Eleições na Colômbia: país decidirá próximo presidente neste domingo

Quase 39 milhões de eleitores são convocados às urnas para decidir o sucessor de Iván Duque para tomar as rédeas do país até 2026

Manifestantes balançam bandeiras da Colômbia dias antes das eleições presidenciais.
Manifestantes balançam bandeiras da Colômbia dias antes das eleições presidenciais. Sebastian Barros/NurPhoto via Getty Images

Da CNN em Espanhol

Ouvir notícia

Neste domingo (29), os colombianos vão às urnas, desta vez para eleger o próximo presidente e vice-presidente da Colômbia.

Quase 39 milhões de eleitores são convocados neste último domingo de maio, das 8h às 16h (10h às 18h, no horário de Brasília), para eleger o presidente que assumirá as rédeas do país entre 2022 e 2026.

Embora restem apenas seis candidatos à presidência devido a duas renúncias, oito chapas aparecerão nesta ordem na cédula eleitoral, com seus nomes, sobrenomes, logotipo e movimento ou partido político.

Cédula das eleições colombianas deste domingo (29). /

As últimas duas chapas da cédula, as encabeçadas por Luis Perez e Ingrid Betancourt, renunciaram às suas candidaturas.

Ao contrário das eleições anteriores, quando os partidos registraram seus próprios candidatos, na Colômbia é cada vez mais comum a formação de alianças por espectro político para eleger candidatos presidenciais.

Em março, foram realizadas consultas internas nas quais três dos candidatos que concorrem a esta eleição foram escolhidos entre um amplo leque de pré-candidatos.

As mudanças para as eleições presidenciais

Na pré-contagem de votos para as eleições legislativas de março, foram feitas denúncias de possíveis irregularidades dias após o anúncio dos primeiros resultados.

Mais tarde, o Registro Civil Nacional da Colômbia revelou os resultados da apuração final que deu cerca de 390 mil votos ao movimento de esquerda, o Pacto Histórico, e fez com que outros grupos perdessem cadeiras no Senado após a redistribuição dos votos.

Nessa altura, o escrivão Alexandre Vega sustentou que estas irregularidades são situações que podem surgir nos processos eleitorais, mas insistiu que há garantias para todos os partidos e movimentos políticos, e convidou as reclamações a serem apresentadas ao Conselho Nacional Eleitoral.

Alejandra Barrios, diretora da Missão de Observação Eleitoral (MOE), órgão independente que monitora as eleições, disse à mídia local que, embora tenha havido muitos erros do secretário na contagem de votos, não se pode falar de fraude.

Para evitar o que aconteceu na pré-contagem das eleições legislativas, o secretário Alexander Vega anunciou no dia 21 de abril que todos os júris de votação serão alterados e as diretrizes para preenchimento dos formulários de apuração foram modificadas, após aprovação por uma comissão responsável.

Vega disse que houve 5.109 assembleias de voto em que houve denúncias perante o Ministério Público e a Procuradoria Geral da República por irregularidades nas eleições. Os 15 mil jurados dessas mesas serão excluídos das presidenciais, para dar “garantias”, acrescentou Vega, que disse que o plano foi “bem recebido” pelas campanhas políticas.

Neste domingo (29), acontece o primeiro turno. Se algum dos candidatos obtiver maioria simples (metade mais um) dos votos válidos, não haverá necessidade de segundo turno.

Se não houver vencedor, o segundo turno será realizado no dia 19 de junho com os dois candidatos mais votados.

O vencedor será o sucessor de Iván Duque e tomará posse em 7 de agosto de 2022.

Este conteúdo foi criado originalmente em espanhol.

versão original

Mais Recentes da CNN