Decreto de Trump que proíbe imigração vai afetar só quem busca ‘green card’

Presidente enfatizou os efeitos econômicos da determinação, que valerá por 60 dias, indicando que ‘protegeria os trabalhadores norte-americanos’

Donald Trump, presidente dos Estados Unidos
Donald Trump, presidente dos Estados Unidos Foto: Leah Millis - 15.abr.2020/ Reuters

Da CNN

Ouvir notícia

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse que o decreto que proíbe as imigrações para o país será voltado somente às pessoas que buscam obter “green cards” (vistos permanentes), durará 60 dias e não afetará os trabalhadores que entrarem no território norte-americano temporariamente.

Explicando os detalhes da medida, pela primeira vez, desde que anunciou no Twitter que “suspenderia temporariamente a imigração aos EUA”, o presidente anunciou algo menor do que uma completa proibição da entrada de pessoas no país.

Ele afirmou que a medida equivalerá a uma pausa de 60 dias somente para as pessoas que buscam o visto de residência permanente nos EUA. Trump disse também que revisará o decreto no fim desse período para decidir se ele será renovado, mas não detalhou quando o assinará.

Assista e leia também:
Estados Unidos registram maior queda mensal na produção industrial desde 1946De acordo com 45 economistas, os Estados Unidos já estão em recessãoCNN Mundo debate ameaça do coronavírus e o efeito da pandemia nos Estados Unidos

Trump enfatizou os efeitos econômicos da determinação, indicando que “protegeria os trabalhadores norte-americanos”.

Um funcionário do governo disse à CNN que o decreto de Trump aborda somente os “green cards” porque a parte do visto de trabalho é mais complicada e precisa de mais tempo para resolver. Isso porque muitos dos que estão atualmente nos EUA com essa permissão trabalham em setores relacionados à pandemia do novo coronavírus, de locais de processamento de alimentos até a área da saúde.

A fonte afirmou que, embora as operações de rotina relacionadas aos green cards agora estejam paralisadas, elas eventualmente voltarão ao normal se não houver uma nova política de isolamento.

O primeiro rascunho do decreto foi enviado a advogados para revisão na semana passada.

Mais Recentes da CNN