Dois canadenses presos na China sob acusações de espionagem são liberados

Homens ficaram presos por quase três anos. Anúncio foi feito horas após executiva da Huawei firmar acordo com justiça americana

Michael Spavor fala durante entrevista em vídeo no dia 2 de março de 2017
Michael Spavor fala durante entrevista em vídeo no dia 2 de março de 2017 Reprodução/CNN

Paula Newtonda CNN

Ouvir notícia

Dois canadenses detidos pela China por quase três anos foram libertados, anunciou o primeiro-ministro canadense Justin Trudeau na sexta-feira à noite.

Trudeau disse que Michael Kovrig e Michael Spavor embarcaram em um avião com destino ao Canadá por volta das 20h30 (horário de Brasília) da sexta-feira (24) à noite e aterrissariam no Canadá em algum momento no sábado.

“Estes dois homens passaram por uma provação inacreditavelmente difícil nos últimos mil dias. Eles demonstraram força, perseverança e graça e estamos todos inspirados por isso”, disse Trudeau em uma coletiva de imprensa no final da noite em Ottawa.

Trudeau não quis discutir detalhes sobre como a libertação deles aconteceu, mas agradeceu aos aliados canadenses por seu apoio.

O ex-diplomata Kovrig e o empresário Spavor já se encontravam na China desde o final de 2018. Eles foram presos sob acusação de espionagem na China logo após a prisão de Meng Wanzgou, executiva e ex-CFO da Huawei, por investigações dos Estados Unidos relacionadas aos negócios da empresa no Irã.

Porém, a China negou consistentemente que os casos eram de alguma forma relacionados.

No início da sexta-feira, o Departamento de Justiça dos Estados Unidos e Meng chegaram a um acordo para adiar as acusações dos EUA contra ela até o final de 2022. Após o prazo final, as acusações poderiam ser retiradas.

Meng deixou o Canadá na sexta-feira em um voo fretado para a China pelo próprio governo chinês, informou a agência de notícias estatal Xinhua.

As investigações dos EUA apuravam se Meng, então diretora financeiro da gigante chinês de telecomunicações Huawei, enganou o banco HSBC sobre a relação da empresa com uma subsidiária iraniana, a Skycom, que os EUA alegam que teria violado as sanções americanas contra o Irã.

Meng é também filha do fundador da Huawei, Ren Zhengfei.

Meng apareceu virtualmente em um tribunal no Brooklyn, Nova York, e se declarou inocente de acusações de fraude bancária e conspirações.

Entretanto, como parte do acordo, Meng confirmou que a declaração de fatos no acordo de acusação é verdadeira.

Esses fatos incluem que ela deturpou a relação da Huawei com a Skycom com o HSBC, de acordo com os documentos do tribunal. Se ela disser ou implicar o contrário, isso poderia violar os termos do acordo e resultar em sua acusação.

Saga jurídica de três anos

Meng foi preso enquanto trocava de avião em Vancouver, em dezembro de 2018. Nove dias depois, Spavor e Kovrig foram detidos na China – um movimento amplamente interpretado como retaliação política por sua prisão.

Pequim negou manter os dois canadenses como reféns políticos, mas seus procedimentos legais ocorreram em momentos críticos.

Suas audiências – realizadas separadamente à porta fechada em março – foram anunciadas na véspera da primeira reunião de alto nível entre autoridades americanas e chinesas desde que Joe Biden assumiu o cargo.

A sentença de Spavor em agosto, quando foi condenado a 11 anos de prisão por espionagem e fornecimento ilegal de segredos de estado no exterior, veio quando as audiências de Meng entraram em sua fase final em Vancouver.

A equipe jurídica da Huawei e de Meng negou as alegações dos EUA, dizendo que os executivos do HSBC sabiam das relações da Huawei com a Skycom.

Eles também alegaram que o processo dos EUA – que foi apresentado em meio à guerra comercial do ex-presidente Donald Trump com a China – tinha motivação política.

Após o anúncio de Trudeau na sexta-feira, a empresa de Kovrig, o think tank International Crisis Group, celebrou a notícia.

“O dia que esperávamos há 1.020 dias finalmente chegou. Michael Kovrig está livre”, disse o vice-presidente interino Comfort Ero.

“Para Pequim: Saudamos esta decisão muito justa. A Ottawa: obrigado por seu firme apoio ao nosso colega. Aos Estados Unidos: obrigado por sua disposição de apoiar um aliado e nosso colega. Ao inimitável, incansável e inspirador Michael Kovrig, bem-vindo ao lar!”

Mais Recentes da CNN