COVID-19: Presidente do Equador reduz o próprio salário em 50% durante pandemia

Dados da Reuters apontam que pelo menos 7.257 casos e 315 mortes foram registradas no país até este domingo

Da CNN, em São Paulo*

Ouvir notícia
 
Lenín Moreno
Lenín Moreno, Presidente do Equador (9.fev.2017)
Foto: César Muñoz/Andes

O presidente do Equador, Lenín Moreno, anunciou no Twitter neste domingo (12) que irá reduzir o próprio salário em 50% durante a pandemia de coronavírus. O chefe de estado também anunciou corte nos vencimentos do vice-presidente, ministros e vice-ministros. Moreno afirmou ainda que todos os funcionários do Estado, inclusive governadores de províncias e membros da assembleia nacional seguirão a diretriz.

O Equador é um dos países que mais vem sofrendo com a COVID-19 na América do Sul. Dados da Reuters apontam que pelo menos 7.257 casos e 315 mortes foram registradas ali até este domingo. Autoridades locais acreditam que este número pode ser muito maior.

A cidade portuária de Guayaquil, na província de Guayas, registra mais de 70% dos casos no país e pode ser isolada militarmente. Com o volume crescente de mortes relacionadas ao novo coronavírus, o Equador teve, nos últimos dias, dificuldades para coletar os cadáveres das vítimas, e algumas famílias relataram que ficaram com corpos de parentes, em casa, por vários dias.

Leia também:
Ministro do Equador fala em ‘aumento sem precedentes’ de mortes em Guayaquil
Equador: governo demite servidor que pedia dinheiro para liberar corpos

Moradores de Guayaquil afirmam que, por causa de rigorosas medidas de quarentena destinadas a impedir a propagação da doença, incluindo um toque de recolher, não têm como enterrar seus parentes de forma prática e digna. A crise levou a prefeitura de Guayaquil a distribuir caixões de papelão diante da escassez dos de madeira no país. 

*Com Reuters

Mais Recentes da CNN