Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Combatentes do Hamas tentam bloquear avanço de tropas israelenses na cidade de Gaza

    Guerra se aproxima do principal centro populacional da Faixa de Gaza, onde o grupo radical islâmico está baseado

    Palestinos fazem busca por vítimas após ataque israelense no campo de refugiados de Jabalia, no norte da Faixa de Gaza
    Palestinos fazem busca por vítimas após ataque israelense no campo de refugiados de Jabalia, no norte da Faixa de Gaza 02/11/2023 REUTERS/Anas Al-Shareef

    Da Reuters

    Os tanques e as tropas israelenses avançaram em direção à Cidade de Gaza nesta quinta-feira, mas enfrentavam uma resistência feroz dos militantes do Hamas, que usaram morteiros e ataques vindo por túneis, enquanto o número de mortos palestinos em quase quatro semanas de bombardeios aumentava.

    A guerra está se aproximando do principal centro populacional da Faixa de Gaza, no norte, onde o grupo radical islâmico está baseado. Israel tem dito às pessoas para deixarem a área, pois promete aniquilar o Hamas de uma vez por todas.

    “Estamos às portas da Cidade de Gaza”, disse o comandante militar israelense, general de brigada Itzik Cohen.

    Os combatentes do Hamas e de seu aliado, a Jihad Islâmica, estavam saindo dos túneis para disparar contra os tanques e, em seguida, desapareciam de volta para a rede subterrânea, disseram os moradores e vídeos de ambos os grupos mostraram, em operações no estilo de guerrilha contra um Exército muito mais poderoso.

    “Eles não paravam de bombardear a Cidade de Gaza a noite toda, a casa não parava de tremer”, disse um homem que mora no local, pedindo para não ser identificado pelo nome. “Mas, pela manhã, descobrimos que as forças israelenses ainda estão fora da cidade, nos arredores, o que significa que a resistência é maior do que eles esperavam.”

    Os oficiais israelenses enfatizaram as dificuldades de lutar em um ambiente urbano. Por enquanto, sua estratégia parece ser concentrar grandes forças no norte da Faixa de Gaza, em vez de lançar um ataque terrestre em todo o território.

    A última guerra do conflito, que já dura décadas, começou quando combatentes do Hamas atravessaram a fronteira em 7 de outubro. Israel diz que eles mataram 1.400 pessoas, a maioria civis, e fizeram mais de 200 reféns no dia mais mortal de seus 75 anos de história.

    O bombardeio subsequente de Israel no pequeno enclave palestino de 2,3 milhões de habitantes matou pelo menos 8.796 pessoas, incluindo 3.648 crianças, de acordo com as autoridades de saúde de Gaza.

    Embora as nações ocidentais e os Estados Unidos, em particular, tenham tradicionalmente apoiado Israel, as imagens angustiantes de corpos nos escombros e as condições infernais dentro de Gaza provocaram apelos de contenção e protestos de rua em todo o mundo.

    O primeiro-ministro de direita de Israel, Benjamin Netanyahu, sabe, no entanto, que sua carreira e seu legado dependem de esmagar o Hamas.

    “O Hamas se preparou bem”

    Moradores relataram disparos de morteiros ao redor da Cidade de Gaza e disseram que os tanques e escavadeiras israelenses estavam, às vezes, passando por cima de escombros e derrubando estruturas, em vez de usar estradas normais.

    O sul de Gaza também não foi poupado, com três palestinos mortos por bombardeios de tanques perto da cidade de Khan Younis e um ataque aéreo que matou cinco pessoas do lado de fora de uma escola da Organização das Nações Unidas (ONU) no campo de refugiados de Beach, segundo autoridades de saúde de Gaza.

    O general de brigada Iddo Mizrahi, chefe dos engenheiros militares de Israel, disse à Rádio do Exército que as tropas estavam em um primeiro estágio de abertura de rotas de acesso em Gaza.

    “Certamente, esse é um terreno que está mais fortemente semeado com campos minados e armadilhas do que no passado”, disse ele. “O Hamas aprendeu e se preparou bem.”

    Após um bloqueio total de Gaza por mais de três semanas, os portadores de passaportes estrangeiros e algumas pessoas gravemente feridas estavam sendo autorizados a sair pelo extremo sul.

    O oficial palestino da fronteira, Wael Abu Mehsen, disse que 400 cidadãos estrangeiros partiriam para o Egito pela passagem de Rafah nesta quinta-feira, depois de cerca de 320 na quarta-feira. Outros 60 palestinos gravemente feridos também estariam atravessando, acrescentou Mehsen.

    Os últimos ataques de Israel incluíram a área densamente povoada de Jabalia, que foi criada como um campo de refugiados em 1948.

    O escritório de mídia do Hamas, em Gaza, disse que pelo menos 195 palestinos foram mortos nos dois ataques de terça e quarta-feira, com 120 desaparecidos e pelo menos 777 pessoas feridas.

    “É um massacre”, disse uma pessoa no local, enquanto as pessoas procuravam desesperadamente por vítimas soterradas.

    Israel, que acusa o Hamas de se esconder atrás de civis, disse que matou dois líderes militares do Hamas em Jabalia.

    “Estamos lutando em todas as frentes e atingindo o Hamas onde quer que ele se encontre”, disse o ministro do gabinete de guerra israelense, Benny Gantz, alertando para uma luta longa e complexa. “Nós os perseguiremos noite e dia, em suas cidades e em suas camas.”

    Com as nações árabes cada vez mais expressivas em sua indignação com as ações de Israel, o Alto Comissariado da ONU para Direitos Humanos também expressou preocupação de que os “ataques desproporcionais” de Israel possam constituir crimes de guerra.

    Israel afirma ter perdido 17 soldados e matado dezenas de militantes desde que as operações terrestres foram ampliadas na sexta-feira.

    A violência também se espalhou pela Cisjordânia ocupada, com incursões militares israelenses para prender supostos militantes, provocando confrontos com homens armados e pessoas atirando pedras.

    Médicos palestinos e o Ministério da Saúde disseram que três adolescentes e um jovem de 25 anos foram mortos em confrontos na quinta-feira. O Exército de Israel não fez comentários imediatos.

    Separadamente, os militares e médicos disseram que homens armados palestinos mataram um motorista israelense na Cisjordânia. Não houve nenhuma reivindicação das facções palestinas.

    Hospitais “além do catastrófico”

    Enquanto os apelos internacionais por uma “pausa humanitária” nas hostilidades não são atendidos, os palestinos sofrem com a escassez de alimentos, combustível, água potável e medicamentos. O esgoto está vazando, alguns estão bebendo água salgada e a pequena quantidade de ajuda permitida por Israel é uma proporção ínfima do que é necessário.

    “Abrimos os olhos para pessoas mortas e fechamos os olhos para pessoas mortas”, disse o Dr. Fathi Abu al-Hassan, portador de um passaporte norte-americano que esperava para entrar no Egito na quarta-feira.

    Os hospitais, incluindo o único hospital de câncer de Gaza, estão com dificuldades devido à escassez de combustível. Israel tem se recusado a permitir que comboios humanitários tragam combustível, alegando preocupação de que os combatentes do Hamas o desviem para uso militar.

    “A situação é mais do que catastrófica nos hospitais de Gaza”, disse a organização beneficente Medical Aid for Palestinians, descrevendo corredores lotados, combustível escasso, refugiados no pátio e muitos médicos que perderam suas casas e entes queridos.

    Ashraf Al-Qudra, porta-voz do Ministério da Saúde de Gaza, disse que o principal gerador de energia do Hospital Indonésio não estava mais funcionando.

    O hospital estava mudando para um gerador de reserva, mas não conseguiria mais alimentar os refrigeradores do necrotério e os geradores de oxigênio.

    “Se não conseguirmos combustível nos próximos dias, inevitavelmente chegaremos a um desastre”, disse ele.

    Veja também – Hamas ainda está com 242 reféns, dizem Forças Armadas de Israel