Donald Trump processa a sobrinha e repórteres por divulgação de documentos fiscais

“As ações de Mary Trump e do The Times foram motivadas, pelo menos em parte, por sua real malícia”, alega o processo

O processo do ex-presidente também acusa os jornalistas do Times de "interferência ilícita"
O processo do ex-presidente também acusa os jornalistas do Times de "interferência ilícita" Foto: Getty Images

Tierney Sneedda CNN

Ouvir notícia

O ex-presidente dos Estados Unidos, Donald Trump entrou com uma ação no tribunal do estado de Nova York na terça-feira contra sua sobrinha Mary Trump, bem como vários jornalistas do New York Times, pela divulgação de suas informações fiscais que foram publicadas em matérias do jornal.

O processo de Trump – que busca “indenização em um valor a ser determinado no julgamento, mas que se acredita não ser inferior a cem milhões de dólares” – alega que a divulgação de Mary Trump das informações fiscais ao Times equivaleu a uma violação ilegal de contrato, entre outras reivindicações, porque a divulgação supostamente violou um acordo de liquidação de 2001 entre a família Trump.

O processo do ex-presidente também acusa os jornalistas do Times de “interferência ilícita” com o acordo de solução, entre outras alegações, em como eles “buscaram implacavelmente Mary Trump e intencionalmente obtiveram sua violação do Acordo”. Susanne Craig, David Barstow e Russ Buettner do The Times são citados como réus.

“As ações de Mary Trump e do The Times foram motivadas, pelo menos em parte, por sua real malícia”, alega o processo. O documento ainda diz que os jornalistas do Times “colheram injustamente benefícios pessoais, profissionais e/ou comerciais significativos, incluindo, mas não se limitando a, ganho monetário, fama, aclamação, notoriedade, valorização de mercado inflada, aumento de receita e/ou avanço na carreira.”

O processo, que foi aberto no Condado de Duchess, foi relatado pela primeira vez pelo The Daily Beast.

Em um comunicado, Mary Trump disse: “Eu acho que ele é um perdedor, e ele vai jogar qualquer coisa contra a parede que puder. É desespero. As paredes estão se fechando e ele está jogando contra a parede qualquer coisa que ele acha que vai grudar. Como sempre é o caso com Donald, ele tentará mudar de assunto.”

Em um comunicado, um porta-voz do Times disse que a “cobertura do jornal dos impostos de Donald Trump ajudou a informar os cidadãos por meio de reportagens meticulosas sobre um assunto de interesse público superior. Este processo é uma tentativa de silenciar organizações de notícias independentes e planejamos nos defender vigorosamente contra isso.”

Os três repórteres ganharam o Prêmio Pulitzer por sua investigação de 18 meses sobre as finanças de Trump, que “desmascarou suas alegações de riqueza e revelou um império de negócios crivado de evasões fiscais”, de acordo com o site do prêmio de jornalismo.

Na época, Donald Trump considerou o relatório “muito antigo, enfadonho e frequentemente contado”, embora ele não tenha contestado diretamente nenhuma de suas descobertas. O advogado de Trump, Charles Harder, disse na época que “as alegações de fraude e evasão fiscal do New York Times são 100% falsas e altamente difamatórias”, segundo o jornal.

Mary Trump – filha do falecido irmão mais velho do ex-presidente, Fred Trump Jr. – foi abertamente contra seu tio, incluindo a escrita de um livro, “Too Much and Never Enough: Como Minha Família Criou o Homem Mais Perigoso do Mundo”, em 2020, que pintou um retrato nada lisonjeiro da família Trump e suas transações financeiras.

Mary Trump também revelou em seu livro que contava tudo que ela era uma fonte para a história do Times sobre as declarações de impostos de Donald Trump.

O irmão mais novo de Donald Trump, Robert Trump, liderou o esforço para tentar bloquear o lançamento do livro de sua sobrinha, alegando que violaria os termos do acordo confidencial que a família alcançou em litígio após a morte do patriarca da família Fred Trump.

(Texto traduzido. Leia o original aqui)

Mais Recentes da CNN