Depois da pior temporada em anos, a Ferrari pode se recuperar em 2021?

Para melhorar o desempenho no campeonato deste ano, vai investir nos pilotos Carlos Sainz e Charles Leclerc e no uso de tokens para parte traseira dos carros

Equipe Ferrari de Fórmula 1 (01.set.2019)
Equipe Ferrari de Fórmula 1 (01.set.2019) Foto: Valdrin Xhemaj/Reuters

Por Amanda Davies e Ben Morse, da CNN

Ouvir notícia

Embora o vermelho escuro possa fornecer à Fórmula 1 sua pintura mais famosa, quando se trata deperformances recentes, até mesmo a Ferrari admite que eles estão um pouco fora da cor.

“Como nosso desempenho no ano passado [foi] tão ruim, quando você está começando desse ponto, acho que você não pode estar confiante de como será competitivo em 2021”, disse o chefe da equipe da Ferrari, Mattia Binotto, à CNN Sport.

É uma análise brutal que não vai inspirar confiança aos fãs da Ferrari após o pior ano da equipe na Fórmula 1 desde 1980.

Binotto supervisionou uma oitava e 13ª colocação no campeonato de pilotos e uma sexta colocação no campeonato de construtores em 2020, o que foi uma regressão dramática para a histórica equipe italiana e levou a uma reestruturação interna em grande escala.

Em um esporte onde o progresso ano após ano é exigido, a falta de resultados e a queda nos
desempenhos também focaram o escrutínio nos pilotos de Binotto e da Ferrari, notadamente
Sebastien Vettel.

Para 2021, Carlos Sainz substituiu Vettel, juntando-se a Charles Leclerc nos famosos ternos de
corrida vermelhos.

A Ferrari teve uma temporada relativamente bem-sucedida em 2019 – houve 19 pódios e três
vitórias entre seus dois pilotos – com o superastro Leclerc e o tetracampeão mundial Vettel no
comando, reduzindo a diferença para Lewis Hamilton e os carros da Mercedes.

No entanto, apesar do brilhante segundo lugar de Leclerc no Grande Prêmio da Áustria, na abertura da temporada de 2020, a Ferrari rapidamente estagnou enquanto seu carro lutava com a velocidade nas linhas retas, tanto com força quanto com resistência.

Binotto não hesita ao descrever o ano passado como uma “grande, grande decepção”, que eles “não podem repetir”, embora espere que a Ferrari possa ser pelo menos “competitiva” desde a primeira corrida no Bahrein, que será em 28 de março.

‘Vontade de vencer’

Embora o novo sistema de tokens signifique que partes do design do carro tenham sido congeladas – adiando qualquer desenvolvimento possível até 2022 –, a Ferrari usou seus tokens
para melhorar a parte traseira do carro.

O sistema de tokens imposto para esta temporada significa que as equipes podem escolher onde gastar os recursos de desenvolvimento, mas eles estão limitados a apenas dois tokens para melhorar certas áreas do carro, enquanto outras áreas estão “congeladas” e não podem ser atualizadas.

Embora Binotto ache que o carro será melhor do que a edição do ano passado, ele e os dois pilotos da Ferrari admitem que não saberão ao certo o avanço que deram até que a corrida no Bahrein.

Enquanto o carro está em andamento, Binotto pede que a equipe controle sua mentalidade e sua “vontade de vencer”.

Gerenciando uma equipe com um currículo tão histórico – eles venceram a maioria dos
campeonatos mundiais –, o chefe da equipe Ferrari diz que sente a “responsabilidade” de estar no comando ao invés de qualquer pressão.

“Estar ciente de cada detalhe conta e acho que a determinação será novamente importante e
mostrará progresso”, afirmou Binotto.

“Então eu acho que é realmente uma questão de mentalidade, mentalidade de equipe, mentalidade de pilotos. Como chefe de equipe, sem dúvida, estou plenamente ciente da responsabilidade que tenho por fazer”.

“Acho que é excelência italiana em uma palavra. Portanto, não sinto a pressão; sinto a
responsabilidade, mas também o orgulho. Simplesmente precisamos fazer melhor”.

Os motoristas

Quando Vettel e Ferrari se uniram, em 2014, o retorno dos campeonatos mundiais à Itália era o
alvo.

Vettel chegou perto, mas, desde 2018, ele caiu dramaticamente com seu colega monegasco mais jovem, Leclerc, assumindo o posto de piloto nº 1 da Ferrari.

Em meados de 2020, foi anunciado que Vettel seria substituído por Sainz. E, embora não tenha sido um período de preparação típico por causa da pandemia do novo coronavírus, ver seu número no distinto carro vermelho e vestir aquele famoso macacão vermelho durante o treinamento de pré- temporada em Maranello foi “especial” para o espanhol.

Apesar da chegada de Sainz – uma das perspectivas promissoras da F1–, muitas expectativas estão sobre os ombros de Leclerc.

O jovem de 23 anos, que ingressou na Ferrari em 2019, lutou como Vettel na temporada passada, terminando no pódio apenas duas vezes.

Correr por uma equipe mergulhada em tanta história da F1 pode pesar nos ombros de alguns
pilotos, mas não de Leclerc, que tenta “não pensar muito nisso, porque acho que isso vai prejudicar meu desempenho”.

“No final, eu sei o que significa ser um piloto da Ferrari”, disse Leclerc. “É algo muito, muito
especial com que sonhei toda a minha vida”.

“Mas, por outro lado, também sei que para conseguir o melhor resultado para a equipe, tenho que me concentrar no meu próprio trabalho e é assim que vou dar o meu melhor”.

O relacionamento entre dois pilotos em uma equipe de F1 é frequentemente uma dinâmica
intrigante, já que ambos competem pelos melhores resultados, ao mesmo tempo que trabalham
juntos para evitar que seus competidores terminem na frente deles.

No entanto, o equilíbrio entre querer vencer seu companheiro e fazer o que é melhor para a equipe pode ser difícil de navegar e que, historicamente, colocou os pilotos em situações complicadas.

Sainz está vindo da McLaren para a Ferrari, onde teve uma relação quase telepática com o
companheiro de equipe Lando Norris. Embora eles não tenham conseguido passar tanto tempo
juntos dentro ou fora da pista como gostariam com as restrições por causa da Covid-19, Sainz e
Leclerc podem ver uma forte conexão sendo construída.

Sainz diz esperar que eles possam se unir durante uma partida de padel – o esporte com raquete que se tornou popular na Espanha depois de ter sido importado do México, onde foi fundado em 1969.

Os dois pilotos estão cientes de que a principal prioridade para a nova temporada é a equipe.
“Acho que nós dois vamos dar o máximo para ter certeza de que podemos ajudar esta equipe a
seguir em frente”, afirmou Sainz.

“Acho que já começamos com o pé direito. Estamos indo bem e temos um bom relacionamento (…). Temos trabalhado juntos com essa equipe, tentando empurrar a equipe para frente, tentando empurrar na mesma direção”.

O objetivo

A reorganização interna da Ferrari agora vê quatro chefes se reportando a Binotto, incluindo Enrico Cardile no lado do chassi, Enrico Gualtieri para a unidade de força, Laurent Mekies para corridas e Gianmaria Fulgenzi para a cadeia de suprimentos.

A necessidade de ser “dinâmico” é fundamental, segundo Binotto.

“A organização tem que se adaptar a quais são os desafios e certamente estamos sempre diante de novos desafios”, explicou.

“Acho que agora temos certamente mais clareza e também mais responsabilidades”.
Enquanto a Ferrari permanece realista de que desafiar Hamilton será difícil, a importância de
retornar à tabela de topo é a chave, não apenas para esta temporada, mas para o futuro, pois eles pretendem criar um “ciclo de vitórias”.

Mesmo assim, Binotto reconhece que não existem soluções rápidas – ou “balas de prata”, como ele as chama – e é por isso que este ano é para lançar alicerces.

“Sendo Ferrari, acho que temos essa responsabilidade. Sabemos que a Ferrari representa a
excelência italiana no mundo”, complementou.

“A Ferrari de alguma forma é a equipe mais vencedora da Fórmula 1, é a que participa desde o
início. Então, acho que isso faz parte do nosso DNA. E acho que se você é a Ferrari, está sempre
buscando o título”.

“Portanto, sabemos que levará mais algum tempo, mas seja o que for, [é] mais importante que não possamos, como Ferrari, simplesmente aceitar estar lá e participar. Esse não pode ser o objetivo final. E, para nós, não é apenas sobre ganhar um título; acho que é realmente tentar criar um ciclo de vitórias”, concluiu.

(Texto traduzido; leia o original em inglês)

Mais Recentes da CNN