Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    China tenta abafar repercussão interna das denúncias da tenista Peng Shuai

    Após a retirada da liga de tênis profissional feminino da China, governo tenta manter polêmica longe da discussão pública no país

    Tenista chinesa Peng Shuai durante Aberto da Austrália de 2020
    Tenista chinesa Peng Shuai durante Aberto da Austrália de 2020 REUTERS/Kim Hong-Ji

    Nectar GanSteve Georgeda CNN

    Hong Kong

    Ouvir notícia

    A liga de tênis profissional feminino suspendeu todos os torneios na China. No entanto, dentro do país, não há notícias sobre a decisão, nenhuma discussão pública sobre o porquê, nem qualquer resposta dos fãs do tênis chinês.

    Em contraste com o silêncio generalizado em casa, os meios de comunicação controlados pelo governo chinês atacaram a Associação de Tênis Feminino (WTA, na sigla em inglês) no Twitter – uma plataforma bloqueada na China – acusando a organização de “fazer um espetáculo exagerado” e “apoiar o ataque do Ocidente ao sistema chinês”.

    As duas abordagens aparentemente contraditórias refletem a extrema sensibilidade ligada à decisão da WTA dentro da China – e a alegação explosiva do movimento #MeToo que a desencadeou.

    Quando a estrela chinesa do tênis Peng Shuai acusou publicamente em suas redes sociais o antigo vice-primeiro-ministro chinês Zhang Gaoli de agressão sexual em 2 de novembro, a resposta imediata das autoridades foi abafá-la e censurar até mesmo a mais vaga alusão à alegação.

    Embora isso pudesse ter funcionado a nível interno, serviu apenas para inflamar a reação no exterior.

    O desaparecimento prolongado de Peng da vida pública levou as maiores estrelas do tênis do mundo a exigir respostas sobre o seu paradeiro. Em resposta, funcionários dos meios de comunicação estatais divulgaram uma série de fotografias e vídeos como “prova de vida” de Peng no Twitter, enquanto as autoridades continuam a censurar todas as referências a ela.

    A mesma abordagem foi novamente aplicada na quinta-feira (2), quando a WTA anunciou uma suspensão imediata de todos os torneios na China, incluindo Hong Kong, devido ao silêncio de Pequim sobre as alegações de agressão sexual de Peng. Apesar da forte reação das mídias estatais no Twitter, as plataformas de comunicação social chinesas mantiveram-se calmas e silenciosas, sem que se visse a fúria nacionalista que normalmente envolveria partidos que se considera terem “ofendido a China”.

    Chinesa Peng Shuai durante partida de tênis nos Jogos Olímpicos de Pequim 2008 / 11/08/2008 REUTERS/Toby Melville

    “A propaganda externa da China sobre este assunto é como uma caixa de papel que não consegue segurar a água à frente do seu próprio povo”, disse Xiao Qiang, editora-chefe do China Digital Times, um site de notícias com sede nos EUA que rastreia a censura na China. “É ironia que eles esperam utilizar esta narrativa para convencer a comunidade internacional”.

    Para os especialistas que há muito monitoram e analisam os esforços de propaganda da China, este mundo paralelo aparentemente bem guardado desmente uma realidade mais caótica.

    “Poderíamos falar aqui de uma estratégia com duas vertentes, sobre como a China tem imposto o silêncio total em casa, ao mesmo tempo que empurra para o exterior uma narrativa sobre a intromissão dos jornalistas e a politização do esporte. No entanto, chamar isso estratégia sugere uma sofisticação que não existe realmente”, disse David Bandurski, diretor do Projeto de Mídia China.

    O que realmente vemos é desespero, o editor-chefe de um jornal dirigido pelo estado correndo para o Twitter e batendo o martelo. O objetivo é distrair o mundo de fatos óbvios e condenáveis.

    David Bandurski

    Hu Xijin, editor-chefe do tabloide nacionalista do governo Global Times, tornou-se o primeiro funcionário do estado a desafiar a decisão do WTA na quinta-feira – mas apenas no Twitter.

    “A WTA está coagindo Peng Shuai para apoiar o ataque do Ocidente ao sistema chinês. Eles estão podando a liberdade de expressão de Peng Shuai, exigindo que a sua descrição da sua situação atual corresponda às suas expectativas”, tuitou Hu.

    Após as declarações, um “editorial” do Global Times foi publicado no Twitter em inglês, acusando a WTA de “expandir a sua influência de uma forma especulativa, trazendo a política para o tênis feminino profundamente, dando um mau exemplo para todo o mundo esportivo”. Não mencionou o que desencadeou a decisão da WTA de se retirar da China, em primeiro lugar.

    O “editorial” não foi publicado nas redes sociais em língua chinesa do jornal, e só apareceu no seu site em língua inglesa no final da noite de quinta-feira (2). Mesmo assim, foi escondido da página inicial, muito longe de como os editoriais são normalmente exibidos.

    Em um outro artigo em língua inglesa, o Global Times disse que a Associação Chinesa de Tênis (CTA) tinha expressado “indignação e firme oposição” à decisão da WTA. A resposta do CTA não foi relatada pelos meios de comunicação de língua chinesa, nem foi publicada no próprio site da associação. O CTA não respondeu aos pedidos de comentários da CNN.

    Zhang Gaoli Peng Shuai tenista
    Zhang Gaoli, aucsado de assédio sexual pela tenista Peng Shuai / Reuters

    Em uma coletiva de imprensa na quinta-feira, em resposta a uma pergunta sobre a retirada do WTA, um porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros da China disse: “A China sempre se opôs firmemente a qualquer ato que politize o esporte”. Essa troca foi eliminada da transcrição oficial das perguntas e respostas no portal do ministério.

    Os esforços de Pequim para esconder do público chinês a sua raiva em relação à WTA mostram quão sério e sensível é o escândalo aos olhos do Partido Comunista no poder – especialmente antes da sua remodelação da liderança de duas décadas no próximo ano, quando se espera que o Presidente Xi Jinping tente um terceiro mandato no poder.

    Como vice-primeiro-ministro, Zhang, de 75 anos, serviu no Comitê Permanente Politiburo do partido – o órgão supremo de liderança do país, que conta com apenas sete membros – ao lado de Xi de 2012 a 2017.

    “Tem sido uma espécie de tempestade externa, e eles queriam manter a tempestade fora da China”, disse Bandurski. “É uma questão extremamente sensível para a liderança. Penso que foi provavelmente uma das notícias mais sensíveis da última década”.

    A principal preocupação do governo chinês está clara no tuíte de Hu, que acusou a WTA de atacar o “sistema chinês”.

    “Fundamentalmente, trata-se de proteger o sistema político na China – este é o único organismo que é motivo de preocupação. Não se trata da segurança pessoal de Peng Shuai, ou dos seus direitos como indivíduo, como mulher, como cidadã”, disse Bandurski.

    “Porque assim que de fato falarem sobre esta questão internamente, as pessoas vão perguntar: ‘Bem, e o que dizer de Zhang Gaoli? Será verdade? Este é um funcionário de alto nível, porque nada lhe aconteceu? Onde está ele? E essas perguntas vão imediatamente para o coração do poder e da legitimidade [do partido]”.

    Momentos depois da WTA ter anunciado que estava se retirando da China nas primeiras horas de quinta-feira, alguns utilizadores da rede social Weibo manifestaram o seu apoio à decisão na conta oficial da associação na rede social, em postagens antigas. A WTA não emitiu uma versão chinesa do seu anúncio na Weibo.

    “A WTA tem uma coluna vertebral forte”, disse um comentário. “Porque é que este homem não foi preso. Ele tem realmente um apoio super forte. É um absurdo”, continuou o comentário, aparentemente referindo-se a Zhang.

    Estes comentários foram logo retirados. Na tarde de quinta-feira, a seção de comentários sob as suas duas publicações mais recentes tinha sido desativada. “Alguém está apagando as mensagens”, um usuário escreveu sob uma terceira mensagem, apenas para que isso também fosse apagado, e os comentários sobre a mensagem foram desativados.

    Tenista chinesa Peng Shuai durante Aberto da Austrália / 15/01/2019 REUTERS/Edgar Su

    A conta da WTA – que tem mais de 400.000 seguidores – ainda está no Weibo, mas foi bloqueada dos resultados da pesquisa.

    Embora aparentemente toda a censura seja poderosa e generalizada, tal censura pode ter um custo para o partido, disse Bandurski.

    “Há sempre um lado negativo na censura, especialmente quando é possível vê-la acontecer, quando se experimenta. É um demérito para o sistema”, disse ele. “A forma mais eficaz de o controlar é que aconteça de forma invisível, e as pessoas não estejam realmente ciente do que estão perdendo”.

    De certa forma, a censura geral em torno de Peng e as consequências também traem a falta de confiança de Pequim na sua capacidade de fazer girar a história e ganhar o apoio do público.

    Pequim provou ser bem sucedida na obtenção de apoio nacional quando confrontada com críticas internacionais relacionadas com Hong Kong, Xinjiang e Tibete, castigando empresas, organizações e governos ocidentais por se imiscuírem nos “assuntos internos da China”.

    Nas redes sociais, os nacionalistas fazem frequentemente eco da fúria de Pequim, apelando a boicotes de empresas por “insultarem a China”.

    Entretanto, o escândalo de Peng é diferente. A sua alegação de agressão sexual contra um homem poderoso, que uma vez se sentou no auge de um sistema patriarcal, poderia potencialmente desencadear uma onda de indignação e empatia dentro da China, especialmente de mulheres jovens, muitas das quais manifestaram apoio às vítimas em casos anteriores de relatos de assédio no movimento #MeToo.

    Se o Partido Comunista tiver medo de tentar convencer o seu próprio povo, qualquer tentativa de influenciar a audiência internacional falhará quase certamente, dizem os especialistas.

    “O mundo tem meios noticiosos sérios, existem órgãos políticos sérios – como as Nações Unidas e a União Europeia – que emitem declarações [sobre Peng]. No entanto, a China só tem…quase um homem e um punhado de contas no Twitter”, disse Bandurski. É muito rústico. É muito pouco estratégico. E penso que, nesse sentido, é incrivelmente tolo”.

    Texto traduzido. Leia o original em inglês.

    Mais Recentes da CNN