Caixa preta sugere que queda de avião na China em março foi proposital

Avaliação preliminar de autoridades dos Estados Unidos indicariam que alguém no cockpit derrubou a aeronave; informação foi divulgada pelo Wall Street Journal

Equipes de resgate trabalham em local de queda de avião em Wuzhou, na região autônoma de Guangxi Zhuang, na China
Equipes de resgate trabalham em local de queda de avião em Wuzhou, na região autônoma de Guangxi Zhuang, na China 24/03/2022 REUTERS/Carlos Garcia Rawlins

Nectar Ganda CNN

Ouvir notícia

Dados de caixa preta recuperados do avião da China Eastern que caiu em março sugerem que alguém no cockpit derrubou o a aeronave intencionalmente, informou o “Wall Street Journal”, citando uma avaliação preliminar de autoridades dos Estados Unidos.

O Boeing 737-800 estava voando de Kunming para Guangzhou quando caiu oito quilômetros até atingir as montanhas, matando todos os 132 passageiros e tripulantes a bordo. Este foi o acidente aéreo mais mortal da China em décadas.

Informações extraídas do gravador de dados de voo danificado do avião mostram ordens de entrada feitas por um humano nos controles para o mergulho, de acordo com o Wall Street, citando pessoas familiarizadas com o caso.

“O avião fez o que foi dito por alguém na cabine”, informou a fonte do jornal.

O gravador de dados de voo do avião e o gravador de voz da cabine foram recuperados do acidente e enviados ao Conselho Nacional de Segurança em Transportes dos EUA (NTSB), em Washington, para análise, segundo a mídia estatal chinesa.

Autoridades americanas envolvidas na investigação estão se concentrando nas ações de um piloto, de acordo com o Wall Street, acrescentando que também é possível que outra pessoa no avião possa ter invadido a cabine e causado deliberadamente o acidente.

Os investigadores chineses não revelaram nenhum problema mecânico ou técnico com a aeronave que poderia ter causado o acidente, mas podem exigir mais ações em toda a indústria – como é típico após sitações como esta – um fato que as autoridades americanas acreditam que dá credibilidade à sua avaliação, o jornal relatado.

A CNN entrou em contato com a Administração de Aviação Civil da China (CAAC) e a China Eastern Airlines para comentários sobre o caso.

Em comunicado ao Wall Street, a China Eastern disse que não surgiram evidências que pudessem determinar se houve ou não problemas com a aeronave envolvida no acidente. A companhia aérea pontuou ainda que as condições de saúde e familiares dos pilotos eram boas e acrescentou que sua situação financeira também estava normalizada.

“Qualquer especulação não oficial pode interferir na investigação do acidente e afetar o progresso real da indústria global de transporte aéreo”, ponderou a companhia aérea ao jornal.

Na quarta-feira, o jornal estatal chinês Global Times citou um comunicado da CAAC, que disse ter procurado os investigadores do NTSB que negaram “divulgar informações sobre a investigação a qualquer meio de comunicação”.

De acordo com o Global Times, o CAAC disse que a investigação está em andamento de maneira “científica e rigorosa” e prometeu divulgar atualizações “oportunas e precisas”.

Em um resumo do relatório preliminar divulgado em 20 de abril, o CAAC destacou que as duas caixas pretas foram “gravemente danificadas” e “o trabalho de restauração e análise de dados ainda está em andamento”.

Os serviços de rastreamento FlightAware e Flightradar24 informaram que avião Boeing 737-800 da China Eastern Airlines caiu na segunda-feira com 132 pessoas a bordo; esta é uma foto de arquivo tirada em uma pista chinesa em fevereiro de 2022 / Foto: Zhou Bodian/VCG via Getty Images

O relatório observou que a tripulação de voo e o pessoal de manutenção “atenderam aos padrões relevantes” e que não havia itens a bordo que tivessem sido declarados como mercadorias perigosas, nem previsão de clima perigoso.

Antes que o avião saísse da altitude de cruzeiro, as comunicações de rádio entre a tripulação e o departamento de controle de tráfego aéreo não apresentavam nenhuma anormalidade, ainda segundo o texto.

Rumores sobre um copiloto derrubando intencionalmente o avião circularam amplamente na internet da China no início de abril, com algumas pessoas fazendo referência para as observações da CAAC sobre a saúde mental dos funcionários da aviação após o acidente.

Em uma reunião sobre segurança da aviação em 6 de abril, o diretor da organização, Feng Zhenglin, pediu aos funcionários do Partido Comunista em todos os níveis a “estabilizar os pensamentos de suas equipes, fazer o máximo esforço para resolver os problemas dos funcionários em seu trabalho, vida e estudo, e garantir sua integridade física e saúde mental”.

“Em particular, as autoridades devem fazer o melhor possível no trabalho ideológico dos pilotos para estabelecer uma base sólida para que a linha de frente opere com segurança”, disse Feng.

As especulações sobre o suicídio do piloto causando o acidente já levaram o CAAC a negar o fato. “Esses rumores enganaram seriamente o público e interferiram na investigação do acidente”, alertou Wu Shijie, um funcionário do órgão, em entrevista coletiva em 11 de abril, adicionando que a polícia estava fazendo investigações para responsabilizar aqueles que iniciaram os rumores.

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Mais Recentes da CNN