Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Derrotas eleitorais indicam sinais de crise do governo Sunak no Reino Unido

    Resultados podem indicar uma derrota de Rishi Sunak nas eleições gerais, previstas para o ano que vem

    Primeiro-ministro britânico, Rishi Sunak
    Primeiro-ministro britânico, Rishi Sunak 07/06/2023Niall Carson/Pool via REUTERS

    Rob Pichetada CNN

    Londres

    O primeiro-ministro do Reino Unido, Rishi Sunak, sofreu um duro golpe político nesta sexta-feira (21). Os eleitores britânicos rejeitaram o Partido Conservador em duas eleições parlamentares em que a vitória costuma ser certa.

    Os conservadores perderam para o ressurgente Partido Trabalhista em Selby e Ainsty, uma região no norte da Inglaterra onde o partido de Sunak desfrutava de uma maioria dominante.

    Uma segunda cadeira, em Somerton e Frome, foi conquistada pelos Liberais Democratas, um partido de centro.

    Os conservadores conseguiram manter uma terceira cadeira, em Uxbridge e South Ruislip — ocupada pelo ex-primeiro-ministro Boris Johnson até sua renúncia do parlamento no mês passado — embora os trabalhistas tenham aumentado significativamente sua parcela de votos.

    No geral, os resultados sugerem que o governo de Sunak está a caminho de uma derrota eleitoral nas próximas eleições gerais, previstas para o ano que vem.

    Sunak insistiu que a vitória em Uxbridge mostrou que a próxima eleição geral não é uma conclusão precipitada. “Westminster tem agido como se a próxima eleição fosse um acordo fechado. O Partido Trabalhista tem agido como se fosse um acordo fechado. O povo de Uxbridge acabou de dizer a todos que não é”, disse Sunak nesta sexta-feira, falando em um café no antigo assento de Johnson.

    As três eleições parciais de quinta-feira (20) foram um difícil teste de meio de mandato para Sunak, que assumiu o poder após o caótico mandato de seis semanas de Liz Truss no outono passado.

    Sunak tem lutado para reverter a queda da sorte dos conservadores nos nove meses em que ocupou o cargo. Uma série de escândalos, uma economia vacilante e um declínio nos serviços públicos da Grã-Bretanha deixaram seu partido profundamente impopular.

    Em Uxbridge e South Ruislip, o Partido Trabalhista esperava reivindicar a cadeira que Johnson ocupou por oito anos. Johnson renunciou com raiva depois que um comitê de colegas legisladores descobriu que ele havia mentido ao Parlamento sobre o “Partygate”, o escândalo dos partidos da era do bloqueio em seu governo que afundou sua popularidade e contribuiu para sua queda política.

    Mas o Partido Trabalhista ficou aquém, com o candidato do Partido Conservador, Steve Tuckwell, ganhando 45,16% dos votos depois de uma campanha dominada por uma questão local — uma expansão planejada de uma zona de baixas emissões para o exterior de Londres, que impõe um imposto sobre carros movidos a gasolina com mais de 16 anos.

    Em uma situação mais preocupante para os conservadores, o Partido Trabalhista superou um enorme déficit em Selby, no norte da Inglaterra, para conquistar a cadeira com 46% dos votos.

    As duas cadeiras foram vistas como o tipo de região que o Trabalhismo precisa ter como alvo se quiser ter esperança de reivindicar a maioria parlamentar na próxima eleição.

    Ambas as eleições foram desencadeadas depois que um comitê de legisladores descobriu que Johnson mentiu ao Parlamento, em um veredicto condenatório e sem precedentes contra um ex-primeiro-ministro. Johnson deveria ser suspenso do Parlamento por 90 dias, mas evitou essa penalidade ao renunciar.

    Nigel Adams, o ex-legislador conservador de Selby e um aliado próximo de Johnson, renunciou horas depois em um aparente movimento de solidariedade.

    Somando-se aos problemas dos conservadores, houve uma derrota esmagadora em Somerton e Frome — uma área rica no sudoeste da Inglaterra — para os liberais democratas, que obtiveram quase 55% dos votos. O partido centrista vem conquistando o apoio do ex-conservador na chamada “Muralha Azul”, uma parte abastada do sul da Inglaterra que normalmente se opunha ao Brexit.

    A virada contra os conservadores nas três cadeiras indica que um ressurgente Partido Trabalhista tomaria o poder em uma votação nacional.

    Por lei, uma eleição geral deve ocorrer até janeiro de 2025. A maioria dos observadores acha que Sunak a convocará no outono de 2024, se não antes, para evitar tentar persuadir os eleitores a votar no meio do inverno.

    O tempo está se esgotando para Sunak reverter sua sorte. Uma crise do custo de vida, serviços públicos debilitados, inflação teimosamente alta e uma lista interminável de escândalos conservadores viraram a opinião pública firmemente contra seu partido — que está no poder há 13 anos — e intensificaram os apelos de partidos da oposição para uma eleição geral antecipada.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original