Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Como a inteligência dos EUA acertou sobre invasão da Ucrânia

    Embora Rússia negasse que ultrapassaria as fronteiras ucranianas, os Estados Unidos garantiram que a invasão do país era iminente

    Análise por Zachary B. Wolfda CNN

    Ouvir notícia

    O presidente Joe Biden e as autoridades de inteligência dos Estados Unidos acertaram: eles disseram que a Rússia invadiria a Ucrânia, apesar das garantias da Rússia de que não faria isso. Após um erro de cálculo enorme sobre como seria a retirada das tropas do Afeganistão, informações equivocadas no período que antecedeu a guerra no Iraque e muitos outros erros, agora é um momento importante para a comunidade de inteligência dos EUA.

    Perguntei a Tim Weiner, o autor da envolvente e exaustivo livro sobre a história da CIA, de 2007, “Legacy of Ashes” (Legado das Cinzas, em tradução livre), por sua opinião sobre o que mudou.

    Nossa conversa por e-mail, levemente editada, está abaixo.

    Como a comunidade de inteligência dos EUA acertou dessa vez?

    REPÓRTER: Um elemento notável da preparação para a invasão da Ucrânia pela Rússia é que a inteligência dos EUA parece ter acertado. Os EUA alertaram que a Rússia invadiria, apesar das negações da Rússia. E então a Rússia invadiu. Como a inteligência dos EUA acertou desta vez?

    WEINER: O diretor da CIA e diplomata de carreira, Bill Burns, e seu chefe, o diretor de inteligência nacional, Avril Haines, também ex-vice-diretor da CIA, assumiram o cargo há um ano. A comunidade de inteligência americana, incluindo a Agência de Segurança Nacional, que intercepta comunicações, estava hiperfocada no contraterrorismo há 20 anos. Burns e Haines voltaram a se concentrar na Rússia e na China, focando em coletar e analisar informações sobre os regimes autoritários do presidente russo Vladimir Putin e do presidente chinês Xi Jinping. Pela primeira vez em muito tempo, as agências de inteligência americanas estavam pensando estrategicamente, olhando mais à frente, ao invés de de relatar o que já aconteceu cinco minutos atrás.

    O resultado foi uma imagem clara e previdente das intenções de Putin em relação à Ucrânia.

    Como a arte de espionagem mudou em 2 anos?

    REPÓRTER: Você escreveu um livro sobre a história da CIA que documenta inúmeras falhas de inteligência, encobrimentos repetidos e operações malfeitas que custaram a vida de milhares de pessoas que trabalhavam para ou incentivadas pela inteligência dos EUA durante a Guerra Fria. Como a coleta de inteligência americana mudou em relação à Rússia desde o início dos anos 1990?

    WEINER: A questão é como isso mudou desde que Donald Trump deixou o cargo. Em geral, a inteligência americana faz o que a Casa Branca manda. A grande consideração de Trump por Putin – que não mudou – e sua curiosa afinidade com os pontos de vista do Kremlin significavam que o que quer que a CIA estivesse dizendo a ele sobre a Rússia tinha pouca influência na política externa americana. Isso mudou, obviamente. Quando o presidente Joe Biden chama Putin de déspota, ele se baseia em relatórios da CIA, do Departamento de Estado e de suas agências irmãs.

    A batalha pela verdade

    REPÓRTER: Além da coleta de informações, os EUA usaram efetivamente a inteligência quase em tempo real. A administração Biden estrategicamente desclassificou e divulgou informações em um esforço para antecipar as operações russas de disseminação de notícias falsas. Quais são seus pensamentos sobre esta nova tática?

    WEINER: Não é uma tática nova. É antiga. O que os EUA estão fazendo é uma guerra política – algo que não tem feito efetivamente desde o fim da Guerra Fria. (Este é o assunto do meu último livro, “The Folly and The Glory” – A Insensatez e a Glória, na tradução livre). A guerra política é a maneira pela qual as nações projetam seu poder e trabalham sua vontade contra um inimigo, exceto lançar mísseis ou enviar fuzileiros navais. Sua conduta requer todo o espectro de inteligência e diplomacia, desde operações secretas e espionagem até diplomacia coercitiva e sanções econômicas, e a hábil orquestração desses instrumentos pelo presidente. O uso da guerra política – incluindo a rápida desclassificação e publicação de informações secretas – expôs e efetivamente atenuou os planos de Putin de usar desinformação e mentiras como instrumentos de guerra. Em última análise, esta é uma batalha pela verdade, e moldar a visão das pessoas sobre os regimes autoritários é parte do modo como a guerra política é travada.

    Como os espiões dos EUA podem se envolver neste conflito?

    REPÓRTER: Biden prometeu repetidamente não colocar tropas militares dos EUA na linha de frente de uma guerra entre a Ucrânia e a Rússia, para não iniciar a Terceira Guerra Mundial. Dada essa promessa, como a comunidade de inteligência dos EUA poderia ser utilizada dentro da Ucrânia?

    WEINER: A CIA e a Agência de Segurança Nacional poderiam apoiar a resistência ucraniana com inteligência no campo de batalha. A CIA também poderia fornecer armas letais como mísseis antiaéreos Stinger. A CIA enviou bilhões de dólares em armas para os rebeldes afegãos que lutavam contra as forças armadas soviéticas que ocupavam o Afeganistão na década de 1980. A CIA vem treinando pequenos grupos de ucranianos em guerra irregular – isto é, operações paramilitares – há oito anos. É concebível – se esse conflito se transformar em uma ocupação longa e sangrenta – que os próprios oficiais da CIA possam se juntar à batalha, o que seria uma proposta arriscada, para dizer o mínimo. Certamente há um grupo de paramilitares da CIA que ficaria muito feliz em enviar soldados russos de volta para casa guardados em caixões.

    Um novo foco da inteligência dos EUA

    REPÓRTER: De uma perspectiva mais ampla, como a comunidade de inteligência dos EUA está se reposicionando, agora que eles se retiraram do Afeganistão, de um foco na guerra ao terror do início do século 21 para a guerra entre democracia e autocracia que Biden avisou sobre?

    WEINER: Esta guerra vai moldar o mundo ao longo do século 21. Burns e Haines fizeram da China e da Rússia suas maiores prioridades. Xi e Putin querem projetar seu poder muito além de suas fronteiras – e a guerra política é a principal maneira pela qual eles buscarão ganhar uma influência maior sobre nações próximas e distantes. Mas os Estados Unidos serão pressionados a vencer essa luta, a menos e até que reparem sua própria democracia. A maior derrota que os Estados Unidos já sofreram no campo da guerra política ocorreu no Capitólio em 6 de janeiro de 2021, quando um aspirante a autocrata chegou perigosamente perto de derrubar o estado de direito.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original

    Mais Recentes da CNN