Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Defesa de Trump apresenta argumentos finais em julgamento por fraude

    Advogados pedem que júri absolva ex-presidente de acusação de fraude eleitoral ao esconder pagamentos a atriz de filmes adultos

    O ex-presidente dos EUA, Donald Trump, sentado no tribunal do Tribunal Criminal de Manhattan com o advogado Todd Blanche
    O ex-presidente dos EUA, Donald Trump, sentado no tribunal do Tribunal Criminal de Manhattan com o advogado Todd Blanche 21/05/2024Michael M. Santiago/Pool via REUTERS

    Jack QueenLuc CohenAndy Sullivanda Reuters

    O advogado de Donald Trump pediu aos jurados nesta terça-feira (28) que deixem de lado os detalhes obscenos de seu julgamento criminal e se concentrem na papelada que está no cerne do caso. E pede que o colegiado declare o ex-presidente inocente de comportamento criminoso.

    “Este caso é sobre documentos. É um caso de papel”, disse o advogado de Trump, Todd Blanche, ao iniciar seu argumento final após seis semanas de julgamento.

    Blanche disse que os promotores não conseguiram provar que Trump, o candidato republicano à presidência em 2024, falsificou ilegalmente documentos para encobrir um pagamento secreto à estrela de filmes adultos Stormy Daniels para avançar sua campanha presidencial de 2016.

    “O presidente Trump é inocente. Ele não cometeu nenhum crime e o promotor não cumpriu o ônus da prova. Ponto final”, disse Blanche quando o julgamento foi retomado após um intervalo de uma semana.

    Blanche estava fazendo sua tentativa final de influenciar os 12 jurados que decidirão se Trump se tornará o primeiro presidente dos EUA a ser condenado por um crime. Os jurados poderão iniciar as deliberações já na quarta-feira (29).

    Assim que Blanche terminar, os promotores irão resumir as testemunhas e as evidências que apresentaram enquanto argumentam que Trump, 77, falsificou ilegalmente registros para encobrir o pagamento que garantiu que Daniels não tornaria pública sua história de um encontro sexual em 2006.

    Trump nega qualquer irregularidade e diz que nunca teve qualquer relação com Daniels.

    O juiz Juan Merchan, que supervisiona o julgamento, disse que pediria aos jurados que ficassem até mais tarde para que ambos os lados pudessem concluir seus argumentos ainda neste terça-feira (28).

    “Vocês e somente vocês são os juízes dos fatos neste caso”, disse ele aos jurados.

    Os promotores têm o ônus de provar que Trump é culpado “além de qualquer dúvida razoável”, o nível de certeza exigido pela lei dos EUA. Eles apresentarão seus argumentos finais após a defesa, como é padrão nos julgamentos criminais de Nova York.

    “Por que a defesa não pode ser a última? Grande vantagem, muito injusta”, postou Trump nas redes sociais na manhã desta terça-feira.

    Uma condenação não impedirá Trump de tentar recuperar a Casa Branca do presidente democrata Joe Biden nas eleições de 5 de novembro. Nem o impediria de assumir o cargo se ganhasse. As pesquisas de opinião mostram que os dois travam uma disputa acirrada.

    Blanche disse aos jurados para não confiarem no testemunho de Daniels ou do advogado Michael Cohen, que testemunhou que, como intermediário de Trump, ele administrou o pagamento a Daniels e que Trump aprovou o encobrimento.

    Cohen testemunhou que pagou a Daniels US$ 130.000,00 de seu próprio bolso e Trump o reembolsou o valor após a eleição, disfarçando esses pagamentos como honorários advocatícios mensais.

    Blanche disse que esses pagamentos eram de fato honorários advocatícios mensais, já que Cohen atuou como advogado pessoal de Trump durante esse período.

    “Na vida, geralmente a resposta mais simples é a certa, e esse é certamente o caso aqui”, disse Blanche.

    Durante o julgamento, os jurados ouviram relatos das condenações criminais e da prisão de Cohen, seu histórico de mentiras e sua persistente animosidade por seu ex-chefe. Cohen também admitiu ter desviado dinheiro da empresa de Trump.

    Se for considerado culpado, Trump pode pegar até quatro anos de prisão, embora a prisão seja improvável para um réu primário em crimes como esse.

    Trump enfrenta 34 acusações criminais de falsificação de registros comerciais, normalmente uma contravenção segundo a lei de Nova York.

    A equipe do gabinete do promotor distrital de Manhattan, Alvin Bragg, elevou essas acusações, dizendo que Trump falsificou esses registros para disfarçar o que equivalia a uma contribuição ilegal de campanha: o pagamento que comprou o silêncio de Daniels sobre o suposto encontro sexual de 2006, num momento em que Trump já enfrentava múltiplas alegações de má conduta sexual.

    Trump se declarou inocente e nega qualquer irregularidade. Os seus advogados deram a entender que o pagamento pelo silêncio de Daniels se destinava a poupar a família de Trump do constrangimento, e não a proteger a sua candidatura à Casa Branca. Os promotores citarão depoimentos para argumentar o contrário.

    Trump também enfrenta outros três processos criminais, mas nenhum deles deverá ir a julgamento antes das eleições.

    Casos separados em Washington e na Geórgia acusam-no de tentar ilegalmente anular a sua derrota eleitoral de 2020, enquanto outro caso na Florida o acusa de tratamento indevido de informações confidenciais depois de ter deixado o cargo em 2021.

    Trump se declarou inocente em todos os casos e diz que eles são uma tentativa dos aliados democratas de Biden para impedir sua candidatura presidencial.