Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Da Lituânia, opositora de Lukashenko se diz ‘pronta para liderar’ Belarus

    Fala de Sviatlana Tsikhanouskaya se segue a um grande protesto nas ruas de Minsk no domingo, o maior até aqui contra Alexander Lukashenko

    Sviatlana Tsikhanouskaya, líder opositora de Belarus
    Sviatlana Tsikhanouskaya, líder opositora de Belarus Foto: Reuters

    Andrei Makhovsky e Maxim Rodionov,

    da Reuters

    Ouvir notícia

    A bielorrussa Sviatlana Tsikhanouskaya, opositora do presidente Aleksandr Lukashenko,disse, nesta segunda-feira (17), estar “pronta para liderar Belarus” e pediu a criação de um mecanismo legal para garantir que uma nova eleição presidencial justa possa ser realizada.

    Falando em um discurso por vídeo diretamente da Lituânia, ela também pediu aos policiais e à segurança que trocassem de lado no governo do presidente Alexander Lukashenko, dizendo que seu comportamento anterior seria perdoado se o fizessem agora.

    Leia também:
    Milhares protestam em Belarus, e presidente promove manifestação pró-governo

    Seu vídeo foi lançado um dia depois de bielorrussos gritando “Renuncie!” (para Lukashenko) encheu o centro da capital, Minsk, no maior protesto até agora contra o que eles disseram ser a reeleição fraudulenta do presidente Lukashenko há uma semana.

    “Estou pronto para assumir a responsabilidade e agir como líder nacional durante este período”, disse Tsikhanouskaya, dizendo que era essencial aproveitar ao máximo o ímpeto gerado por uma semana de protestos.

    O ex-professor de inglês se tornou uma das principais figuras da oposição contra Lukashenko, que luta para conter uma onda de protestos e greves em massa que representam o maior desafio para seus 26 anos de governo no país.

    Ela fugiu para o exterior na semana passada, dizendo que tinha feito isso para a segurança de seus filhos, mas rapidamente começou a lançar novos vídeos pedindo que os protestos antigovernamentais continuassem.

    A agitação se espalhou para setores da sociedade normalmente vistos como leais ao presidente, à medida que trabalhadores de grandes fábricas estaduais realizavam greves e alguns policiais, jornalistas da mídia estatal e um embaixador em exercício se manifestavam em apoio aos manifestantes.

    Os oponentes de Lukashenko dizem que ele fraudou a eleição presidencial de 9 de agosto para garantir um sexto mandato no poder. Ele nega ter perdido, citando resultados oficiais que lhe deram pouco mais de 80% dos votos.

    O Kremlin disse no domingo que o presidente russo Vladimir Putin disse a Lukashenko que Moscou estava pronta para ajudar a Bielo-Rússia de acordo com um pacto militar coletivo, se necessário, e que pressão externa estava sendo aplicada ao país.

    Não disse de onde.

    A Rússia está observando atentamente enquanto a Bielo-Rússia hospeda oleodutos que transportam as exportações de energia russa para o Ocidente e é vista por Moscou como uma zona-tampão contra a Otan.

    Mais Recentes da CNN