Dois homens são presos em investigação de situação de reféns em sinagoga dos EUA

Autoridades de contraterrorismo britânicas interrogaram suspeitos, que foram detidos no Reino Unido; quatro pessoas foram mantidas reféns no que o FBI considerou um ato "relacionado a terrorismo"

O FBI e o Departamento de Segurança Pública do Texas atuaram em situação de reféns na Congregação Beth Israel em Colleyville, Texas, de acordo com a sargento da polícia de Colleyville
O FBI e o Departamento de Segurança Pública do Texas atuaram em situação de reféns na Congregação Beth Israel em Colleyville, Texas, de acordo com a sargento da polícia de Colleyville KTVT

Rob PichetaSharon Braithwaiteda CNN

em Londres

Ouvir notícia

Dois homens foram presos nas cidades britânicas de Birmingham e Manchester, na manhã desta quinta-feira (20), como parte da investigação sobre a situação de reféns em uma sinagoga do Texas, nos Estados Unidos, no último fim de semana, disse a polícia da Grande Manchester.

Os homens permaneceram sob custódia para interrogatório enquanto os investigadores de contraterrorismo do Reino Unido apoiam as autoridades americanas na investigação do incidente que colocou as comunidades judaicas americanas no limite.

O FBI está investigando o impasse de sábado como “um assunto relacionado a terrorismo, no qual a comunidade judaica foi alvo”, disse o departamento.

O FBI identificou Malik Faisal Akram, um cidadão britânico, como o homem que manteve quatro pessoas como reféns em uma sinagoga de Colleyville, Texas, em um impasse de 11 horas.

Uma equipe do FBI matou Akram depois que um refém foi libertado e três escaparam.

Akram, de 44 anos, era conhecido dos serviços de segurança do Reino Unido e havia sido objeto de uma breve investigação em 2020, disse um funcionário do Reino Unido à CNN na terça-feira.

Essa investigação foi encerrada quando as autoridades determinaram que Akram não era mais uma ameaça.

No final de dezembro, ele chegou aos Estados Unidos através do Aeroporto Internacional John F. Kennedy de Nova York, disse à CNN uma fonte da segurança pública americana familiarizada com a investigação.

Os investigadores acreditam que Akram foi motivado no sequestro pelo desejo de ver a libertação da terrorista condenada Aafia Siddiqui, que está cumprindo uma sentença de 86 anos na prisão federal de Fort Worth, disseram eles.

Ela não estava envolvida no impasse de Colleyville, disse seu advogado.

Dois adolescentes presos no domingo no sul de Manchester foram libertados sem acusações nesta terça-feira, de acordo com a PA Media, uma agência de notícias sediada no Reino Unido.

Rabino heroico prestes a deixar a congregação

A ousada fuga dos três últimos reféns na noite de sábado, quando o humor de Akram se deteriorou, foi liderada pelo rabino Charlie Cytron-Walker, que creditou o treinamento de segurança por prepará-los “para agir e fugir quando a situação se apresentasse”.

Cytron-Walker deixará a Congregação Beth Israel em junho, disse a porta-voz Jennifer Farmer à CNN na quarta-feira.

“O rabino estava planejando a transição. Ele estava na congregação há 16 anos. Embora essa transição já estivesse planejada, agora ele está singularmente focado na cura da tragédia do fim de semana passado”, disse Farmer.

* Travis Caldwell, Amir Vera, Jason Hanna e Joe Sutton, da CNN, contribuíram para esta reportagem

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Mais Recentes da CNN