Corredor de evacuação de Mariupol “não funcionou como planejado”, diz autoridade

Vice-primeira-ministra ucraniana, Iryna Vereshchuk, disse que houve "falta de controle sobre seus próprios militares na área"

Civis tentam deixar Mariupol, uma das cidades mais atingidas pela Rússia na Ucrânia
Civis tentam deixar Mariupol, uma das cidades mais atingidas pela Rússia na Ucrânia Foto: Anadolu Agency via Getty Images

Nathan HodgeJulia Presniakovada CNN

Ouvir notícia

A vice-primeira-ministra ucraniana, Iryna Vereshchuk, disse, nesta quarta-feira (20), que um corredor de evacuação da cidade sitiada de Mariupol “não funcionou como planejado”, fornecendo poucos detalhes, mas prometendo retomar os esforços na quinta-feira (21).

“Devido à falta de controle sobre seus próprios militares no terreno, os ocupantes não conseguiram garantir um cessar-fogo adequado. Além disso, devido à desorganização e negligência inerentes, os ocupantes não conseguiram fornecer transporte oportuno de pessoas ao ponto em que nossos ônibus e ambulâncias estavam esperando”, disse ela.

O prefeito de Mariupol pediu aos moradores da cidade que evacuem ao longo de um corredor anunciado no início do dia por Vereshchuk, incluindo três pontos de reunião.

Vereshchuk não deu detalhes sobre quantas pessoas se reuniram, mas disse: “amanhã de manhã retomaremos nossos esforços na direção de Mariupol. Apelo ao nosso povo em Mariupol: lutaremos por cada um de vocês!”

Pavlo Kyrylenko, chefe da administração militar da região de Donetsk, disse em comentários na televisão na quarta-feira que menos pessoas do que o esperado embarcaram em ônibus ao longo do corredor.

“As pessoas se aglomeravam nesses pontos de coleta, mas poucas entravam nos ônibus”, disse. “Agora alguns desses ônibus estão indo na rota determinada pela Federação Russa. Assim que entrarem em contato, informaremos imediatamente quais dos moradores de Mariupol chegaram ao território controlado pela Ucrânia. E entenderemos como trabalharemos de acordo com a sequência especificada dos próximos dias.”

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Mais Recentes da CNN