Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Como a família real vai dizer adeus à rainha; veja detalhes da cerimônia

    Morte da rainha Elizabeth II deu início a um período de luto que culminará em grande funeral de estado em 19 de setembro

    Cortejo fúnebre da rainha Elizabeth II chega a Edimburgo, na Escócia
    Cortejo fúnebre da rainha Elizabeth II chega a Edimburgo, na Escócia Reprodução/CNN Brasil (11.set.2022)

    Lauren Said MoorhouseMax Fosterda CNN

    A morte da rainha Elizabeth II deu início a um período de luto que culminará em grande funeral de estado em 19 de setembro, em homenagem à sua vida de devoção e serviço inabalável.

    Com o codinome “Operação London Bridge”, os arranjos para a monarca mais longeva da Grã-Bretanha têm sido cuidadosamente estudados há anos pelas muitas agências envolvidas, com a própria rainha assinando todos os detalhes antes de sua morte. No entanto, os detalhes foram mantidos em sigilo até que o soberano em exercício, o rei Charles III, deu seu selo final de aprovação.

    A rainha será sepultada na Capela de São Jorge, nos terrenos do Castelo de Windsor, ao lado de sua “força e permanência” de 73 anos, o príncipe Philip. Aqui, montamos um guia do dia a dia sobre o que vai acontecer a partir de agora até o funeral de estado.

    Domingo, 11 de setembro

    Após a morte da rainha, seu caixão de carvalho – coberto com o Estandarte Real da Escócia e uma coroa de flores – ficou no salão de baile de Balmoral, onde os funcionários da propriedade tiveram a chance de prestar suas últimas homenagens. No domingo de manhã (11), seis de seus guardas-caça carregaram o caixão para um carro funerário.

    Às 10 da manhã (6h no horário de Brasília), o caixão da monarca embarcou em sua jornada para a capital do país. No entanto, ele não foi para lá diretamente. Primeiro, fez uma viagem de seis horas para Edimburgo e o Palácio de Holyroodhouse, a residência oficial do monarca britânica na Escócia. A viagem por estrada demora normalmente cerca de três horas, no entanto, foi conduzida lentamente para permitir que as pessoas presenciem o carro funerário ao longo do percurso e inclinem a cabeça à medida que passa.

    Uma guarda de honra composto pelo Regimento Real da Escócia saudou o carro funerário que chegou em Edimburgo com uma saudação real antes de ser transferido para a Sala do Trono por um grupo militar.

    Enquanto isso, em Londres, o rei se reuniu com o secretário-geral da Commonwealth (Comunidade de nações) antes de receber os altos comissários dos reinos dos quais ele agora é chefe de estado na Salão Principal do Palácio de Buckingham.

    Segunda, 12 de setembro

    Na segunda-feira (12) de manhã, o rei começará o dia com uma visita ao Westminster Hall, onde ambas as Casas do Parlamento expressarão suas condolências. Ele e sua esposa Camilla voam para Edimburgo, chegando às 12h45. (8h45 do horário de Brasília), onde eles irão direto para o Palácio de Holyroodhouse.

    Às 14h35 (10h35 do horário de Brasília), o caixão da rainha seguirá para a Catedral de St Giles para um serviço de oração e reflexão com a presença do rei e da rainha consorte e membros da família real, bem como uma congregação composta “de todas as áreas da sociedade Escócia”, de acordo com um alto funcionário do palácio. Depois, o caixão descansará lá por 24 horas para permitir que o público escocês o veja, em uma tradição conhecida como velório no estado.

    Após o serviço, o rei retornará a Holyrood, onde terá uma audiência com a primeira-ministra escocesa Nicola Sturgeon, seguida de uma reunião com o presidente do Parlamento escocês. Charles, acompanhado pela rainha consorte, irá mais tarde ao Parlamento escocês para receber uma moção de condolências.

    Naquela noite, às 19h20. (13h20 no horário de Brasília), o rei e os membros da família real montarão sua própria guarda – ou vigília – do caixão da rainha.

    Terça-feira, 13 de setembro

    Na terça-feira (13), o rei e Camilla farão uma viagem a Belfast, na Irlanda do Norte. O casal visitará o Castelo de Hillsborough e verá uma exposição sobre a longa associação da rainha com a Irlanda do Norte. O rei se encontrará com o secretário de Estado da Irlanda do Norte, além de outros líderes do partido, e receberá uma mensagem de condolências liderada pelo presidente da Assembleia da Irlanda do Norte.

    De volta à Escócia, a única filha da rainha, a princesa Anne, se preparará para acompanhar o corpo de sua mãe no voo de volta para Londres. Às 17h (13h no horário de Brasília) o caixão viajará 13,2 quilômetros de carro funerário até o Aeroporto de Edimburgo, de onde partirá para a RAF Northolt (base aérea militar).

    Um carro funerário do estado levará os restos mortais da monarca ao Palácio de Buckingham, onde o rei, a rainha consorte, bem como outros membros do clã Windsor, estarão esperando a chegada do caixão por volta das 20h. (16h no horário de Brasília).

    O Reitor das Capelas Reais conduzirá orações e uma festa de portadores encontrada pela Companhia da Rainha, 1º Batalhão de Guardas de Granadeiros colocará o caixão em cavaletes no centro da Sala da Proa para descansar durante a noite.

    Corpo da Rainha Elizabeth deixa Castelo de Balmoral rumo à capital da Escócia
    Corpo da Rainha Elizabeth deixa Castelo de Balmoral rumo à capital da Escócia / Owen Humphreys/PA Images via Getty Images

    Quarta-feira, 14 de setembro

    Na quarta-feira (14), uma extraordinária procissão silenciosa levará o caixão em uma carruagem de armas do Palácio de Buckingham até o Westminster Hall, a parte mais antiga do Palácio de Westminster, em Londres, onde o caixão da rainha permanecerá até a manhã do funeral.

    Para esta jornada, o caixão será adornado com a Coroa Imperial do Estado e uma coroa de flores. O percurso da procissão terá início às 14h22. (10h22 do horário de Brasília) ao longo do The Mall, através do Horse Guards Parade, passando pela Downing Street em direção a Westminster.

    No que provavelmente será um momento intenso, os membros da família real caminharão atrás de sua amada matriarca. Eles serão seguidos por funcionários seniores das famílias reais, bem como funcionários pessoais próximos e membros da Divisão de Famílias. Enquanto as multidões assistem à procissão – que levará cerca de 40 minutos – o Big Ben irá soar haverá disparos pela Tropa Real de Artilharia do Rei no Hyde Park com eco por toda a capital.

    O caixão da rainha será colocado em uma plataforma elevada – ou catafalco – no meio do salão e guardado 24 horas por oficiais da Divisão de Casas, Guarda-costas do Rei ou a Companhia Real de Arqueiros.

    Após sua chegada ao Westminster Hall, um breve serviço será conduzido pelo Arcebispo de Canterbury Justin Welby, após o qual o salão será aberto ao público para prestar suas homenagens.

    Quinta-feira, 15 de setembro

    Membros do público poderão passar pelo caixão da rainha durante seu primeiro dia inteiro em Westminster Hall na quinta-feira (15).

    Placas de latão no salão do século 11 marcam o local onde Edward VII teve seu velório em 1910, George V em 1936, George VI em 1952 e a rainha Mary um ano depois. O salão, que tem 900 anos, também é onde o primeiro-ministro britânico Winston Churchill teve seu velório de estado em 1965.

    Sexta-feira, 16 de setembro

    Na sexta-feira (16), o velório continuará por um segundo dia inteiro. Espera-se que um grande número de pessoas faça fila no centro de Londres para ter a chance de visitar o caixão e fazer parte deste momento histórico. Detalhes de como o público pode participar devem ser divulgados pelo governo nos próximos dias.

    Separadamente, o rei Charles e Camilla visitarão o País de Gales na sexta-feira, encerrando sua turnê pelas quatro nações que compõem o Reino Unido.

    Princesa de Gales, Príncipe William, Príncipe de Gales, Príncipe Harry, Duque de Sussex e Meghan, Duquesa de Sussex no Castelo de Windsor chegam para ver flores e homenagens à rainha Elizabeth / Chris Jackson/Getty Images

    Sábado, 17 de setembro

    O acesso do público ao velório continua no fim de semana.

    Domingo, 18 de setembro

    Domingo marca o último dia completo em que o corpo da rainha ficará em velório no Westminster Hall.

    Segunda-feira, 19 de setembro

    Na manhã de segunda-feira, 19 de setembro – declarado feriado em todo o Reino Unido – velório de estado da rainha terminará. O caixão viajará em procissão mais uma vez para a Abadia de Westminster para o funeral de estado, cujos detalhes provavelmente virão nos dias seguintes.

    A Abadia de Westminster, fundada em 960 d.C. por monges beneditinos, é um dos marcos mais conhecidos de Londres. A igreja histórica tem sido o cenário para todas as coroações desde 1066, e foi onde a então princesa Elizabeth se casou com o príncipe Philip em 1947. Mas não houve um funeral de um monarca lá desde o de George II em 1760.

    Espera-se que chefes de Estado e dignitários de todo o mundo sejam convidados para a capital britânica para se juntarem aos membros da família real para celebrar a vida da rainha e o serviço inabalável à nação e à Commonwealth. Embora uma lista de convidados ainda não tenha sido anunciada, o presidente dos EUA, Joe Biden, planeja comparecer ao funeral, bem como o presidente do Brasil, Jair Bolsonaro.

    Outros rostos conhecidos na cerimônia televisionada serão alguns dos 15 primeiros-ministros que serviram durante o reinado da rainha.

    Em sua conclusão, o caixão viajará em procissão para Wellington Arch, antes de fazer sua viagem final de Londres para Windsor.

    Seu destino é a agora familiar Capela de São Jorge, dentro dos terrenos do Castelo de Windsor. É onde foi realizado o serviço memorial do príncipe Philip, bem como ocasiões mais jubilosas, como as núpcias dos netos da rainha.

    Após o serviço para o Duque de Edimburgo em 2021, seu caixão foi baixado no Royal Vault, situado abaixo da capela, onde muitos membros da família real foram enterrados. No entanto, espera-se que ele seja realocado para se deitar junto com a rainha na Capela Memorial do Rei George VI, localizada em outro lugar dentro da Capela de São Jorge.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original