Com Giorgia Meloni, Itália pode ter governo mais à direita em décadas

Ela venceu a eleição com uma campanha construída em torno da promessa de bloquear navios de imigrantes e apoiar os tradicionais “valores familiares” e temas anti-LGBTQIA+

Giorgia Meloni concorreu nas eleições da Itália pelo partido "Irmãos da Itália"
Giorgia Meloni concorreu nas eleições da Itália pelo partido "Irmãos da Itália" Alessandro Bremec/NurPhoto via Getty Images

Valentina Di DonatoBen WedemanAntonia Mortensenda CNN

Roma

Giorgia Meloni, a líder de extrema-direita que foi empossada no sábado (22) como a primeira mulher a se tornar premiê da Itália, venceu a eleição com uma campanha construída em torno da promessa de bloquear navios de imigrantes e apoiar os tradicionais “valores familiares” e temas anti-LGBTQIA+.

Meloni foi empossada pelo presidente italiano Sergio Mattarella em uma cerimônia no Palácio Quirinale, em Roma.

Ela lidera uma aliança de partidos de extrema-direita e centro-direita, entre eles o seu partido Irmãos da Itália, e deve formar o governo mais de direita que a Itália já viu em décadas.

A vitória de Meloni nas eleições parlamentares no mês passado sugere que o fascínio do nacionalismo permanece inalterado na Itália, mas sua promessa de levar o país a uma virada para a direita ainda deixa muitos incertos sobre o que acontecerá a seguir.

O novo governo é formado por uma coalizão com outros dois líderes de direita. Um deles é Matteo Salvini, ex-ministro do Interior que se tornou o queridinho da extrema-direita em 2018, quando transformou seu partido, a Liga, outrora um partido secessionista do norte, em uma força nacionalista.

Os 24 ministros de Meloni –sendo seis mulheres– foram empossados ao lado dela no sábado.

O outro é Silvio Berlusconi, o ex-primeiro-ministro italiano de centro-direita amplamente lembrado por seus escândalos sexuais com mulheres jovens. Ambos os homens já expressaram publicamente admiração pelo presidente russo, Vladimir Putin, o que levantou questões sobre qual será a abordagem da coalizão em relação à Rússia.

E apenas nesta semana, dias antes do início das consultas sobre a formação do governo, circulou um áudio gravado secretamente no qual Berlusconi parecia colocar a culpa pela invasão da Ucrânia por Putin em Kiev e se gabava de ter restabelecido as relações com o líder russo.

“Reconectei-me um pouco com o presidente Putin, bastante, no sentido de que no meu aniversário ele me deu 20 garrafas de vodca e uma carta muito doce, e eu respondi dando a ele garrafas de Lambrusco”, disse Berlusconi no áudio, divulgado pela agência de notícias italiana LaPresse na terça-feira (18). O bilionário e magnata da mídia de 86 anos estava conversando com membros do partido Forza Italia na época.

Matteo Salvini, Gergia Meloni e Silvio Berlusconi durante encontro em Roma / 20/10/2021 REUTERS/Guglielmo Mangiapane

Um porta-voz do partido negou que Berlusconi estivesse em contato com Putin, dizendo que ele estava contando aos parlamentares “uma velha história referente a um episódio de muitos anos atrás”. Berlusconi defendeu seus comentários em entrevista ao jornal italiano Corriere della Sera na quinta-feira (20), dizendo que estavam fora de contexto.

Em meio à reação aos comentários, Meloni, que tem sido uma forte defensora da Ucrânia enquanto o país luta contra a invasão de Moscou, procurou esclarecer onde ela e a coalizão estariam uma vez no poder.

“Tenho e sempre serei clara, pretendo liderar um governo com uma política externa clara e inequívoca. A Itália faz parte plenamente da Europa e da Aliança Atlântica. Quem não concorda com essa pedra fundamental não poderá fazer parte do governo, ao custo de não ser governo. Conosco governando, a Itália nunca será o elo fraco do Ocidente”, disse ela.

No entanto, os liberais na Itália e na União Europeia temem o que a prometida guinada à direita pode significar para o país e seu futuro –enquanto os eleitores conservadores sentem que apenas um político de braço forte, como Meloni, pode tirar o país da crise em meio ao aumento dos custos da energia e desemprego juvenil elevado.

“Meloni não está expressando as escolhas de voto dos eleitores de direita radical, porque temos dados que mostram que ela foi votada principalmente pela centro-direita”, disse o professor de ciência política, Lorenzo De Sio, da Universidade Luiss Guido Carli.

“Eu diria que o lema de Meloni é ser uma espécie de novo conservador –ou seja, conservadorismo para o século 21. Ela pode ter alguma conexão antiga com o legado pós-fascista, mas claramente esse não é o núcleo de sua plataforma política agora”.

Visões diferentes

Meloni cresceu no bairro romano da classe trabalhadora de Garbatella, uma parte historicamente de esquerda do sul de Roma que foi construída durante a ditadura fascista de Benito Mussolini. Ela começou sua carreira política no movimento Frente Juvenil, uma organização política com raízes fascistas.

Ela passou a criar seu próprio partido político, Irmãos da Itália, que em apenas quatro anos passou de 4% dos votos para ganhar 26% nas eleições do mês passado. Embora isso não represente a maioria dos italianos, graças à sua parceria com a Forza Italia, de Berlusconi, e a Liga, de Salvini, a coalizão tem assentos suficientes no parlamento para governar o país.

Gloria, uma moradora de Garbatella, disse que está preocupada com a liberdade futura de seus filhos após a vitória de Giorgia Meloni / Valentina Di Donato / CNN

De volta ao bairro Garbatella, entre as bancas de frutas e verduras que Meloni frequentava com a mãe, alguns moradores lembram dela quando criança, muito antes de abraçar a política. As opiniões sobre como ela será como líder variam muito.

“Eu a conheço muito bem. Eu a conhecia desde pequena”, disse Aldo, vendedor de frutas e legumes de Garbatella, que administra sua banca há décadas. “A mãe dela vinha fazer compras aqui. Ela sempre tinha um livro na mão para estudar. Se ela seguir em frente como fazia quando era pequena, ela será forte”.

Ele acrescentou: “Você tem que ter um punho forte. Ponto. Você entende? É assim que você segue em frente. Caso contrário, a Itália vai embora!”.

Do outro lado do mercado, Gloria, que nasceu e cresceu em Garbatella e ajuda seu filho em sua barraca de comida romana, tem opiniões muito diferentes. “O que ela disse até agora me aterroriza”, disse ela à CNN.

“Há muitas pessoas que se conectam com esses ideais conservadores porque são racistas, porque não são progressistas. Tenho três filhos e me pergunto, minha filha terá a liberdade de fazer um aborto se quiser, de ser lésbica?”.

Meloni tem procurado nos últimos tempos distanciar seu partido de suas raízes neofascistas. Suas propostas políticas também evoluíram ao longo do tempo, incluindo a retirada de algumas de suas ideias mais anti-União Europeia.

Em 2014, ela disse: “A Itália tem que sair do Euro!” e pediu ao Congresso que revogue as sanções à Rússia. Agora, de acordo com seu plano proposto para o governo e os últimos comentários, ela quer que a Itália seja uma “protagonista na Europa”.

Emiliano, um morador que estava fazendo compras no mercado de Garbatella, disse que não se preocupou em votar nas últimas eleições. “Nem a esquerda nem a direita merecem um voto. Antes, os políticos comiam, mas nós também comíamos. Agora só eles comem”, disse.

Temores sobre o aumento dos custos

Com o aumento vertiginoso do custo da energia, o risco para as empresas e residências italianas é alto. O setor agrícola, que representa 1,96% do PIB da Itália, enfrenta escassez de tudo, de fertilizantes a diesel, eletricidade e vidro, fazendo com que os preços subam rapidamente com um impacto devastador nos orçamentos agrícolas, segundo a Coldiretti, a maior associação de assistência agrícola na Itália.

De acordo com um relatório recente da Coldiretti, o aumento dos custos de produção forçou muitas pequenas empresas agrícolas a fecharem a temporada porque não conseguem lidar com isso.

Sabina Petrucci, gerente da empresa de azeite de sua família Petrucci Oil, disse que muitos em sua indústria estão alarmados com o aumento dos custos de energia e produção / Valentina Di Donato / CNN

Sabina Petrucci administra a empresa de azeite de sua família, Olio Petrucci, e também é membro do conselho europeu de Coldiretti para jovens trabalhadores agrícolas. Ela se sente esperançosa e acredita que a única maneira de resolver os problemas atuais é por meio de uma forte liderança política.

“Precisamos de um governo muito concreto que nos ajude com os custos de energia e também para conseguir a ajuda financeira que podemos precisar no futuro”, disse Petrucci. “Muitos produtores da região estão parando sua produção, eles realmente estão com medo do aumento dos custos”.

Ela descreve o aumento dos custos de energia como “a maior ameaça para nós”, acrescentando: “Abrimos nossa fábrica, mas os custos de produção aumentaram durante o verão”.

A Itália tem a terceira população mais velha do mundo, mas Meloni e seu partido têm trabalhado para se conectar com os jovens italianos, a próxima geração de eleitores. Ela mesma se envolveu na política aos 15 anos, depois de se registrar na Frente da Juventude, ala juvenil do Movimento Social Italiano (MSI), partido fundado por Giorgio Almirante, que foi ministro do governo do ditador fascista Benito Mussolini.

Francesco Todde é um líder do Movimento Nacional da Juventude, um movimento político criado pelo partido Irmãos da Itália, de Meloni, em 2014 para se conectar com uma geração mais jovem de italianos politicamente interessados que ficaram frustrados com o status quo político.

Francesco Todde, Elisa Segnini Bocchia e Simone D’Alpa são membros do movimento juvenil dos Irmãos da Itália / Valentina Di Donato / CNN

“Giorgia Meloni vem de uma trajetória política juvenil, então sempre deu muita atenção à juventude e fez reformas para a juventude. No início de sua carreira política, ela era ministra da juventude”, disse ele.

Elisa Segnini Bocchia, outra integrante comprometida do movimento da Juventude Nacional, responde por que alguns são rápidos em associar esse movimento ao fascismo, dizendo: “Nosso passado não é nosso futuro. Então, não olhamos para o passado. Buscamos o novo futuro”.

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original