Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Chuy González: quem é o criminoso que vale US$ 5 milhões para os EUA

    Traficante é líder de uma organização indepente no México que opera nos Estados Unidos

    Jesús "Chuy González" González-Peñuelas
    Jesús "Chuy González" González-Peñuelas DEA

    Da CNN em Espanhol

    “Por favor, direcione informações sobre a oferta de recompensa para a DEA em +1-720-355-0168 (telefone/texto/WhatsApp) ou por e-mail para Chuy-Reward@DEA.Gov”, diz a mensagem publicada no site do Departamento de Estado dos EUA nesta quarta-feira (17).

    Jesús González-Peñuelas, também conhecido como Chuy González, entrou assim na lista dos fugitivos. Os Estados Unidos estão dispostos a pagar até 5 milhões de dólares por informações que levem à sua captura. Mas por qual razão este cidadão mexicano é tão importante para o Departamento de Estado americano?

    Chuy González, líder da organização González-Peñuelas

    Chuy González seria, segundo a busca internacional, o líder de uma organização independente de distribuição e produção de metanfetamina, maconha, heroína e cocaína, que opera desde 2007. Por suas atividades ilegais, Chuy González foi acusado de casos relacionadas com o tráfico internacional de narcóticos nos distritos do Colorado e no sul da Califórnia.

    Em maio de 2021, Chuy González foi incluído pelo Departamento do Tesouro dos EUA na lista de traficantes internacionais de drogas de alto perfil, tendo todos os seus bens sob jurisdição dos EUA congelados e sendo proibido de realizar transações financeiras com entidades nacionais.

    Na época, o Tesouro o identificou como o chefe da organização de tráfico de drogas González-Peñuelas, descrita como um grupo de “grandes traficantes de drogas estrangeiros”, de acordo com a Lei de Designação de Chefe do Tráfico de Drogas Estrangeiro, ou Lei do Rei do Crime.

    “Jesús González-Peñuelas (também conhecido como Chuy González) e sua organização de tráfico de drogas estão entre os maiores fornecedores de goma de ópio cru e heroína no norte do México e estão cada vez mais envolvidos na distribuição de fentanil no mercado dos EUA”, afirma o comunicado publicado pelas autoridades americanas.

    Segundo informações da Drug Enforcement Administration (DEA), o último endereço conhecido de González-Peñuelas é na cidade de Gabriel Leyva Solano, em Sinaloa, no México. Na verdade, a sua organização opera principalmente em Sinaloa e Sonora, no México, mas também opera em vários portos de entrada nos Estados Unidos, bem como em numerosas células de distribuição baseadas na Califórnia, Texas, Colorado, Washington, Utah e Nevada.

    A organização de Chuy González

    Segundo informações publicadas em 2021 pelo Departamento do Tesouro, a organização de González-Peñuelas coopera com outras organizações de tráfico de drogas no México e “está alinhada com os traficantes mexicanos Fausto Isidro Meza Flores e Rafael Caro Quintero”, também sujeitos a sanções.

    Segundo essa versão, os cargos mais altos da hierarquia da organização de Chuy González seriam ocupados por membros de sua própria família. O Escritório de Controle de Ativos Estrangeiros (OFAC), dependente do Tesouro, apontou vários deles: seus irmãos Ignacio e Wilfrido González Penuelas, Efraín Mendívil Figueroa, Adelmo Núñez Molina e Raúl e Juana Payan Meraz.

    Ignacio González Peñuelas, um mexicano que atua como principal tenente da organização e é responsável pela supervisão da segurança dos carregamentos de narcóticos, foi acusado em 2018 de múltiplas ofensas de tráfico de drogas.

    Wilfrido González Peñuelas está envolvido no tráfico de heroína e ópio, operando lojas de rua no território da organização de tráfico de drogas González-Peñuelas.

    Efraín Mendívil Figueroa, por sua vez, é um dos distribuidores e coordenadores de transporte de fentanil, heroína, metanfetamina e cocaína da organização González-Peñuelas. Em 2019, o Gabinete do Procurador Distrital de Oregon o acusou de tráfico de heroína, metanfetamina e fentanil.

    Adelmo Nunez Molina é responsável pelo fornecimento de goma de ópio crua. Em 2019, a Procuradoria dos EUA para o Distrito do Colorado o acusou de várias ofensas de tráfico de drogas.

    Por último, Raúl Payan Meraz supervisiona a produção de papoula e Juana Payan Meraz é parceira de tráfico de drogas de Raúl Payan Meraz.

    Com informações de Ivonne Valdés, da CNN en Español.

    Este conteúdo foi criado originalmente em espanhol.

    versão original