Com ajuda internacional, haitianos esperam pela ‘verdade’ sobre a morte de Moise

Presidente do Haiti, Jovenel Moise, foi assassinado em casa; 26 colombianos e 2 norte-americanos são suspeitos de orquestrar e executar o plano

Polícia haitiana
Polícia haitiana Foto: Valerie Baeriswyl/AFP/Getty Images

Caitlin Hu, Etant Dupain, Stefano Pozzebon, Matt Rivers e Natalie Gallón, da CNN

Ouvir notícia

Agentes dos Estados Unidos e de outras nações estão se juntando à investigação criminal sobre o assassinato do presidente do Haiti, Jovenel Moise, após dias de intriga estonteante.

Moise foi morto na última quarta-feira (7) em sua casa em um incidente chocante para o qual as autoridades ainda estão investigando os motivos, meios e mentores. Pelo menos 28 pessoas são suspeitas na trama, das quais 26 são colombianas e dois são cidadãos norte-americanos, segundo dados do governo.

Mas uma profunda desconfiança em relação à narrativa oficial reina em alguns bairros da capital, Porto Príncipe. O ex-legislador influente e político da oposição Steven Benoit, por exemplo, disse à CNN no sábado que se recusou a acreditar nas informações fornecidas pelo governo restante, atualmente liderado pelo primeiro-ministro em exercício Claude Joseph.

Benoit ganhou atenção local e internacional por sua insistência de que os detidos colombianos eram apenas bodes expiatórios. No entanto, de pé no saguão ensolarado de uma estação de rádio haitiana, ele também reconheceu à CNN que não tinha nenhuma evidência direta para apoiar a teoria. Ele foi chamado para comparecer perante o promotor estadual do Haiti nesta segunda-feira (12) em conexão com a investigação.

No mesmo dia, a irmã de um sargento aposentado colombiano – que foi apontado como suspeito e morreu em um confronto com as forças de segurança do Haiti – falou para oferecer novos detalhes sobre seu irmão, incluindo mensagens de texto do dia de Moise assassinato.

Ela também disse não acreditar que seu irmão pudesse estar envolvido no assassinato, citando uma conversa por telefone que eles tiveram no dia da morte do presidente.

Mas a assistência internacional na investigação em andamento do Haiti pode potencialmente encorajar uma confiança pública mais ampla em suas descobertas e imparcialidade.

Os EUA e a Colômbia comprometeram especialistas na busca cada vez maior do Haiti e, apesar de seu ceticismo, o ex-legislador Benoit disse no sábado (10) que esperava ouvir os resultados finais da investigação reforçada.

“A boa notícia é que o FBI está aqui, o equivalente ao FBI colombiano chegou ontem. Esses são profissionais. E espero que antes de segunda-feira de manhã – antes de ir ao gabinete do promotor – a verdade seja revelada”, disse Benoit.

Primeira-dama faz primeira declaração pública

Em uma declaração de áudio postada em sua conta verificada no Twitter no sábado, a primeira-dama haitiana Martine Moise – que também foi baleada no ataque na residência particular do casal e foi enviada a Miami para tratamento – apareceu para dar seu primeiro relato público do que aconteceu.

O Secretário de Estado das Comunicações do Haiti, Frantz Exantus, confirmou à CNN que o áudio é a voz de Martine Moise. De acordo com a Reuters, várias outras pessoas, incluindo o ministro da cultura e comunicações do Haiti, Pradel Henriquez, também confirmaram que se trata da voz de Martine Moise. A CNN não conseguiu confirmar de forma independente a autenticidade do áudio.

“Em um piscar de olhos, os mercenários correram para dentro de minha casa e mataram meu marido”, disse a primeira-dama, que na quarta-feira foi considerada estável, mas em estado crítico.

“Sabemos contra quem o presidente estava lutando”, disse ela, sem esclarecer mais. “Eles enviaram um grupo de mercenários para assassinar o presidente dentro de sua própria casa enquanto ele estava com sua família, porque ele estava lutando por melhores estradas, água, eletricidade, referendo e as próximas eleições no final do ano.”

Ela disse que seu marido foi assassinado “porque estava lutando por melhores estradas, água, eletricidade, referendo e as próximas eleições no final do ano”.

E alertou que há “outros mercenários” que “querem assassinar o sonho do presidente, querem assassinar a visão do presidente, querem assassinar a ideia do presidente para o país”.

Ela encorajou seus seguidores a não deixarem isso acontecer, dizendo: “Estou determinada a permanecer firme porque a luta que ele estava liderando não era sua própria batalha, mas era uma batalha pela nação; devemos continuar lutando.”

Ajudando na investigação do Haiti

Nos dias que se seguiram ao atentado, o Haiti fez diversos pedidos de assistência externa para a segurança do país e a investigação da morte de Moise.

Uma unidade especial da polícia colombiana chegou no sábado ao país para ajudar na investigação do assassinato, segundo o secretário de Comunicações do Haiti, Frantz Exantus. A Polícia Nacional da Colômbia também confirmou à CNN que o diretor da Agência Nacional de Inteligência do país e o diretor da Divisão de Inteligência da polícia estão no Haiti, junto com funcionários da Interpol designados para a polícia da Colômbia.

Os reforços seguiram declarações anteriores de autoridades colombianas de que pelo menos 13 membros aposentados do Exército colombiano que viajaram ao Haiti nos últimos meses estariam envolvidos no assassinato, bem como no ferimento de Martine Moise.

Agentes americanos seniores do FBI e do Departamento de Segurança Interna também serão enviados à nação inquieta “o mais rápido possível” para ajudar a determinar como e porque o presidente foi assassinado, de acordo com o secretário de imprensa da Casa Branca, Jen Psaki.

No entanto, os EUA disseram no sábado que, apesar de um pedido da administração do primeiro-ministro interino Joseph, não pretendem enviar tropas ao Haiti. “Não há planos para assistência militar neste momento”, disse um alto funcionário do governo à CNN.

Uma vez que nenhum outro ataque teve como alvo infraestruturas essenciais como portos e energia – áreas vulneráveis que o governo de Joseph citou em seu pedido de apoio de tropas estrangeiras – o governo haitiano está aceitando a declaração do Pentágono em seu ritmo, disse o ministro das Eleições Mathias Pierre à CNN.

“Se eu confiar na declaração do Pentágono, é uma decisão mais cautelosa”, disse Pierre. “Até agora as coisas estão normais aqui, sem caos, mas ainda estamos em uma situação volátil.”

Um cenário político que muda a cada dia

Enquanto isso, as manobras políticas no vácuo deixado pela morte de Moise podem estar tendo seu próprio efeito desorientador para os espectadores, à medida que desafios potenciais à liderança do primeiro-ministro Joseph emergem e se dissipam.

Joseph prometeu manter o poder até que as eleições presidenciais e legislativas sejam realizadas em setembro. “Esse é o nosso trabalho e é isso que pretendemos fazer”, disse Pierre, acrescentando que isso honraria a memória de Moise.

É certamente verdade que o Haiti precisa desesperadamente de legisladores eleitos, depois que Moise repetidamente não conseguiu realizar eleições em vários níveis governamentais. O Parlamento tornou-se disfuncional em janeiro de 2020, quando os mandatos de dois terços dos 30 membros da Câmara do Senado expiraram, deixando apenas 10 senadores no cargo.

Mas os críticos do governo dizem que o país não está em condições de ter um voto justo e livre, com a extrema violência das gangues impedindo muitos movimentos em Porto Príncipe.

O punhado de membros restantes do Senado na sexta-feira nomeou um deles, o senador Joseph Lambert, como presidente interino do Haiti – um desafio direto à atual liderança interina, embora de curta duração. Menos de 24 horas depois, ele pareceu recuar, dizendo no sábado que sua posse havia sido adiada sem dar uma nova data para o evento.

“Os senadores decidiram adiar o juramento para esta tarde. Todos querem estar presentes para participar ativamente da indicação”, disse ele em um tweet no sábado, antes de acrescentar: “Há uma necessidade urgente de reconstruir a esperança no país.”

Mais Recentes da CNN