Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Como militares dos EUA combatem ataques de grupo apoiado pelo Irã a navios de carga

    Houthis lançaram pelo menos 100 ataques contra 14 navios comerciais e mercantes diferentes no Mar Vermelho durante o mês passado

    O destróier de mísseis guiados classe Arleigh Burke USS Carney é visto no Mar Mediterrâneo em 2018
    O destróier de mísseis guiados classe Arleigh Burke USS Carney é visto no Mar Mediterrâneo em 2018 Ryan U. Kledzik/U.S. Navy/AP

    Brad Lendonda CNN

    Os navios de guerra dos EUA no Mar Vermelho têm lutado contra um número crescente de armas disparadas pelas forças Houthi no Iêmen nas últimas semanas, incluindo 17 drones e mísseis durante um período de dez horas somente na terça-feira (26).

    Yahya Sare’e, porta-voz das forças Houthi, disse no X (antigo Twitter) que os últimos lançamentos foram em “apoio contínuo e solidariedade com o povo palestino”. O grupo já havia dito que tinha como alvo navios com destino a Israel após a invasão de Gaza pelas forças israelenses.

    Os Houthis, apoiados pelo Irã, lançaram pelo menos 100 ataques contra 14 navios comerciais e mercantes diferentes no Mar Vermelho durante o mês passado, disse um alto funcionário militar dos EUA na semana passada.

    Os ataques levaram o secretário da Defesa dos EUA, Lloyd Austin, a anunciar a formação de uma coligação de pelo menos dez países para se concentrar na segurança no Mar Vermelho.

    A coalizão envolve navios membros disponíveis perto do Mar Vermelho para responder aos ataques. O objetivo da iniciativa era impedir futuros ataques Houthi, mas mesmo assim os militantes continuaram a atacar navios que operam perto do Iêmen.

    O Mar Vermelho abriga uma das rotas comerciais marítimas mais importantes do mundo, e os ataques tiveram repercussões de longo alcance. Pelo menos 44 países estão ligados a navios atacados pelos Houthis e os ataques perturbaram o comércio internacional, em geral.

    Os 17 drones e mísseis lançados pelos Houthis na terça-feira foram derrubados com armas transportadas pelo destróier de mísseis guiados USS Laboon e por caças F/A-18 voando do porta-aviões USS Eisenhower, disse o Comando Central dos EUA.

    A Marinha dos EUA não disse exatamente quais armas seus navios estão usando contra os ataques Houthi, mas analistas disseram que um contratorpedeiro dos EUA tem uma série de sistemas de armas à sua disposição.

    Isso inclui mísseis terra-ar, projéteis explosivos do canhão principal de 5 polegadas do destróier e sistemas de armas de curta distância, disseram os especialistas. Eles também disseram que os navios dos EUA têm capacidades de guerra eletrônica que poderiam romper as ligações entre os drones e seus controladores em terra.

    Quaisquer que sejam os sistemas que os capitães de contratorpedeiros dos EUA utilizem, eles enfrentam decisões sobre custos, inventário e eficácia à medida que a missão cresce, disseram os especialistas.

    “Os drones são mais lentos e podem ser atingidos com mísseis mais baratos ou até mesmo com o canhão do navio. Mísseis mais rápidos devem ser interceptados com mísseis interceptadores mais sofisticados”, disse John Bradford, membro do Conselho de Relações Exteriores e Assuntos Internacionais.

    O principal ativo da Marinha dos EUA – o destruidor de mísseis guiados

    O principal ativo dos EUA envolvido no Mar Vermelho para combater os ataques à navegação é o destróier de mísseis guiados da classe Arleigh Burke, como o USS Laboon. Os mísseis em sua revista incluem:

    • O Standard Missile-6 (SM-6), uma arma avançada que pode abater mísseis balísticos no alto da atmosfera, outros mísseis de trajetória mais baixa e atingir outros navios com um alcance de até 370 quilômetros, de acordo com o Projeto de Defesa de Mísseis no Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais (CSIS). Cada um custou mais de US$ 4 milhões (cerca de R$ 19 milhões).
    • O Standard Missile-2 (SM-2), menos avançado que o SM-6 e com alcance menor de 185 a 370 quilômetros, dependendo da versão, segundo o CSIS. Eles custam cerca de US$ 2,5 milhões cada (cerca de R$ 12 milhões).
    • O Míssil Evolved Sea Sparrow (ESSM), projetado para atingir mísseis de cruzeiro antinavio e ameaças de baixa velocidade, como drones ou helicópteros, a um alcance de até 50 quilômetros, afirma o CSIS. Cada um custa mais de US$ 1 milhão (cerca de R$ 4,8 milhões).

    Especialistas disseram na semana passada que acham que os EUA estão usando os mísseis SM-2 e/ou ESSM contra as ameaças Houthi até agora.

    Munições caras e a relação custo-benefício

    Mas como enfrentam drones que podem ser produzidos e implantados em grande número por preços unitários bem abaixo dos US$ 100 mil, uma campanha prolongada poderia eventualmente tributar os recursos dos EUA, dizem os especialistas.

    “Estas são capacidades avançadas de intercepção aérea com um custo médio de cerca de US$ 2 milhões – tornando a intercepção de drones não… rentável”, disse Alessio Patalano, professor de guerra e estratégia no King’s College, em Londres.

    As forças Houthi são financiadas e treinadas pelo Irã, pelo que têm recursos para um combate prolongado, salientam os especialistas.

    É também uma questão de até onde os EUA querem ir para proteger a navegação mercante, disseram os analistas.

    O sistema de armas de aproximação Phalanx de um contratorpedeiro dos EUA – metralhadoras Gatling que podem disparar até 4.500 tiros por minuto – poderia lidar com ameaças de drones ou mísseis que cheguem a um quilômetro do navio de guerra, disse Carl Schuster, ex-capitão da Marinha dos EUA e ex-diretor de operações no Centro Conjunto de Inteligência do Comando do Pacífico dos EUA, no Havaí.

    Essa é uma defesa de custo relativamente baixo. Mas se os drones chegarem tão perto, será a última linha de defesa e uma falha poderá custar vidas aos EUA.

    “Um único míssil ou drone não afunda um navio de guerra dos EUA, mas pode matar pessoas e/ou causar danos que exigiriam a retirada do navio para reparos no porto”, disse Bradford, do Conselho de Relações Exteriores.

    Defesa de navios de guerra vs. proteção de comerciantes

    E o sistema Phalanx não consegue proteger os navios mercantes que o contratorpedeiro dos EUA possa estar a vigiar, navegando a quilômetros de distância do navio de guerra.

    “Para fornecer defesa aérea de área ampla [em oposição à autoproteção], as embarcações dependem principalmente de mísseis antiaéreos”, disse Sidharth Kaushal, pesquisador de poder marítimo no Royal United Services Institute, em Londres.

    Kaushal disse que os mísseis interceptadores antiaéreos dos EUA em navios de guerra dos EUA são disparados de células do sistema de lançamento vertical (VLS) no convés.

    Cada célula pode conter uma mistura de armamentos (os números exatos são classificados), mas o número a bordo de qualquer navio é finito, disse Kaushal.

    E se os Houthis conseguirem esgotar os inventários de um navio com ataques sucessivos, o navio de guerra poderá ficar sem munições para proteger os navios mercantes que vigia, disse Salvatore Mercogliano, especialista naval e professor da Universidade Campbell, na Carolina do Norte.

    “Embora as marinhas estejam bem equipadas para derrubar o que os Houthi estão atualmente lançando, o medo é que o escopo e a escala aumentem e as escoltas não consigam manter um nível de defesa para proteger a navegação comercial”, disse ele.

    Os Houthis ainda não tentaram um verdadeiro ataque de enxame de drones – semelhante ao que a Rússia tem implantado repetidamente na Ucrânia – um ataque que poderia envolver dezenas de ameaças recebidas ao mesmo tempo, disseram os especialistas.

    “Um enxame poderia sobrecarregar as capacidades de um único navio de guerra, mas, mais importante, poderia significar que as armas passariam por eles para atingir navios comerciais”, disse Mercogliano.

    Os navios de guerra dos EUA também enfrentam a questão de como reabastecer o inventário de mísseis na região, disse ele.

    “O único local para recarregar armas é no Djibouti [uma base dos EUA no Corno de África] e é perto da ação”, disse ele.

    Possíveis ameaças num campo de batalha em evolução

    Os especialistas disseram que a implantação de mísseis balísticos ou de cruzeiro antinavio apresenta um desafio potencialmente mais difícil. As forças Houthi dispararam três mísseis balísticos antinavio e dois mísseis de cruzeiro de ataque terrestre na terça-feira (26), disse o Comando Central dos EUA.

    Mísseis de cruzeiro antinavio “podem chegar baixo e penetrar no casco de um navio acima da linha d’água. Este é o tipo de armas que afundaram vários navios britânicos durante a Guerra das Malvinas e atingiram o USS Stark [no Golfo Pérsico] em 1987”, disse Mercogliano.

    Os mísseis balísticos podem representar um perigo ainda maior, disse ele.

    “A velocidade terminal da arma e a sua carga podem infligir sérios danos” a um navio de guerra ou comercial, disse ele, e podem precisar dos melhores interceptadores dos EUA, como o SM-6, para derrubá-la.

    Mercogliano disse que o espaço de batalha não é estático e que os Houthis terão algo a dizer sobre o que irão implantar.

    “Os Houthi estão observando e vendo como as marinhas estão respondendo a esses ataques”, disse ele.

    E os especialistas dizem que os EUA poderão, em algum momento, decidir que terão de atacar.

    “Há outro curso de ação que atinge a fonte. Isso mudaria a ênfase da interceptação das capacidades, uma vez no ar, para atacá-las na fonte, a fim de evitar seu uso em primeiro lugar”, disse Patalano.

    “Se houver escolha e capacidade, é sempre mais barato eliminar os arqueiros do que interceptar as flechas”, disse Schuster.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original