Companhia aérea chinesa retoma voos do Boeing 737 após acidente em março

Aviões com números de matrícula próximos ao que caiu em 21 de março ainda estão passando por verificações de manutenção e avaliação, disse empresa

Os serviços de rastreamento FlightAware e Flightradar24 informaram que avião Boeing 737-800 da China Eastern Airlines caiu na segunda-feira com 132 pessoas a bordo; esta é uma foto de arquivo tirada em uma pista chinesa em fevereiro de 2022
Os serviços de rastreamento FlightAware e Flightradar24 informaram que avião Boeing 737-800 da China Eastern Airlines caiu na segunda-feira com 132 pessoas a bordo; esta é uma foto de arquivo tirada em uma pista chinesa em fevereiro de 2022 Foto: Zhou Bodian/VCG via Getty Images

Reuters*

Ouvir notícia

A China Eastern Airlines começou a colocar seus jatos Boeing 737-800 de volta ao uso para voos comerciais menos de um mês após um acidente matar 132 pessoas e levar a empresa a manter em solo 223 aeronaves, afirmou a companhia neste domingo (17).

A companhia aérea disse que realizou testes sistemáticos e verificações estruturais e dos dados de navegabilidade para cada uma das aeronaves, e que voos de teste serão realizados em todos os aviões antes de retomarem os serviços comerciais.

Os aviões Boeing 737-800 com números de matrícula próximos ao que caiu em 21 de março ainda estão passando por verificações de manutenção e avaliação, declarou a empresa à Reuters em comunicado.

Em 21 de março, o voo MU5735, que estava a caminho de Kunming para Guangzhou, caiu nas montanhas de Guangxi e matou 123 passageiros e nove tripulantes no desastre aéreo mais mortal da China continental em 28 anos.

Momentos antes da queda em solo chinês, o piloto avisou sobre a perda do motor direito, o que provocou um desvio de alguns graus da aeronave. Por um princípio de física, o avião precisava começar a descer, já que perdeu metade da potência e não poderia conseguir voar naquela altitude. Se tentasse, a velocidade diminuiria até que ele perdesse a perda de sustentação, avaliou William Waack, âncora da CNN:

*Com informações da CNN

Mais Recentes da CNN