Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    “É preciso condenar os violentos”, diz Papa Francisco sobre fanatismo religioso

    O pontífice proferiu palavras duras contra o fanatismo religioso

    Javier Romeroda CNN

    Vaticano

    De Bahrein, no Oriente Médio, onde participou do encerramento de um fórum para promover o diálogo entre Oriente e Ocidente, o Papa Francisco proferiu palavras duras contra o fanatismo religioso: “Não basta dizer que uma religião é pacífica, é preciso condenar e isolar o violento”.

    Do congresso participaram personalidades religiosas de todo o mundo: muçulmanos, judeus e cristãos. Na lista de convidados estava o ministro do Patriarcado Ortodoxo Russo para o diálogo com o mundo islâmico.

    Diante de todos eles e na presença do rei do Bahrein, o pontífice fez uma revisão da atual situação internacional, marcada por guerras como a da Ucrânia:

    “Estamos testemunhando um cenário dramaticamente infantil: no jardim da humanidade, em vez de tomar cuidando do todos, joga-se com fogo, mísseis e bombas, com armas que causam lágrimas e morte, enchendo a casa comum de cinzas e ódio”.

    Diante desse cenário, Francisco disse que os líderes têm o dever de “dar um bom exemplo” e que são chamados a “questionar-se, entrar em crise e saber dialogar com paciência, respeito e espírito de escuta”.

    Ele disse que é importante investir em educação porque “onde faltam oportunidades educacionais, os extremismos aumentam e os fundamentalismos se enraízam”.

    Ele também pediu “reconhecimento das mulheres na esfera pública” e “exame” sobre a liberdade religiosa: “Não é suficiente conceder autorizações e reconhecer a liberdade de culto”.

    Ao lado do papa estava o grande imã de al Azhar, Ahmed al-Tayeb, um líder moral sunita. Durante anos, ambos realizaram uma campanha para conscientizar os líderes religiosos mundiais da necessidade de condenar o fanatismo, embora o Grande Imã também tenha durado palavras contra os líderes ocidentais:

    “Há poucos dias, ouvimos a declaração de um alto escalão europeu oficial que descreveu a Europa como um idílico jardim de prosperidade e o resto do mundo basicamente como uma selva. Essas declarações irresponsáveis ​​apenas mostram grande ignorância sobre as civilizações do Oriente e sua história, que remonta a mais de 5.000 anos, não apenas trezentos ou quatrocentos anos.”

    O Bahrein é a 39ª viagem internacional do papa argentino, que continua com problemas no joelho. Ao cumprimentar os jornalistas no avião para o Bahrein, lamentou não poder ir ao local de cada um para cumprimentá-los, como de costume: “Estou muito dolorido hoje e não me sinto capaz de fazer as rondas”, disse. .

    Ainda assim, há poucos dias indicou que continua determinado a visitar África em fevereiro, depois de ter suspendido uma viagem ao Sudão do Sul e à República Democrática do Congo em julho.