Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Conheça as propostas de Sergio Massa, pré-candidato à Presidência da Argentina

    Principais pilares da campanha do ministro da Economia na corrida às primárias são equilíbrio fiscal, superávit comercial, câmbio competitivo e desenvolvimento com inclusão

    Ministro da Economia da Argentina, Sergio Massa
    Ministro da Economia da Argentina, Sergio Massa 03/08/2022REUTERS/Matias Baglietto

    Manuela Castroda CNN

    O atual ministro da Economia da Argentina, Sergio Massa, já disse isso em entrevista à mídia local: “O problema hoje é que eu tenho os dois chapéus, o da campanha presidencial e o da gestão”. Isso pode ser visto como uma desvantagem ou como uma chance de mostrar com fatos o que virá se ele conseguir a cadeira da Casa Rosada.

    No entanto, os dados não parecem ajudar. A gestão da pasta econômica de Massa está sobrecarregada com um aumento de 37 pontos percentuais na inflação em relação ao ano anterior, que em junho chegou a 114%, e uma moeda que já se desvalorizou cerca de 100% em relação ao dólar oficial desde que assumiu o cargo há pouco menos de um ano.

    Sem esquecer que, além disso, o pré-candidato carrega o desgaste de ter feito parte dos quatro anos do atual governo que, na visão de muitos analistas, não satisfez nem a si nem aos outros.

    Uma fonte próxima a Sergio Massa disse à CNN que a estratégia para lidar com esse cenário é focar na manutenção da ordem política diante de uma oposição com disputa interna de alta tensão e fornecer notícias de gestão.

    Além disso, adverte que formalmente ainda precisa vencer as eleições primárias de domingo (13), nas quais Massa enfrentará o outro pré-candidato do Unión por la Patria, o líder social Juan Grabois.

    Haverá tempo para formalizar um plano para um mandato futuro. Apesar disso, declarações públicas estão dando algumas pistas sobre o caminho a seguir.

    Os pilares do plano de governo de Massa

    O equilíbrio fiscal, o superávit comercial, o câmbio competitivo e o desenvolvimento com inclusão são seus eixos principais, segundo afirmou em um programa de televisão do Canal 5 Argentina (C5N).

    “O que está por vir é mais distribuição de renda, mais educação pública, mais investimento em universidades”, prometeu, embora com uma ressalva: “Se eu conseguir terminar de estabilizar a economia”.

    Ministro da Economia da Argentina, Sergio Massa, e candidato às primárias nas eleições do país / 23/01/2023 REUTERS/Agustin Marcarian

    A questão econômica é seu grande desafio, o equilíbrio entre o que pode fazer hoje para pescar a ilusão do que está por vir. A relação com o Fundo Monetário Internacional (FMI) é um dos temas da agenda do próximo presidente, pelo menos é assim que ele a vê. “A maior solução que a Argentina tem é vender o que faz para o mundo”, disse ele em um anúncio de campanha.

    Nesta linha, tanto Massa quanto seus aliados no governo apresentam a inauguração do gasoduto Néstor Kirchner e a continuação das obras de um segundo trecho como uma das chaves para sua oferta de um futuro próspero:

    “Nosso lítio, nosso gás, o nosso petróleo, o que os campos produzem, o que as indústrias produzem, que cada vez mais se vende ao mundo porque isso nos dará os dólares para sermos livres, para sermos soberanos”.

    Educação e trabalho como promessas de mobilidade social

    A formação terciária e universitária é o que garante o progresso, segundo o discurso do ministro. Nesse sentido, ele proclama que quer incorporar a formação em tecnologias e ferramentas relacionadas ao “novo mercado de trabalho”, em suas palavras, ao currículo educacional do nível médio.

    “Quarto e quinto anos têm que ter programação e robótica obrigatoriamente”, afirmou na entrevista ao C5N e acrescentou que “será fundamental acompanhar” esta iniciativa com um programa de inserção no mercado de trabalho.

    Casa Rosada, local da presidência da Argentina

    Na Argentina, a taxa de desemprego é de 6,9% e 36,7% dos trabalhadores assalariados estão no setor informal. Nesse ponto, Massa propõe uma simplificação tributária para pequenas e médias empresas com o objetivo de dar facilidades para seus funcionários.

    A solução para os piquetes e bloqueios de estradas, que são uma das formas de protesto mais frequentes no país, é outro dos temas debatidos na campanha. Opondo-se aos pré-candidatos da oposição, o candidato da Unión por la Patria sustenta que o uso repressivo da força do Estado durante um protesto deve ser o último instrumento a ser posto em prática.

    Pré-candidatos da oposição, como Patricia Bullrich, encontraram uma bandeira que atrai a simpatia de certos setores do eleitorado da capital e Grande Buenos Aires, onde as manifestações de ruas e os múltiplos bloqueios são um problema cotidiano.

    Por fim, Sergio Massa prometeu lutar contra a insegurança, a criminalidade e o narcotráfico — algo com o qual também parece responder a alguns pilares da campanha da oposição, e que setores do peronismo consideram pertencentes à direita — com investimento em prevenção e sistemas de inteligência criminal.

    Ele também disse ao C5N que usaria seu bom relacionamento com os Estados Unidos, “aquele que alguns tanto me criticam” — em referência ao eleitorado de seu próprio campo que tem um olhar de desconfiança com os laços do pré-candidato —, no combate à lavagem de dinheiro. “Eu assumo a liderança”, disse ele.

    Vídeo — Argentina e FMI chegam a ‘acordo inicial’ sobre renegociação de dívida

    Este conteúdo foi criado originalmente em espanhol.

    versão original