Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Comitê que investiga a invasão do Capitólio divulga relatório final; veja o que foi descoberto

    Investigação obteve argumentos que sustentam os encaminhamentos criminais de Trump e a predição do acontecimento

    Zachary CohenAnnie GrayerJeremy Herbda CNN

    O comitê da Câmara que investiga a invasão de 6 de janeiro de 2021 do Capitólio dos EUA divulgou o relatório final, uma visão abrangente das conclusões do painel bipartidário sobre como o ex-presidente Donald Trump e seus aliados tentaram derrubar a eleição presidencial de 2020.

    O relatório completo – baseado em mais de 1.000 entrevistas, documentos coletados, incluindo e-mails, textos, registros telefônicos e um ano e meio de investigação – inclui alegações de que Trump “supervisionou” o esforço legalmente duvidoso de apresentar chapas eleitorais falsas em sete estados que ele perdeu.

    Argumentando que as evidências mostram que ele trabalhou ativamente para “transmitir cédulas falsas do Colégio Eleitoral ao Congresso e aos Arquivos Nacionais”, apesar das preocupações de seus advogados de que isso poderia ser ilegal.

    Em um movimento simbólico na segunda-feira (19), o comitê em sua última reunião pública encaminhou Trump ao Departamento de Justiça em pelo menos quatro acusações criminais, enquanto dizia em seu resumo executivo que tinha evidências de possíveis acusações de conspiração para ferir ou impedir um oficial e conspiração sediciosa.

    “Nas audiências do Comitê, apresentamos evidências do que acabou se tornando um plano de várias partes para derrubar a eleição presidencial de 2020”, afirma o relatório.

    “Essa evidência levou a uma conclusão absoluta e direta: a causa central de 6 de janeiro foi um homem, o ex-presidente Donald Trump, a quem muitos outros seguiram. Nenhum dos eventos de 6 de janeiro teria acontecido sem ele”.

    O presidente do comitê, Bennie Thompson, um democrata do Mississippi, disse na segunda-feira (19) que tem “toda a confiança de que o trabalho deste comitê ajudará a fornecer um roteiro para a justiça e que as agências e instituições responsáveis ​​por garantir a justiça sob a lei usarão as informações fornecemos para ajudar em seu trabalho”.

    O conselheiro especial Jack Smith está liderando as investigações do Departamento de Justiça relacionadas a Trump, incluindo suas ações pós-eleitorais e documentos classificados encontrados em seu resort em Mar-a-Lago no início deste ano.

    Os repórteres da CNN estão lendo o documento. Aqui está o que está no relatório:

    Comitê identifica advogado Kenneth Chesebro como arquiteto de conspiração de falsos eleitores

    O comitê de 6 de janeiro identifica um advogado pró-Trump pouco conhecido como o arquiteto original do plano eleitoral falso legalmente duvidoso: Kenneth Chesebro.

    O advogado conservador John Eastman escreveu um memorando infame detalhando passo a passo como o então vice-presidente Mike Pence poderia teoricamente anular os resultados das eleições de 2020.

    Mas o comitê aponta para Chesebro, um conhecido associado de Eastman, como o responsável por criar a trama do falso eleitor. “O plano eleitoral falso surgiu de uma série de memorandos legais escritos por um consultor jurídico externo da campanha Trump: Kenneth Chesebro”, diz o relatório.

    Já se sabia que Chesebro estava envolvido no esquema de falsos eleitores, mas a conclusão do comitê sobre seu papel de liderança é nova.

    O esforço para apresentar listas falsas de eleitores pró-Trump está sob escrutínio de promotores federais e estaduais que investigam os esforços de Trump e seus aliados para derrubar a vitória eleitoral de Joe Biden em 2020.

    O comitê escreveu que Chesebro enviou um memorando ao então advogado de Trump, Rudy Giuliani, após um pedido do oficial da campanha do ex-presidente sobre uma “estratégia de ‘presidente do Senado’”, que afirmava erroneamente que o vice-presidente poderia escolher quais eleitores presidenciais contar durante a sessão conjunta do Congresso em 6 de janeiro.

    “Memorandos de Chesebro em 18 de novembro, 9 de dezembro e 13 de dezembro lançaram as bases do plano”.

    A CNN já havia pedido a Chesebro para comentar sobre esses tópicos e ele não respondeu.

    Trump ligou para Eastman no dia em que escreveu o memorando

    Eastman procurou falar com Trump em 23 de dezembro de 2020, mesmo dia em que redigiu seu memorando inicial sobre a teoria de Pence.

    Eastman enviou um e-mail à assistente de Trump, Molly Michael, às 13h32 [horário local], de acordo com o comitê.

    “O presidente está disponível para uma ligação muito rápida hoje em algum momento? Só quero atualizá-lo sobre nosso pensamento estratégico geral”.

    O comitê escreveu que Eastman recebeu uma ligação da central telefônica da Casa Branca e a ligação durou 23 minutos, de acordo com os registros telefônicos de Eastman.

    O memorando de duas páginas de Eastman discutiu várias maneiras de garantir que “o presidente Trump seja reeleito”, embora, até então, ele tivesse sido projetado para perder a eleição, de acordo com o comitê.

    Esses novos detalhes mostram como o comitê usou e-mails e registros telefônicos obtidos depois de lutar com sucesso no tribunal para obter os documentos.

    O comitê obteve os e-mails de Eastman depois que um juiz ficou do lado da Câmara em um processo no qual o comitê acusou Eastman e Trump de uma conspiração criminosa para obstruir o Congresso e fraudar o governo.

    Trump se agarrou às teorias de Eastman de que afirmava incorretamente que Pence poderia derrubar a eleição e lançou uma campanha de pressão contra Pence nos dias que antecederam 6 de janeiro.

    Eastman esteve presente em 4 de janeiro de 2021, reunião entre Trump e Pence no Salão Oval, onde Trump tentou convencer Pence de que poderia intervir quando o Congresso certificou a votação do Colégio Eleitoral em 6 de janeiro.

    Comitê encaminha Trump ao Departamento de Justiça

    O comitê da Câmara apresenta uma série de estatutos criminais que acredita terem sido violados nas conspirações para evitar a derrota de Trump e diz que há evidências de encaminhamentos criminais ao Departamento de Justiça para Trump, Eastman e “outros”.

    O resumo do relatório divulgado pela primeira vez na segunda-feira (19) diz que há evidências para perseguir Trump em vários crimes, incluindo obstrução de um processo oficial, conspiração para fraudar os Estados Unidos, conspiração para fazer declarações falsas, ajudar ou ajudar uma insurreição, conspirar para ferir ou impedir um oficial e conspiração sediciosa.

    O painel diz que também tem as evidências para indiciar Eastman pela acusação de obstrução e o nomeia como co-conspirador em outras supostas atividades criminosas que os legisladores reuniram evidências.

    A comissão aludiu a evidências de obstrução criminal da investigação da Câmara, mas o resumo não entra em detalhes sobre essas evidências.

    A falsa declaração de vitória de Trump foi “premeditada”

    O comitê descreve 17 descobertas de sua investigação que sustentam seu raciocínio para encaminhamentos criminais, incluindo que Trump sabia que as alegações de fraude que ele estava pressionando eram falsas e continuou a ampliá-las de qualquer maneira.

    “A decisão do presidente Trump de declarar falsamente a vitória na noite da eleição e, ilegalmente, pedir a interrupção da contagem dos votos, não foi uma decisão espontânea. Foi premeditado”, afirma o relatório.

    O comitê também revelou e-mails de Tom Fitton, presidente do grupo conservador Judicial Watch, antes da eleição presidencial de 2020 que diziam que Trump deveria declarar vitória independentemente do resultado.

    Ele observa que os principais aliados de Trump, incluindo aqueles que testemunharam perante o comitê, reconheceram que não encontraram nenhuma prova para apoiar as alegações do ex-presidente.

    “Em última análise, até mesmo Rudolph Giuliani e sua equipe jurídica reconheceram que não tinham nenhuma evidência definitiva de fraude eleitoral suficiente para mudar o resultado da eleição”, acrescenta, referindo-se ao então advogado pessoal de Trump.

    “Por exemplo, embora Giuliani tenha alegado repetidamente em público que as máquinas de votação Dominion roubaram a eleição, ele admitiu durante seu depoimento no Comitê Seleto que ‘não acho que as máquinas de votação roubaram a eleição’”, afirma.

    Trump se recusou a agir quando o tumulto se desenrolou

    O comitê expõe o fracasso de Trump em agir enquanto o motim se desenrolava, observando que, enquanto assistia a situação na televisão, ele não fez nenhum pedido de assistência de segurança e resistiu aos esforços de funcionários que pediam que ele cancelasse seus apoiadores.

    “O presidente Trump não contatou um único oficial de segurança nacional durante o dia. Não no Pentágono, nem no Departamento de Segurança Interna, no Departamento de Justiça, no F.B.I., no Departamento de Polícia do Capitólio ou no gabinete do prefeito de DC”, escreve o comitê.

    “Como o vice-presidente Pence confirmou, o presidente Trump nem tentou entrar em contato com seu próprio vice-presidente para garantir que Pence estivesse seguro”.

    Milley, presidente do Estado-Maior Conjunto, disse ao comitê que teve essa reação a Trump: “Sabe, você é o comandante-em-chefe. Você tem um ataque acontecendo no Capitólio dos Estados Unidos. E não tem nada? Sem chamadas? Nenhuma coisa? Zero?”.

    Enquanto isso, funcionários da Casa Branca descreveram estar chocados com o fato de que, enquanto o Capitólio estava sob ataque, Trump disparou um tweet criticando Pence.

    Hicks mandou uma mensagem para um colega naquela noite para dizer: “Atacar o vice-presidente? O que há de errado com ele”, de acordo com o relatório resumido do comitê.

    “Não existem fotos do presidente no restante da tarde até depois das 16h. O presidente Trump parece ter instruído que o fotógrafo da Casa Branca não deveria tirar nenhuma fotografia”, escreve o comitê, citando o testemunho da ex-fotógrafa da Casa Branca Shealah Craighead.

    Na sequência, na noite de 6 de janeiro, o ex-gerente de campanha de Trump, Brad Parscale, disse a Katrina Pierson, uma das organizadoras do comício, que se sentia culpado por ajudar Trump a vencer, afirma o relatório.

    Os eventos do dia, disse Parscale, resultaram de “um presidente em exercício pedindo uma guerra civil”.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original