Construção de segundo edifício mais alto do mundo chega ao ápice na Malásia

Edifício "Merdeka 118" já atingiu altura de 678 metros; Arranha-céu, que deve ficar pronto em 2022, perderá apenas para o Burj Khalifa, em Dubai

Torre de 118 andares está sendo construída na capital da Malásia, Kuala Lumpur.
Torre de 118 andares está sendo construída na capital da Malásia, Kuala Lumpur. Fender Katsalidis

Oscar Hollandda CNN

Ouvir notícia

A torre de um arranha-céu de 118 andares em construção atingiu seu ápice a mais de 2.227 pés (equivalentes a cerca de 678 metros) acima da capital da Malásia, Kuala Lumpur.

Previsto para se confirmar como o segundo edifício mais alto do mundo após sua conclusão no ano que vem, o Merdeka 118 agora é mais alto do que a Torre de Xangai na China, com 2.073 pés (cerca de 631 metros), e é superado apenas pelo Burj Khalifa, em Dubai.

Em uma cerimônia que marcou a conclusão da torre nesta terça-feira, o primeiro-ministro da Malásia, Ismail Sabri Yaakob, descreveu o projeto como uma “torre icônica para o futuro”.

“Esta não é apenas uma grande conquista no campo da engenharia”, disse ele a repórteres. “Mas também fortalece ainda mais a posição da Malásia como um país moderno e desenvolvido.”

PRÉDIO MERDEKA 118 MALÁSIA
Uma simulação digital mostra como a torre ficará após sua conclusão no final de 2022. / Fender Katsalidis

Com 288 mil metros quadrados de área, mais da metade será oferecida como escritórios, a torre também abrigará um shopping, uma mesquita, um hotel Park Hyatt e o mirante mais alto do sudeste da Ásia. O local mais amplo, de mais de 16 mil metros quadrados, também conterá espaços públicos e um parque no nível do solo.

Situado em uma parte histórica de Kuala Lumpur, o arranha-céu tem vista para o Estádio Merdeka, onde o ex-líder Tunku Abdul Rahman declarou a independência da Malásia em 1957. Ismail Sabri, que foi nomeado primeiro-ministro em agosto, disse na terça-feira que o desenho escultural “reflete a imagem “de Rahman famoso por levantar a mão para gritar ‘merdeka!’  (malaio para “independente!”) Há mais de seis décadas”.

A empresa de arquitetura australiana por trás do projeto, Fender Katsalidis, disse que os planos de vidro triangulares na fachada do prédio foram inspirados por padrões encontrados nas artes da Malásia. O design também “simbolicamente (representa) a rica mistura cultural que define o povo do país”, disse a empresa em um comunicado à imprensa.

Em um comunicado, um dos sócios fundadores da empresa, Karl Fender, acrescentou que o edifício foi projetado para enriquecer “a energia social e o tecido cultural da cidade”.

“Além disso, a conquista de criar o segundo edifício mais alto do mundo comemora os anos de planejamento, solução de problemas, colaboração e esforço humano necessários para realizar um edifício desta complexidade”, disse ele. “Alcançar este marco de altura é um bônus bem-vindo.”

Anunciado em 2010, o projeto foi iniciado há cinco anos, apesar das preocupações expressas por alguns ativistas do patrimônio local sobre o impacto que poderia ter no bairro histórico.

Embora o prédio devesse ser inaugurado este ano, o trabalho foi temporariamente interrompido em março de 2020, quando o governo da Malásia introduziu medidas rígidas de lockdown para combater a propagação da Covid-19.

O horizonte de Kuala Lumpur foi transformado por arranha-céus nas últimas décadas, e a capital da Malásia é agora a 13ª cidade mais alta do mundo, de acordo com o Conselho de Edifícios Altos e Habitat Urbano. As Torres Petronas de 1.483 pés foram consideradas os edifícios mais altos do mundo entre 1998 e 2004, quando foram superadas pelo Taipei 101 de Taiwan.

Em 2019, o Exchange 106, de 106 andares, se tornou o arranha-céu mais alto de Kuala Lumpur – e do Sudeste Asiático – na época, apesar de estar envolvido na controvérsia financeira do 1MDB que levou o ex-primeiro-ministro do país, Najib Razak, a acusações criminais, incluindo lavagem de dinheiro e abuso de poder.

* Matéria traduzida. Leia a original aqui.

Fotos capturam beleza dos prédios mais ao norte do mundo:

Mais Recentes da CNN