Coreia do Sul diz que desfile militar espalhou Covid na Coreia do Norte

Agência de espionagem sul-coreana afirma que parada em abril causou a disseminação do vírus; país aumentou produção de medicamentos

Trabalhadores limpam restaurante na capital da Coreia do Norte em março de 2022; país registrou primeiro caso de Covid-19 em maio de 2022
Trabalhadores limpam restaurante na capital da Coreia do Norte em março de 2022; país registrou primeiro caso de Covid-19 em maio de 2022 Kyodo News via Getty Images

Hyonhee ShinJosh Smithda Reuters

Seul

Ouvir notícia

O primeiro surto confirmado de Covid-19 da Coreia do Norte se espalhou após um enorme desfile militar em Pyongyang em abril, disse a agência de notícias sul-coreana Newsis nesta quarta-feira (18), citando parlamentares informados pela agência de espionagem sul-coreana.

O surto levou a Coreia do Norte a repensar sua oposição à aceitação e distribuição de vacinas, disse a agência de notícias Yonhap, citando os mesmos legisladores. O país também aumentou a produção de medicamentos e suprimento médicos, segundo a mídia estatal KCNA disse nesta quinta-feira (19).

O país isolado, que impôs um lockdown nacional, também está aumentando a produção de medicamentos tradicionais coreanos usados ​​para reduzir a febre e a dor, disse a KCNA, chamando-os de “eficazes na prevenção e cura da doença maliciosa.”

Uma ampla onda de Covid, que a Coreia do Norte confirmou pela primeira vez na semana passada, provocou preocupações com a falta de recursos médicos e vacinas, com a agência de direitos humanos da ONU alertando sobre consequências “devastadoras” para seus 25 milhões de pessoas.

A KCNA disse apenas que uma onda de febre de origem não identificada começou no final de abril.

Pelo menos mais 262.270 pessoas relataram sintomas de febre e uma pessoa adicional morreu na noite de quarta-feira, disse a KCNA, citando dados da sede estadual de prevenção de epidemias de emergência. Não especificou quantas pessoas testaram positivo para o vírus.

Até agora, a Coreia do Norte registrou 1.978.230 pessoas com sintomas dessa febre misteriosa e 63 mortes, e impôs medidas rigorosas de antivírus.

As fábricas estão produzindo mais injeções, medicamentos, termômetros e outros suprimentos médicos na capital Pyongyang e regiões próximas “de maneira relâmpago”, enquanto mais alas de isolamento foram instaladas e o trabalho de desinfecção se intensificou em todo o país, disse a KCNA.

“Milhares de toneladas de sal foram transportadas com urgência para a cidade de Pyongyang para produzir uma solução anti-séptica”, disse a KCNA.

Os relatórios vieram depois que o líder norte-coreano Kim Jong Un criticou a distribuição ineficaz de drogas e criticou as autoridades por suas respostas “imaturas” à epidemia.

Sem uma campanha nacional de vacinação e tratamento da Covid, a mídia estatal incentivou os pacientes a usar analgésicos e antibióticos, bem como remédios caseiros não verificados, como gargarejos de água salgada ou beber chá de lonicera japonica ou chá de folhas de salgueiro.

A televisão estatal da Coreia do Norte recomendou o uso de duas máscaras ao ar livre, uma prática que Kim seguiu em uma visita à farmácia no fim de semana, embora não tenha repetido o uso nas imagens de uma reunião do Politburo do Partido dos Trabalhadores, na terça-feira (17).

Dale Fisher, professor de medicina da Universidade Nacional de Singapura, disse que a crise pode ser subestimada por causa da ausência de testes e da variante Omicron mais assintomática, e pode causar maiores consequências sociais e econômicas em uma comunidade não vacinada.

“Os melhores sistemas de saúde do mundo tiveram dificuldades na maioria dos países, então acho que é provável que o verdadeiro impacto na saúde não esteja sendo descrito com precisão”, disse Fisher.

“É imperativo um lançamento urgente de vacinas, e medidas significativas de saúde pública e intervenções sociais devem ser introduzidas nesse meio tempo para retardar a propagação”, acrescentou.

Três aeronaves da Air Koryo da Coreia do Norte chegaram à China e retornaram a Pyongyang na segunda-feira carregando suprimentos médicos, disse uma fonte diplomática sob condição de anonimato.

A Coreia do Sul e os Estados Unidos se ofereceram, respectivamente, para ajudar a Coreia do Norte a combater o vírus, incluindo o envio de ajuda, mas não receberam uma resposta, disse o vice-conselheiro de segurança nacional de Seul nesta quarta-feira.

Mais Recentes da CNN