Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Egito fecha o cerco a empresas de turismo após mortes por calor em peregrinação

    16 empresas do setor tiveram suas licenças de operação retiradas

    Peregrinos muçulmanos ao redor da Caabadurante a peregrinação anual do Hajj, em Meca, Arábia Saudita
    Peregrinos muçulmanos ao redor da Caabadurante a peregrinação anual do Hajj, em Meca, Arábia Saudita 18/06/2024REUTERS/Mohammed Torokman

    Da Reuters

    O Egito retirou licenças de operação de 16 empresas de turismo e as encaminhou ao Ministério Público, sob a acusação de responsabilidade pelas mortes de peregrinos egípcios em Meca, disse uma unidade de crise encarregada de lidar com a situação neste sábado.

    Fontes médicas e de segurança dizem que pelo menos 530 egípcios morreram durante a peregrinação deste ano para Meca, e o comunicado da unidade, formada na quinta-feira (20) e liderada pelo primeiro-ministro Mostafa Madbouly, disse que 31 mortes foram confirmadas como decorrentes de doenças crônicas.

    As empresas de turismo que facilitaram a viagem dos que morreram não forneceram nenhum tipo de serviço, inclusive médico, segundo o comunicado, sem nomear as empresas envolvidas.

    As agências estão sendo acusadas de enviar fiéis à Arábia Saudita com vistos pessoais de turismo, em vez de vistos do Hajj, que permitem acesso à Meca, onde os rituais da cerimônia são realizados.

    Serviços médicos oferecidos por autoridades sauditas para aliviar as dificuldades da peregrinação não são oferecidos a quem está viajando com um visto pessoal. Os fiéis que morreram tiveram que andar pelo deserto para Meca para evitar prisão ou deportação, acrescentou o comunicado.

    Autoridades egípcias também afirmaram que essas agências de viagem não deram “acomodação adequada” aos peregrinos e que isso lhes causou “exaustão devido às altas temperaturas”.

    Onda intensa de calor

    Nos últimos dias, centenas de pessoas de vários países morreram em condições adversas na peregrinação Hajj à cidade saudita, onde as temperaturas chegaram a ultrapassar os 51º Celsius.

    Cientistas climáticos disseram que o aumento das temperaturas representa uma ameaça crescente ao evento, embora as mortes relacionadas com o calor durante o Hajj não sejam novas e tenham sido registadas desde o ano 1400.

    A falta de aclimatação a temperaturas mais elevadas, o esforço físico intenso, os espaços expostos e a população idosa são alguns dos fatores que tornam os peregrinos vulneráveis.