relevantes, reservando-se o direito de tomar outras medidas necessárias”, acrescentou o Ministério das Relações Exteriores.

    A mídia estatal chinesa anunciou no sábado que o chefe do serviço meteorológico do país foi dispensado de suas funções, em um movimento visto por alguns analistas como uma tentativa de reforçar a posição de Pequim de que o balão de alta altitude era de natureza civil, principalmente para fins meteorológicos.

    Zhuang Guotai era o chefe da Administração Meteorológica da China até sexta-feira, mas sua saída do cargo não foi inesperada.

    No final de janeiro, Zhuang foi eleito chefe do Comitê Consultivo Político Popular da província ocidental de Gansu, o órgão consultivo político provincial.

    As autoridades americanas rejeitaram as repetidas alegações da China de que o balão caído era simplesmente para uso civil e havia entrado no espaço aéreo americano por “acidente”.

    “Este era um balão de vigilância da República Popular da China (RPC). Este balão de vigilância propositalmente atravessou os Estados Unidos e o Canadá e estamos confiantes de que ele buscava monitorar locais militares sensíveis”, disse um alto funcionário do governo dos EUA.

    O funcionário disse que um segundo balão, avistado sobre a América Central e do Sul, era “outro balão de vigilância da RPC” e apresentava características técnicas semelhantes ao que sobrevoou os EUA.

    “Ambos os balões também carregam equipamentos de vigilância que geralmente não são associados a atividades meteorológicas padrão ou pesquisa civil”, disse o oficial.

     “Equipamentos de cápsulas de coleta e painéis solares localizados na treliça de metal suspensa abaixo do balão são uma característica proeminente de ambos os balões.”

    Funcionários do Pentágono disseram no início desta semana que o balão não representava nenhuma ameaça “militar ou física”.

    Os EUA decidiram não abater o balão enquanto ele permanecia sobre a terra devido ao risco de destroços ferirem um civil e, em vez disso, esperaram até que estivesse sobre o oceano.

    Os militares dos EUA agora se concentrarão nos esforços de recuperação de detritos.

    O incidente é o mais recente de uma série de casos de espionagem e alimentou uma crise diplomática entre Pequim e Washington.

    Taiwan pesa

    Enquanto isso, as autoridades de Taiwan disseram no domingo que o incidente do balão chinês “não deve ser tolerado pela comunidade internacional civilizada”.

    A ilha autônoma, que a China reivindica como parte de seu território, apesar de nunca tê-la controlado, tem experiência de balões semelhantes sobrevoando seu território.

    “Tais ações do governo do Partido Comunista Chinês violam a lei internacional, violam o espaço aéreo de outros países e violam sua soberania”, disse o Ministério das Relações Exteriores de Taiwan em um comunicado, pedindo ao governo da China que “cesse imediatamente condutas desse tipo que invadem outros países e causa instabilidade regional”.

    Balões que se acredita serem usados ​​para “observações meteorológicas” sobrevoaram a ilha em setembro de 2021 e em fevereiro de 2022, de acordo com o Ministério da Defesa Nacional de Taiwan.

    Mas ainda não está claro se esses balões eram do mesmo tipo que o derrubado por caças americanos no sábado.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original