Compreender o estado de espírito de Putin vira prioridade para agências de inteligência dos EUA

Esforço ocorre no momento em que observadores de longa data de Putin especulam publicamente que seu comportamento se tornou mais errático e irracional

Presidente russo, Vladimir Putin
Presidente russo, Vladimir Putin 27/01/2022Sputnik/Aleksey Nikolskyi/Kremlin via REUTERS

Zachary CohenKatie Bo Lillisda CNNEvan Perezda CNN*

Em Washington

Ouvir notícia

A comunidade de inteligência dos EUA tornou a avaliação do estado de espírito do presidente russo Vladimir Putin uma prioridade nos últimos dias, buscando estabelecer como isso está afetando sua maneira de lidar com a crise na Ucrânia, de acordo com duas fontes ouvidas pela CNN.

Esse esforço ocorre enquanto observadores de longa data de Putin especulam publicamente que seu comportamento se tornou cada vez mais errático e irracional. Desde que ele lançou a invasão da Ucrânia pela Rússia na quarta-feira passada, altos funcionários dos EUA pediram às agências de inteligência que reunissem todas as novas informações que pudessem sobre como o líder russo está se saindo e como sua mentalidade foi impactada pela resposta inesperadamente unificada e dura dos vizinhos e aliados europeus ao redor do mundo.

A comunidade de inteligência dos EUA passou décadas decodificando o ex-oficial da KGB, que efetivamente governa a Rússia desde 1999. Mas, embora os Estados Unidos tenham um extenso conhecimento institucional sobre ele, têm uma visão notoriamente ruim de suas decisões cotidianas. O Kremlin continua sendo o que as autoridades de inteligência chamam de “alvo difícil” – incrivelmente difícil de penetrar através da espionagem tradicional.

Fotos: A guerra na Ucrânia

Não houve nenhuma nova avaliação abrangente que indique uma mudança específica na saúde geral de Putin, disse um funcionário dos EUA. E as autoridades estão alertas para a possibilidade de que a estratégia de Putin seja projetar instabilidade, em uma tentativa de pressionar os EUA e aliados a dar a ele o que ele quer por medo de que ele possa fazer pior.

Mas a súbita explosão de interesse reflete uma sensação entre alguns oficiais de inteligência de que a tomada de decisões de Putin na Ucrânia está fora do normal – talvez devido ao que alguns relatórios anteriores de inteligência sugerem ter sido um isolamento prolongado durante a pandemia de Covid-19.

“Tudo o que os EUA têm [está] no campo da conjectura, porque as decisões e declarações de Putin não parecem fazer sentido”, disse uma fonte familiarizada com relatórios recentes de inteligência sobre o assunto. “Durante anos, décadas, Putin agiu de acordo com um modelo bastante específico.”

Em um briefing confidencial para legisladores na noite de segunda-feira, Avril Haines, diretora de inteligência nacional, disse que a comunidade de inteligência dos EUA não tem uma boa visão do estado de espírito de Putin, de acordo com um legislador que estava presente.

O senador republicano Chuck Grassley, de Iowa, que participou do briefing do Senado, confirmou que o estado espírito de Putin havia surgido, mas se recusou a dar detalhes sobre o que foi compartilhado.

Ele disse, no entanto, que, independentemente do briefing, ele pessoalmente está preocupado com a mentalidade de Putin.

Fotos: Refugiados deixam a Ucrânia por causa da guerra

Dezenas de relatórios brutos de inteligência

A comunidade de inteligência produziu dezenas de relatórios brutos de inteligência de fontes à medida que as informações sobre a guerra chegam. Um desses relatórios que circulou para mais de uma dúzia de agências cita uma fonte que relatou que o comportamento de Putin se tornou “altamente preocupante e imprevisível” apenas nos últimos dois dias, de acordo com uma cópia obtida pela CNN.

Mas, em uma indicação de quão difícil é obter essa informação diretamente, a descrição veio em segunda mão para o FBI de uma fonte que conversou com outra fonte desconhecida “com excelente acesso”. O relatório observa que essa pessoa havia fornecido, no passado, informações que as agências de inteligência foram capazes de corroborar de forma independente.

A fonte por trás do relatório disse ao FBI que Putin “expressou extrema raiva” pelas sanções ocidentais implementadas em resposta ao seu ataque à Ucrânia e “sentiu que as sanções escalaram a situação mais rápido do que ele esperava e além do que ele considerava apropriado”. As sanções que enfureceram Putin, precisamente, são desconhecidas; esse trecho do relatório é redigido.

O relatório também aponta que a circulação de informações precisas sobre a guerra tem sido extremamente limitada na Rússia, mesmo nos níveis mais altos da sociedade.

Por exemplo: muitas pessoas e indivíduos bem relacionados com os meios para deixar a Rússia antes do fechamento de aeroportos e fronteiras permaneceram no país, de acordo com o relatório, sugerindo que eles não sabiam dos fechamentos com antecedência.

O relatório, que se originou do FBI, vem com algumas ressalvas: ele reconhece que a fonte que forneceu as informações ao FBI “pode ​​ter fornecido as informações para influenciar e informar” a tomada de decisões dos EUA – em outras palavras, que pode ser uma operação de informação destinada a manipular os Estados Unidos.

E as autoridades alertam que a informação bruta de inteligência bruta não deve ser tomada como fato. Ela não foi avaliada em relação a confiabilidade ou analisada por suas implicações.

Mas o relatório, no entanto, fez com que outras agências dentro do governo Biden pedissem ao FBI que acompanhasse sua fonte para obter informações adicionais.

O Gabinete do Diretor de Inteligência Nacional, a CIA e o FBI se recusaram a comentar.

Uma longa história

As especulações sobre a saúde mental de Putin começaram depois que ele fez um discurso na quinta-feira (24) apresentando uma história distorcida e revisionista que pretendia justificar sua intervenção na Ucrânia. Marco Rubio, senador republicano da Flórida, twittou na sexta-feira que Putin “sempre foi um assassino, mas seu problema agora é diferente e significativo” – e sugeriu que ele estava baseando sua avaliação em briefings de inteligência dados a ele como vice-presidente da Comissão de Inteligência do Senado.

“Gostaria de poder compartilhar mais, mas, por enquanto, posso dizer que é bastante óbvio para muitos que algo está errado com #Putin”, escreveu Rubio. “Seria um erro supor que este Putin reagiria da mesma forma que reagiria há 5 anos.”

Para alguns, a ousadia da decisão de Putin de invadir – assim como sua ameaça implícita de usar armas nucleares – é uma ruptura com as campanhas militares cuidadosamente calculadas e muito mais limitadas que ele lançou no passado. Imagens de vídeo do presidente russo sentado a dezenas de metros de distância de seus principais conselheiros militares durante reuniões e repreendendo um de seus chefes de espionagem na televisão apenas reforçaram a imagem de um líder isolado, agindo apenas por conta própria.

No domingo, as comportas se abriram. O ex-embaixador na Rússia Michael McFaul twittou que Putin “mudou” e soou “completamente desconectado da realidade” e “desequilibrado”. O ex-diretor de Inteligência Nacional Jim Clapper, que é analista de segurança nacional da CNN, também chamou Putin de “desequilibrado” e alertou: “Eu me preocupo com sua acuidade e equilíbrio”.

Outros observadores de longa data de Putin argumentam que as ações recentes do presidente russo são relativamente consistentes com o homem em quem a inteligência dos EUA se fixa há décadas, observando que ele há muito demonstra disposição para arriscar a derrota militar em operações que os Estados Unidos pensavam que não ofereciam chance de sucesso – incluindo ordenar uma segunda invasão da Chechénia em 1999, apenas três anos depois de os militares russos terem sido derrotados na região.

“Isso não é diferente de tudo o que ele disse antes, ele está apenas dizendo tudo de uma maneira muito dura. E ele está disposto a fazer coisas indescritíveis – mas ele sempre esteve disposto a fazer coisas indescritíveis”, disse Beth Sanner, que foi assessora do ex-presidente Donald Trump e é analista de segurança nacional da CNN.

Putin não é “louco ou desequilibrado”, disse Sanner. Em vez disso, segundo ela, o presidente russo está “altamente emotivo agora por causa do que ele estava prestes a embarcar… e ele tem estado muito, muito isolado, o que aumenta esse sentimento emocional. Mas não acho que ele seja louco.”

 

Um funcionário dos EUA repetiu essa avaliação para a CNN, argumentando que Putin está agindo de uma maneira que ele há muito sinalizou ser capaz. Em vez de uma mudança em sua acuidade mental, disse essa pessoa, as autoridades acreditam que ele simplesmente ficou furioso – tornando impossível para seus conselheiros seniores fornecerem avaliações francas a eles.

Mesmo seu comando para colocar as forças de dissuasão nuclear da Rússia em alerta máximo no domingo não é sem precedentes. Em 2014, quando Putin anexou a Crimeia, ele também levantou a possibilidade de colocar suas forças nucleares em alerta máximo, o que então levantou o espectro de armas nucleares sendo introduzidas no conflito.

A doutrina nuclear da Rússia, publicada em 2020, também inclui uma política nuclear de primeiro uso. O Kremlin “se reserva o direito de usar armas nucleares”, inclusive “para a prevenção de uma escalada de ações militares e seu término em condições aceitáveis ​​para a Federação Russa e/ou seus aliados”.

Ainda assim, uma fonte familiarizada com relatórios recentes de inteligência sobre o assunto disse que é “difícil chegar a uma conclusão de qualquer confiança em relação ao estado de espírito de Putin. Seria necessário ‘SIGINT’ de telefonema/vídeo do líder perdendo [a razão] em seu gabinete ou algo assim.”

“SIGINT”, ou “inteligência de sinais”, é um termo da comunidade de inteligência que se refere a comunicações interceptadas.

“A comunicação em tempo real entre os líderes do gabinete russo”, disse essa pessoa, é um “alvo muito difícil”.

Em última análise, esse e outros funcionários dizem que entender o comportamento recente de Putin é uma questão de análise, não de inteligência. É possível, dizem as autoridades, que eles nunca tenham uma resposta.

*Kylie Atwood e Lauren Fox, da CNN, contribuíram para esta reportagem

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Mais Recentes da CNN